Publicidade
LG Eletronics

Perspectivas para a hotelaria foi tema do Encontro da Hotelaria Mineira

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 5 minutos

Segundo painel do Encontro da Hotelaria Mineira – edição virtual, trouxe três grandes nomes da hotelaria para debate

No segundo painel da nova edição virtual do Encontro da Hotelaria Mineira, Rodrigo Mangerotti, Gerente geral do Hotel Mercure Lourdes Belo Horizonte; Pablo Ramos, Diretor da MHB Hotelaria; e Alexander Borges, Gerente geral do Hotel Wish Foz do Iguaçu, debateram o tema “Cenário Atual e as Perspectivas da Hotelaria Brasileira”. A mediação, mais uma vez, foi de Maarten Van Sluys, consultor em hotelaria; e Marcos Valério Rocha, representante regional da FBHA em Minas Gerais e idealizador do evento.

Publicidade
LG Eletronics – Meio

Dando início a discussão, Maarten Van Sluys comentou: “Tudo está em constante mudança, o curto prazo não existe mais e o médio prazo está para daqui a um mês. As tomadas de decisão estão cada vez mais ágeis e nós brasileiros já estamos acostumados com isso, O hotel Mercure Lourdes esteve fechado por uma questão de estratégia e gostaríamos de saber como está sendo o retorno dos negócios, a retomada e o cenário da hotelaria geral em Belo Horizonte”.

Rodrigo Mangerotti, Gerente geral do Hotel Mercure Lourdes Belo Horizonte

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Rodrigo Mangerotti, Gerente geral da unidade, após tecer agradecimentos pontuais, comentou: “Temos duas análises importantes a serem feitas. A primeira é por conta da pandemia, naturalmente. A segunda foi pela decisão pelo fechamento provisório por questões de custo. Conseguimos realizar reduções de custos consideráveis e concluímos que o fechamento por quatro meses traria maiores perspectivas de evolução. Temos 384 proprietários, é um condo-hotel e o primeiro momento foi de complexidade e decisões para o melhor para o empreendimento. A reabertura passou por análise mercadológica e foi um trabalho que considerou se a demanda corporativa demoraria a acontecer. Descentralizamos ações em diversos setores do nosso empreendimento. Sabemos que passaremos por momentos de dificuldade até a vacina ou até a recuperação econômica, mas também temos consciência que se bem trabalhada a demanda, teremos uma recuperação bem posicionada”.

Pablo Ramos, Diretor da MHB Hotelaria

Publicidade
Harus

Hotéis em operação contínua

Pablo Ramos comentou como a MHB Hotelaria conseguiu manter os hotéis em operação desde a hora zero da explosão da pandemia. “A hotelaria mineira é muito receptiva. Quando fomos impactados pela pandemia, tivemos de tomar decisões. Dividimos esse processo em três fases: diagnóstico, implantação e back to business. Na primeira fase, ajudou a decisão de terceirizar boa parte de nossos serviços, em setembro de 2019. Isso fez com que o impacto em nossos hotéis fosse menor. O quadro já havia sido reduzido em 35% em todas as nossas unidades. Concomitante aos nossos investidores, tomamos decisões que nos ajudou durante a pandemia. Nos meses de março e abril, tínhamos um bom fluxo de caixa, que nos permitiu não adotar nenhuma medida ofertada pelo Governo. Fizemos alguns desligamentos e honramos todos os custos o que nos deu a tranquilidade de manter os hotéis abertos em um modelo de serviços limitados e isso nos deu fôlego para o planejamento de novas ações. Os meses de março e abril foram, para a nossa equipe, muito complicados. Chegamos a ficar 40, 50 dias dentro dos hotéis, para não corrermos o risco de levar o vírus para casa. Conseguimos manter todos os hotéis em funcionamento e agora estamos vendo que a retomada tem acontecido”, detalhou o executivo.

Publicidade
Dam Roupas

Energização de equipe

Van Sluys observou em seguida como o Hotel Wish Foz do Iguaçu, da GJP Hotels & Resorts, se destacou durante o período de pandemia e pediu para que Alexander Borges, Gerente geral do empreendimento, tecesse comentários sobre a operação da unidade.

Alexander Borges, Gerente geral do Wish Foz do Iguaçu

Segundo Borges, “A energização da equipe foi uma preocupação constante. Sempre nos preocupamos com o impacto da pandemia na equipe. Tivemos um cuidado grande na comunicação com as equipes e com a manutenção do produto. O hotel ficou fechado durante cinco meses e mantivemos as equipes cientes do cenário da saúde pública com o poder público. Reabrimos dia 3 de setembro com níveis elevados de satisfação do cliente e reviews muito bons. Temos prêmios de melhor resort para famílias e melhor hotel de golfe. Agora melhor resort do Brasil (concorrendo). Estamos muito contentes com o atual momento do produto”.

Investimento em novos procedimentos e protocolos de segurança

Rodrigo Mangerotti detalhou os investimentos feitos pela Accor em protocolos e procedimentos de segurança, que contou com a parceria do Bureau Veritas. “Temos um site com todos os nossos protocolos. Seguimos um trabalho que analisou todas as premissas da OMS e legislações locais e regionais, com modificações de acordo com os decretos de cada destino. O Mercure Belo Horizonte Lourdes tem 26 salas de eventos. A vantagem de estar aliado a Bureau Veritas é a credibilidade da entidade, além das premissas de prevenção ao vírus. Mantemos a rigorosidade da segurança e dos protocolos sem perder em acolhimento e qualidade de atendimento, personalizado e encantador. Nossa intenção além da aplicação do certificado All Safe é também garantir a segurança do nosso colaborador, gerenciando as expectativas de ambos os lados. Para isso, precisamos sempre pensar em nosso negócio, como fazer tudo isso e manter o negócio economicamente viável. Tudo para que continuar posicionados na lembrança do viajante como a primeira opção no momento da decisão pela hospedagem, onde ficar na capital mineira”, afirmou.

Planos de expansão

Pablo Ramos em seguida, falou sobre a visão de desenvolvimento de bandeiras e o cenário das franquias na capital mineira. “Nós temos que nos unir e dar as mãos. Se todos estivermos unidos, quem ganha é a hotelaria de Belo Horizonte. Se não, quem perde é a hotelaria de Belo Horizonte. Antes mesmo do processo da pandemia, houve mudanças no que diz respeito a empresa menores assumirem hotéis em dificuldade. Um dos grandes impactos que vemos ao assumir esse processo é o custo. Neste movimento desde o período de Copa do Mundo, vemos muitos players se aventurando, sem conhecimento técnico do que é ter uma SCP. Você vê muitos investidores se aventurando e eu acho que está acontecendo uma certa inversão de papéis. Nossa visão é oferecer uma gestão compartilhada, com a participação do investidor, o que traz uma estabilidade ao mercado. Acredito que o impacto maior nesse movimento todo é a questão do custo. No que diz respeito a terceirização e franquia, esse é um caminho sem volta. Sabemos que o modelo de terceirização traz bons resultados e fortalecimento às marcas. A franquia vai se tornar cada vez mais real. Acredito que se a hotelaria se unir mais, conseguiremos dar uma conotação diferente para um mercado que a cada dia está mais difícil de ser compreendido”, opinou.

O Encontro da Hotelaria Mineira – edição virtual, tem a Revista Hotéis como media partner do evento.

Publicidade
RAP Engenharia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA