Publicidade
Retomada do turismo

Hotéis promovem reformas na quarentena da COVID-19 para retomar as atividades bem posicionados

Muitos meios de hospedagens no Brasil estão aproveitando o momento para promover desde pequenas reformas, até mesmo retrofit que não era possível com o empreendimento em operação e com isso abre muitas oportunidades para os fornecedores

A pandemia da COVID-19 fez grande parte da hotelaria brasileira suspender as atividades como forma de garantir que o vírus não se propagasse e que seus colaboradores e hóspedes não fossem contaminados. O impacto desse “inimigo inviável sem precedentes”, gerou apreensão no mercado, pois ainda não existiam procedimentos pré-estabelecidos ou medidas emergenciais que protegessem a saúde financeira do negócio durante o período de quarentena. Houve casos de hotéis que optaram pelo fechamento definitivo. No entanto, especialistas e consultores do setor hoteleiro voltaram esforços no sentido de identificar meios para o contorno dos obstáculos e enfrentamento desse período com o mínimo de perdas possíveis. A manutenção dos hotéis enquanto fechados e o planejamento para o retorno com novas políticas e tecnologias foram duas das ações indicadas para o alcance dos objetivos mencionados acima.

 

Inbal Blanc: “Os hotéis com sua operação suspensa apresentam um risco alto de ocorrência pela falta de controle e gestão”

A manutenção do equipamento sem dúvida começa com a segurança das unidades, que merece atenção redobrada na fase da quarentena, quando muitos fazem da ausência de equipes e da movimentação, uma oportunidade para a invasão e para o furto de valores e objetos ou até mesmo para a realização de assaltos visando bens materiais de valor e equipamentos eletrônicos. Pensando nisso, o consultor em segurança e especialista no tema para o segmento hoteleiro, Inbal Blanc, também Diretor da SegurHotel, desenvolveu o Manual de Orientações COVID-19 para Hotéis com Operação Suspensa, que traz procedimentos e dicas relevantes para a prevenção de ocorrência e segurança das equipes.

Publicidade
Harus

O material – que é uma continuação do Manual de Orientações COVID-19, onde o consultor enumerou práticas e dicas para as equipes de frente dos hotéis prevenirem o avanço do novo coronavírus – traz os seguintes tópicos: Exemplos de Ocorrências em Estabelecimentos Fechados; Rede Hoteleira; Processo de Prevenção de Ocorrências no Hotel; Situações Emergenciais no Hotel; Casos de Infecção ou de Quarentena no Hotel, entre outros. Inbal Blanc mostra a importância de manutenção da segurança e exemplifica citando casos como o roubo do quadro Spring Garden, de Vincent Van Gogh, levado do Museu Singer Laren no dia 30 de março deste ano. O Museu já se encontrava fechado para a quarentena. Pintado em 1884, o quadro estava em exposição por empréstimo do Museu de Groningen. Seu valor não foi divulgado pelos gestores do local.

Essa e outras ocorrências podem ser evitadas. Segundo Blanc, “Os hotéis com sua operação suspensa apresentam um risco alto de ocorrência pela falta de controle e gestão. Muito importante nesse momento que cada hotel e principalmente as redes criem controle rígidos e procedimentos emergenciais claros, não só para a infecção da COVID-19 mas também para casos comuns como incêndios e roubos. Com o avanço da quarentena, as organizações criminosas estão cada vez mais atuantes o que pode levar ao aumento do risco de roubos e saques nos hotéis”.

Algumas orientações gerais contidas no material da SegurHotel são:

  • Definição de procedimentos operacionais mínimos para a manutenção dos hotéis;
  • Definição de procedimentos de prevenção ao coronavírus para este período;
  • Auxílio aos hotéis na definição de procedimentos emergenciais básicos: incêndios, roubos e invasões, acidentes com colaboradores;
  • Definição de um gestor, em nível de diretoria ou gerência sênior para o comando do controle de hotéis que terão a operação suspensa;
  • Análise dos hotéis que estão localizados em áreas de maior risco e aumento da comunicação com essas propriedades;
  • Realização do monitoramento diário dos hotéis e suporte;
  • Contatar a central de segurança e solicitar que disponibilizem pela internet somente durante o período de suspensão das atividades, as imagens das câmeras localizadas em pontos estratégicos do hotel como lobby, sala do cofre, entrada de fornecedores, sala com objetos de valor, entre outros. Nas principais marcas de câmeras de segurança, esse sistema está disponível gratuitamente;
  • O responsável pelo departamento de compras deve orientar todos os fornecedores e prestadores de serviços a cooperar com a situação e seguir orientações do hotel;
  • Definição de chefe de plantão presente no hotel em cada turno, inclusive no turno da noite, com poucos colaboradores;
  • Definição de Gerente de plantão para cada dia, responsável pela operação e que possa trabalhar a distância;
  • Definição de procedimentos operacionais mínimos no hotel.

 

Prevenção de ocorrências

Inbal Blanc também enumerou uma série de procedimentos que podem prevenir as ocorrências nos hotéis com operação suspensa, como:

  • Manter a porta principal do hotel travada e trancada. Avaliar a possibilidade de instalação de tapume;
  • Caso o hotel tenha outros acessos como por exemplo: acesso direto para área de eventos, para restaurante terceirizado, entre outros, certificar-se de que todos estão trancados;
  • Manter o portão do estacionamento fechado abrindo apenas para acesso dos colaboradores e fornecedores;
  • Em caso de acessos que ligam o subsolo ou estacionamento aos andares do hotel, estes devem ser todos trancados também;
  • Manter o elevador social travado. O elevador de serviços deve ser mantido funcionando somente no período diurno ou caso sua utilização seja comprovadamente necessária pelos colaboradores;
  • Trancar os acessos internos para o restaurante do hotel e se possível para a área de eventos;
  • Travar o acesso pela escada de emergência do térreo para os andares de apartamentos do pool hoteleiro;
  • Posicionar uma barreira física na escada ou corredor para a área de eventos.

Publicidade
Unilever

As recomendações do especialista também incluem a centralização de todos os objetos de valor que não são obrigatórios para o trabalho em um ou dois ambientes fechados com fechadura eletrônica e câmera, tais como computadores, projetores, chaves-mestra, aparelhos de abertura e leitura de fechadura, aparelhos de abertura de cofres, aparelhos de manutenção, rádios, celulares da empresa e outros. A quantidade de dinheiro em espécie também deve ser reduzida e mantida no cofre.

O material observa ainda procedimentos de chegada da equipe, de rotina de trabalho, da segurança, e dá dicas pertinentes para resorts e para moradores de condo-hotéis.

Monitorar o empreendimento usando o CFTV é uma solução (Foto: Gerd Altmann from Pixabay )

Manutenção administrativa

O período de isolamento social e suspensão das atividades dos hotéis também é oportunidade para manutenção e modernização do equipamento. Trata-se de uma oportunidade para gestores que estudavam o melhor momento para a implantação de novidades e melhorias sem que a operação fosse afetada. Foi pensando nisso que a Mapie, consultoria estratégica e de gestão para os setores de hotelaria e turismo, e a Pmweb, especialista no mercado de Marketing, CRM e e-commerce para os dois setores, uniram suas lideranças e montaram um comitê único para auxiliar clientes e todo o mercado de hospitalidade a enfrentar essa situação inédita em todo o mundo. O resultado foi a criação de um material didático denominado “Turismo Brasileiro e COVID-19”, baseado em diversas metodologias e boas práticas de gestão de crises, com objetivo de transmitir informações e orientações relevantes para os clientes e para a hotelaria em geral, a fim de que possam tomar medidas assertivas que minimizem os impactos e os prepare para as oportunidades de retomada.

De acordo com o material da Mapie/Pmweb, “Nesse momento, mais importante do que gerar receita é administrar a receita existente. Assim, pode-se observar as seguintes medidas:

  • Revise as políticas de remarcação, cancelamento e flexibilização de reservas em todos os casos: reservas existentes para viagens futuras, novas reservas para qualquer data futura e reservas realizadas por intermediário;
  • Ofereça sempre opções de remarcação para evitar cancelamentos;
  • Crie um canal exclusivo para SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente), responsável por administrar remarcações e cancelamentos, mantendo assim a central de vendas disponível;
  • Faça a gestão proativa da receita prevista: análise das reservas e eventos futuros, contatando clientes para identificar preferência para reagendamento;
  • Cuidado com o tom da comunicação promocional para evitar associações negativas e de oportunismo;
  • Flexibilize as políticas comerciais com fornecedores e parceiros;
  • Use recurso de live streaming, em caso de eventos e palestras, com palestrantes e público remoto;

 

Cautela no momento é essencial

A Mapie e a Pmweb reforçam que a cautela no momento é essencial: “Evite comunicações com objetivo de estimular viagens durante o período da quarentena, especialmente se seu hotel/destino depender de deslocamento aéreo para o acesso. Promoções e práticas agressivas podem ser consideradas oportunistas, causando assim um impacto a longo prazo para a sua marca”.

Trícia Neves: “Muitos hoteleiros nunca passaram pela suspensão das atividades e o nosso material orienta como fazer”

Tricia Neves, uma das sócias-diretoras da Mapie, explica: “Elaboramos o playbook com o objetivo de dar suporte aos hotéis brasileiros neste momento inédito, trazendo a soma das experiências das nossas duas empresas e compartilhando ações gerais para que os hoteleiros lembrem dos temas e ações importantes durante a crise. Muitos hoteleiros nunca passaram pelo fechamento de um hotel, por exemplo, e o material orienta como fazer”.

O conteúdo dividido em frentes de pessoas, receita e operação, detalha orientações sobre o fechamento dos empreendimentos e a gestão da equipe durante o período de isolamento.

Mantendo a qualidade dos equipamentos

De fato, manter a edificação com o mesmo aspecto da data de quando foi inaugurada é um desafio constante. Quando um hóspede entra nas dependências do empreendimento que escolheu, espera por uma experiência de conforto e lazer superior à que está acostumado na sua residência ou nos lugares comuns que frequenta. Dessa forma, a manutenção tem mais caráter de investimento que de custo. Na indústria hoteleira são conhecidas três modalidades de manutenção: preventiva, corretiva e preditiva. Nos empreendimentos hoteleiros a mais comum é a preventiva, pois como seu próprio nome anuncia, ela ajuda na prevenção de futuras falhas de equipamentos e ajuda os hotéis a reduzirem custos com consertos. A manutenção corretiva não possui planejamento prévio e é aplicada quando o problema chega ao cliente, afetando a excelência do serviço. Já a manutenção preditiva visa prolongar as intervenções preventivas realizadas nas propriedades por meio do constante monitoramento das condições de uso dos equipamentos, de maneira que possa identificar o momento da manutenção – sem que comprometa o funcionamento seguro, adequados e satisfatório do equipamento.

No entanto, a pandemia do novo coronavírus pegou a hotelaria de surpresa, para dizer o mínimo. Um acontecimento sem precedentes que implicou um movimento rápido por parte dos gestores, que até o momento, não tinham estratégias pré-definidas para o seu enfrentamento. Em meio a este cenário, Otto Silva, profissional experiente em manutenção e gestão de crises com cerca de 40 anos de atuação em projetos especialmente desenhados para empreendimentos como o Four Seasons São Paulo e Holiday Inn Rio de Janeiro, criou a Procedimento Operacional, uma ferramenta de gestão para a coordenação de todas as áreas de um hotel até a reabertura, com o melhor custo-benefício. A solução assessora o gestor durante o fechamento e ensina como manter o empreendimento somente com o essencial durante o período de isolamento.

Silva explica: “O Procedimento Operacional surgiu da experiência no trabalho em países da América do Norte e Europa, que fecham hotéis de seis a sete meses por ano por conta do inverno. Nunca havíamos precisado usar esse conhecimento no Brasil, pois a maior parte dos hotéis funcionam sem fechar, mas com essa crise, notamos que poderíamos ajudar a outros hoteleiros compartilhando esse conhecimento. Os 12 procedimentos nas nove principais áreas são a parte prática, a mão na massa, não é teoria, simples e objetivo. O fato é ser realmente operacional para executar com rapidez e praticidade. Vale lembrar que nesses mesmos procedimentos passamos o passo a passo de como manter o empreendimento e reabrir”.

O especialista afirma que as ocorrências e prejuízos – quando não evitados por meio de uma manutenção efetiva – podem atingir todos os setores de um empreendimento. “Um quarto com cheiro desagradável que pode demorar meses para sair caso não seja limpo corretamente pode gerar prejuízos incalculáveis. Máquinas e equipamentos danificados podem gerar surpresas desagradáveis quando na ocasião de reabertura da unidade. Problemas ignorados do dia a dia operacional podem se transformar em dilemas complexos e com alto custo de resolução em poucas semanas”.

Atualmente Silva trabalha na implementação de um hotel em Porto de Galinhas (PE). “Este empreendimento acabou de instalar portas de madeira novas e elas são expostas para o sol poente. Ao final de três meses, essas mesmas portas, que hoje são novas, vão parecer portas de cinco anos de idade. Com uma simples lona, protegemos todas as portas contra a ação do UV, assim quando reabrir, as portas estarão conservadas. Dobradiças de chuveiro custam aproximadamente R$ 170 e demoram cinco minutos para lubrificação. Esse pequeno ato garante que não seja necessária a troca de 600 dobradiças na sua reabertura. Objetos de estrutura metálica são atingidos pela maresia, que ignora o coronavírus, e caso não se proteja corretamente esses equipamentos, quando reaberto, apresentará sinais de ferrugem e peças deterioradas”, explica Otto.

Ele finaliza explicando que esse período é uma oportunidade para a modernização: “Estamos em uma virada de era importantíssima e através dessa paralização temos duas opções: a primeira é avançar e acompanhar a mudança se reinventando, modernizando, implementando melhorias em todos os sistemas. A segunda é paralisar por medo ou por falta de conhecimento, acreditando que tudo vai voltar a ser como era antes. Infelizmente quem optar pela segunda opção, vai sentir dores profundas nos próximos anos (talvez meses). Entretanto, quem tiver visão será referencial em poucos meses e digo isso em todos os setores da hotelaria, desde a captação de clientes, à execução de uma simples manutenção”, afirma.

Enquanto a retomada do trabalho não acontece, ficar em casa é a melhor opção (Foto: Tumisu from Pixabay)

Retomada gradual

Tricia Neves acredita que a retomada ocorrerá de forma gradual e quase natural: “Será um processo lento que acompanhará o tempo do vírus. As pessoas precisam se sentir confiantes para voltar a viajar e não sabemos quando retomaremos essa confiança. Não acredito que se encerre o ano com receitas compatíveis ao mesmo mês do ano passado. Entendo que teremos retomadas lentas”.

Apesar disso, a consultora ressalta que o momento de quarentena é também uma oportunidade para os hotéis ressurgirem ainda mais inovadores e eficientes. “Este é um momento único para análise de novos negócios, criação de novas possibilidades, novos jeitos de fazer. É preciso ser amigo da mudança e focar naquilo que é possível, tendo sempre as pessoas – hóspedes, colaboradores, investidores, fornecedores – no centro”.

A pandemia deixou lições valorosas para o mercado? Para Tricia, a resposta é positiva: “Acho que a pandemia evidenciou a importância da colaboração entre concorrentes para fortalecer o mercado; o valor da relação e vínculo com a sua rede – clientes, colaboradores e fornecedores; e o uso de conteúdo para a criação de vínculo com clientes”, conclui.

Momento de reformar

Essa quarentena provocada pela pandemia da COVID-19 está sendo uma ótima oportunidade de muitos meios de hospedagens no Brasil promover desde pequenas reformas, até mesmo retrofit que não era possível com o empreendimento em operação. Com isso, se abriu um leque muito grande de oportunidades para fornecedores que apresentam produtos e soluções voltadas a manutenção. Mesmo fechado, o hotel necessita de pintura, vistoria nas caldeiras, elevadores, equipamentos de ar condicionado, da segurança patrimonial e CFTV, limpeza e conservação, tratamento das piscinas, manutenção nas áreas verdes, entre outros.

O Hot Beach Olímpia, do Grupo Ferrasa, um dos expoentes do turismo de Olímpia, no interior de São Paulo, é um dos casos de empreendimentos que levaram a sério o período de quarentena para promover melhorias em suas dependências a fim de melhorar ainda mais a experiência do hóspede.

Durante o período de isolamento social o complexo revitalizou e repintou o Ebaaa River, o Rio Lento e o Irado, atrações do parque aquático. Também promoveram a pintura das áreas Kids e Baby, pintura completa e revitalização do Rio Lento infantil, implantação de calçada em torno do Bar da Praia e manutenção e revitalização dos jardins do parque aquático, que incluiu roçada da grama, adubação, poda e substituição de plantas. “Aproveitamos essa pausa para uma revisão geral do que precisava de manutenção e revitalização e estamos fazendo tudo de uma vez. E sem público, podemos fazer de forma ampla. Também mapeamos que calçamento em alguns locais daria mais conforto aos visitantes e estamos executando. Como boa parte dessas obras, como calçada, demanda tempo de secagem do material, agora, sem público, podemos fazer com tranquilidade e em toda extensão necessária de uma vez só”, explicou Marcos Bittencourt, Gerente de Marketing do Grupo Ferrasa.

O Hot Beach Olímpia está promovendo várias reformas

Valorizando pessoas

O Casa Hotéis, grupo que opera quatro empreendimentos na Serra Gaúcha – Casa da Montanha, Petit, Wood e Parador – fez uma campanha de endomarketing chamada “Casa em Casa”, cujo principal objetivo foi o aproveitamento do momento da pausa para que os colaboradores pudessem se renovar, reciclar e aprender. Tudo por meio do Home-Office.

Foram oferecidos cursos on-line individuais e gratuitos de saúde, bem-estar, lideranças e gestão, idiomas, entre outros. Todos com direito a certificado. A apresentação do certificado também rendeu premiações e direito a participação em sorteios de outros cursos. O Grupo também promoveu um movimento com o intuito de estimular a criatividade com foco no resultado e na colaboração. Inspirado nos Hackatons, eventos que reúnem hackers desenvolvedores de software para a criação de soluções inovadoras para a resolução de problemas específicos, os colaboradores do Casa Hotéis foram convidados para desenvolverem projetos em grupo. O prêmio para o melhor projeto foi uma estada de final de semana em uma das unidades.

Reformar é preciso na Nobile

A Nobile aproveitou o momento para fazer uma série de reformas em seus empreendimentos, assim como nos hotéis da Ameris. O Eko Residence Hotel em Porto Alegre (RS) está ganhando novos apartamentos e áreas de convívio. As áreas de convívio são assinadas por designer gaúcha e contam com detalhes sustentáveis como móveis em madeira de demolição. Todos os quartos do hotel contam com estrutura de cozinha com microondas e pia, facilitando longas estadias e mais da metade já possuem Smart TV.

O Red Roof Inn Jundiaí está promovendo o rejunte dos banheiros dos apartamentos, no que tange a área de banho do box e parte externa do banheiro, além de pintura do local. Ao todo são 112 apartamentos no hotel, e por semana estão sendo feitos três acomodações. Também está sendo feita pintura nos apartamentos, nas áreas internas dos corredores, escadas e salas de eventos. A manutenção geral do ar condicionado já foi realizada, assim como uma manutenção preventiva nos apartamentos na correção de equipamentos danificados. O jardim do hotel está passando por uma total reformulação, preparando o empreendimento para quando puder receber os seus hóspedes. Já o Nobile Suítes Del Rio Petrolina está aproveitando este momento para implementar algumas manutenções, dentre elas a concretização da pintura na área da recepção do hotel, dentre outros reparos preventivos.

O Wyndham Garden Convention está promovendo várias reformas como pintura e limpeza das áreas comuns

Confira a seguir mais alguns empreendimentos da Nobile e da Ameris by Nobile que estão promovendo reformas nesse período de COVID-19.

  • Wyndham São Paulo Berrini – Neste hotel está sendo realizado as pinturas das áreas comuns e corredores.
  • Tryp By Wyndham Ribeirão Preto – O empreendimento está executando a manutenção preventiva nos apartamentos com aplicação do Novo em Folha, de acordo com Projeto Eco Sustentável criado pelo Grupo Nobile, que preza pela racionalização de gastos e aplicação de ações com consumo consciente nas diversas áreas do hotel.
  • Nobile Resort Thermas de Olímpia – Está sendo executado a reforma e manutenção da piscina, lavagem da fachada e também a manutenção preventiva da pintura da área Kids, que inclui o playground.

  • Wyndham Garden Convention Nortel – Neste empreendimento está sendo efetuado pinturas, intensificação da limpeza nas áreas comuns com Vap. Além disso, nos corredores e apartamentos há uma limpeza profissional específica com um maquinário de alta tecnologia chamado Hyla. O equipamento realiza a lavagem do ar (purificação do ambiente); desodoriza e perfuma; além de limpar os carpetes, colchões, travesseiros e executar a limpeza das partículas do ar que são imperceptíveis a olho nu.
  • Nobile Suítes Congonhas – Estão sendo efetuados as manutenções preventivas como reparos nos apartamentos e arrumação do teto da sala de eventos.
  • Grande Hotel Atibaia: está acontecendo a reforma de dez apartamentos no andar superior do empreendimento e foram implantadas nas TVs a plataforma Netflix.

      Retrofit no Royal Tulip Brasília Alvorada

      O hotel administrado pela rede Louvre Hotels Group – Brazil, está aproveitando o momento para promover reformar sua piscina e dar continuidade ao retrofit dos apartamentos para o retorno das atividades após o fim da pandemia de COVID-19. O hotel vai modernizar os 395 apartamentos, que atualmente são divididos nas categorias standard, superior, deluxe e suíte, incluindo as presidenciais – que contam com móveis de designers e arquitetos consagrados, como Irmãos Campana e Oscar Niemeyer.  A reforma da piscina vai proporcionar mais um atrativo: o aquecimento. Idealizada no formato de uma criança brincando com uma bola, a piscina tem capacidade de 1 milhão e 200 mil litros de água e 1,30m de profundidade. Considerada bastante “instagramável” nos dias atuais, a piscina se destaca por conta da vista para o Lago Paranoá e pelo seu projeto de luxo assinado pelo arquiteto e designer Ruy Ohtake, também responsável pelo projeto de todo o empreendimento.

      As pousadas Pedras e Sonhos e Jardim da Mantiqueira, localizadas no distrito de Monte Verde (MG), estão realizando um processo agressivo de manutenção dos apartamentos, dos restaurantes, das áreas úteis. Reformas, manutenção e conservação das áreas externas estão sendo realizadas como podas de árvores, pintura dos chalés, revisão completa de saunas, equipamentos eletrônicos, frigobar e internet. Outro empreendimento serrano que está aproveitando o momento de atividades suspensas em decorrência da COVID-19 para promover mudanças é o Village Le Canton, que fica em Teresópolis (RJ). Está sendo construída uma nova sauna e adaptações na estrutura do Castelo que permitirão novidades no Show de Som e Luz a partir da utilização de equipamentos modernos. Além disso, nas acomodações dos três hotéis, parque aquático e Parc Magique, a administração está aproveitando para realizar pequenos reparos e melhorias.

      O Sheraton São Paulo WTC Hotel, que tem boa parte de seu faturamento baseado em eventos e como a grande maioria foi adiada e ou suspensa, o empreendimento está aproveitando o momento para promover uma série de melhorias como: Troca do carpete das ballrooms que são salas modulares com foyer amplo indicadas para exposições com estandes, carros, área de credenciamento e secretaria. Estofados novos das cadeiras do teatro que tem capacidade para receber até 525 pessoas, bem como troca de carpete, assim como pequenos reparos na estrutura.

      O Sheraton São Paulo WTC Hotel promoveu várias reformas em sua área de eventos

      O Grupo Viale também está aproveitando esse momento para promover reformas em suas unidades de Foz do Iguaçu (PR). “Estão sendo feitos reparos nos quartos e nos banheiros, agendamos dedetização completa e iniciamos a higienização geral dos aparelhos de ar-condicionado,” conta Fernando Higa, Gerente do Viale Tower Hotel, no centro. Na outra unidade, que fica na única via de acesso às Cataratas do Iguaçu, os procedimentos se repetem. “Mantivemos uma equipe de trabalho que cuida especificamente da higienização dos móveis e objetos dos quartos e das áreas de convívio,” informa o Gerente do Viale Cataratas Hotel e Eventos, Lee Chih Li. Esses procedimentos de higienização se tornaram mais detalhados ainda em janeiro, quando foram divulgadas as primeiras notícias sobre a COVID-19. Houve reforço nos estoques de álcool gel e compra de máscaras.  Com os hotéis fechados, foi concluída a substituição dos colchões dos apartamentos, dando início a uma ação solidária relacionada ao enfrentamento à COVID-19: quase 60 colchões tamanho casal foram repassados ao grupo de voluntários “Pró-Heróis Coronavírus” que presta apoio aos profissionais de saúde do Hospital Municipal de Foz do Iguaçu.

      A reforma que o Grupo Viale está promovendo nos hotéis incluiu a troca de quase 60 colchões que foram retirados com apoio do exército para serem doados a uma instituição assistencial

      Cuidados na retomada das atividades

      Os hotéis que estão entrando em operação após um período de atividades suspensas devem ter preocupação redobrada para evitar expor seus colaboradores e hóspedes a uma contaminação. E o sistema de ar condicionado e ventilação é um dos equipamentos que mais inspiram cuidados e deve ser observado o seguinte:

      • Aumentar a ventilação com ar externo;
      • Melhorar o sistema de filtração de ar e vedar as arestas dos filtros para evitar by-pass;
      • Manter o sistema de ventilação funcionando por longas horas, se possível por 24h00;
      • Não use recirculação de ar.

      É necessário considerar ainda outras medidas complementares como o uso de purificadores de ar com filtro HEPA para os quartos, uso de aparelhos de irradiação germicida ultravioleta especialmente em áreas de grande circulação. Porém as salas devem estar vazias durante o uso do UVGI, pois a radiação é prejudicial aos olhos e a pele, plantas e animais de estimação.  Equipamentos de purificação de ar e os aparelhos de irradiação germicida ultravioleta e higienização por ozônio também são recomendáveis.

      A maior parte do tempo que o hóspede permanece num hotel ele fica nos apartamentos, por isso é necessário adequação dos processos de limpeza e higienização para o setor de governança hoteleira – covid-19. E quem passa essas recomendações é Ariadne da SiIva, Governanta e Consultora da Organiza Hotel Escola.

      • Retirada dos itens de enxoval decorativo que tenham contato próximo do corpo: peseira, almofada, chale, tapetes etc.;
      • Redução da quantidade de papelaria, deixando somente o necessário com as informações do hotel e cardápio de minibar. O hotel que tiver condições pode colocar as informações em um canal da TV ou dispor o cardápio de minibar em acrílico para facilitar a higienização;
      • Sugere-se a retirada de todos os itens do minibar, caso contrário estes devem ser higienizados individualmente no processo de limpeza e higienização;
      • Não fazer reaproveitamento de papel higiênico para hóspedes ou colaboradores. Havendo possibilidade fazer a substituição do papel higiênico de rolo por interfolhado, além da proteção o custo pode ser reduzido em até 20%;
      • Não fazer reaproveitamento de amenities usados. Havendo possibilidade fazer a substituição dos amenities individuais por dispenser, além da proteção o custo pode ser reduzido em até 15% e ainda na auxilia nos projetos de sustentabilidade da empresa;
      • Não fazer reaproveitamento de enxoval na saída, mesmo que os enxovais não tenham sido utilizados. Reforçar com a recepção para evitar check-in individual em UH’s Twins ou Triplos;
      • Sugere-se a substituição dos copos e xícaras por material descartável (de acordo com o projeto de sustentabilidade de cada empreendimento);
      • Ao hotel que disponibiliza mexedor descartável nas UH’s sugere-se que opte pelo embalado individualmente;
      • Reforçar a limpeza e higienização em todos os pontos de maior contato no quarto: fechaduras, interruptores, pega ladrão, puxadores, maçanetas, controle de Ar condicionado e TV, puxadores de cortina, cabeceira, bancada, criado mudo, cadeiras, poltronas, telefone, frigobar etc.;
      • Reforçar a limpeza e higienização de todos os pontos de maior contato no banheiro: fechaduras, interruptores, puxadores, maçanetas, telefone, torneiras, registros, acionadores de descarga, alavanca do dispenser de papel higiênico, assento do vaso, lixeira etc.;
      • Nos banheiros adaptados utilizar cortinas descartáveis e reforçar a higienização dos banquinhos de banho;
      • Deve ser respeitado o processo de limpeza e higienização: de cima para baixo (teto ao chão), de fora para dentro (da sacada ou fundo do quarto para porta);
      • Sempre que for possível a limpeza deve ser realizada com janelas e portas de sacadas abertas aumentando a ventilação do ambiente;
      • Não reaproveitar sacos de lixo usados. Os sacos com lixo devem ser amarrados de forma que o lixo não fique exposto.

      A limpeza nos apartamentos hoteleiros deve ser mais rigorosa no pós pandemia da COVID-19

      Hotel Renar aproveita quarentena para melhorias no empreendimento

      O tradicional meio de hospedagem localizado em Fraiburgo (SC) está aproveitando a baixa ocupação em razão da COVID-19 para preparar uma estrutura especialmente renovada para o inverno que está chegando. As piscinas aquecidas ganharam novos ares. As instalações da caldeira e os sistemas de calefação foram totalmente revistos para garantir o melhor acolhimento neste inverno na Terra da Maçã. Tudo isso embalado pelos encantadores e sempre bem cuidados jardins do hotel.

      Pensando em sustentabilidade, o Hotel Renar está instalando placas fotovoltaicas, o que irá gerar uma economia de 30% na sua energia elétrica, revertendo-se em mais melhorias. Além disso, a estrutura metálica que serve de base para as placas servirá também como garagem coberta para os veículos dos hóspedes.

      Outra novidade implantada neste momento pelo Hotel Renar chega como um grande diferencial: é a parceria com a Clínica Vitallis, para promover aos hóspedes muito mais conforto com os tratamentos terapêuticos e estéticos que os profissionais oferecem à base da fruta mais famosa da região: a maçã.

      O Renar é um dos hotéis mais tradicionais de Santa Catarina

      Publicidade
      APP da Revista Hoteis

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      CAPTCHA Image
      Reload Image

      CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
      error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA