Publicidade
LG Eletronics

Sondagem aponta cenário preocupante para a hotelaria paulista

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

Mais de 60% dos hotéis, das pousadas e dos meios de hospedagem em geral serão obrigados a demitir entre 20% a 80% do quadro de funcionários do setor da hotelaria, de acordo com sondagem realizada neste mês de abril pela Abih-SP – Associação Brasileira da Indústria Hoteleira do Estado de São Paulo.

Publicidade
Travel Tech

De acordo com a entidade, o cenário é devastador, tendo em vista que, do mês de julho do ano passado até fevereiro de 2021 a taxa média de funcionários por unidade habitacional de hotéis em operação já reduziu 41%.

Publicidade
LG Eletronics – Meio

Acesso a linhas de crédito

Apesar de alardeados, os empréstimos públicos e privados deixaram de atender a 74% dos empreendimentos hoteleiros. A minoria (26%), que conseguiu acessar alguma linha de crédito, corresponde a programas de origem pública: Pronampe (8%), Desenvolve SP/Fungetur (5%), Caixa Econômica Federal/Fampe/Sebrae (1%), BNDES (1%) e Proger (1%). Outros 9% foram empréstimos obtidos junto a instituições privadas.

Publicidade
Tramontina

Benefícios fiscais

A situação da hotelaria no estado é também agravada pela falta dos benefícios tributários pleiteados junto poder público em âmbito municipal. Absoluta maioria (83%) dos empreendimentos, até agora, não obteve isenção dos tributos IPTU e ISS, nem acesso a opção de parcelamento para quitação dos impostos em atraso durante os meses da pandemia.

Publicidade
Escola de resultados

Programa do BEm

82% dos hotéis, pousadas e meios de hospedagem declaram intenção de aplicar o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) em 2021. 41% vão optar pela suspensão de 100% dos contratos.

Fluxo de caixa

72% dos empreendimentos tem fluxo de caixa para manter as portas abertas por um, dois ou no máximo três meses.

Para minimizar os efeitos catastróficos, a Abih-SP considera urgente que sejam atendidas as demandas reivindicadas pelo setor. Ou seja: 1-) linhas de crédito para capital de giro, sem burocracias; 2-) lançamento do programa do BEm para redução de jornada de trabalho (PL 14020 do Governo Federal); 3-) liberação do Pronampe para financiar a folha de pagamento Também, Governo Federal); 4-) isenção do IPTU para os anos de 2022/23 e 5-) Refis dos impostos atrasados dos anos de 2020/21.

Clique aqui para ter acesso à integra da “Sondagem da Situação da Hotelaria do Estado de São Paulo no Período de Pandemia” e confira também o “Desempenho da Hotelaria do Estado de São Paulo de julho de 2020 a fevereiro de 2021”.

Publicidade
Harus 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA