OpiniãoÚltimas Notícias

Foco na hospitalidade ou no resultado. Qual a melhor gestão?

Se qualidade está ligado à essência do negócio, os gestores devem administrar os hotéis justamente com foco nesta essência

Artigo de Mario Cezar Nogales* – De acordo com a mais recente pesquisa “Hotelaria em Números” da JLL o número de hotéis independentes no Brasil chega a um pouco mais de 84%. Já o número de quartos destes independentes representa perto de 59% de toda a capacidade de hospedagem e em termos de atendimento e qualidade estes superam os de marcas nacionais e internacionais em terras tupiniquins haja visto o ranking da Travellers Choice.

Publicidade
Harus

O que pensar então do mercado de marcas e do mercado independente com relação a hospitalidade e gestão hoteleira em todos estes negócios. Indubitavelmente os números e rankings não mentes, o primeiro ponto é de que o número de meios de hospedagem independente é astronomicamente maior que o número de hotéis de marca. Logo a maior chance de ter avaliações é maior para esta turma, contudo o número de unidades habitacionais não é tão maior que a dos meios de marca. Então, poderia dizer quase que empatados, logo o número de hóspedes para ambos meios é quase igual o que posso afirmar, mesmo com maior número de hotéis ambos os mercados, o independente e o de marca, estão em paridade de mercado.

Foco na hospitalidade ou no resultado. Qual a melhor gestão?
Muitos gestores se preocupam mais em reduzir custos do que melhorar a qualidade do serviço prestado – Foto – Pixabay
Publicidade
APP da Revista Hoteis

A pergunta então que nós deveríamos fazer é: O que faz um hotel ser melhor que outro e por quê? Para responder a isto devemos entender as motivações e os princípios pelos quais os hotéis são procurados pelos hóspedes o que envolve em muito uma questão subjetiva que se chama qualidade. Afinal de contas o termo qualidade significa a propriedade que determina a essência de uma coisa e essa essência pode ou não significar para que o irá o utilizar ou consumir, veja o exemplo de dois veículos, um sedan e um utilitário de mesma marca e mesmo valor de venda.

Se qualidade está ligado à essência do negócio, os gestores devem administrar os hotéis justamente com foco nesta essência. E é justamente neste ponto que os hotéis, mesmo que tenham a mesma marca, mesmo padrão e mesma qualidade em termos técnicos conseguem ser um diferente do outro em questão de qualidade entendida pelo hóspede.

Publicidade
Clima ao Vivo

Após esta explanação dos tipos de gestores acredito que a grande maioria dos leitores conseguirá elucubrar quais são:

Gestor com foco na hospitalidade

Este tipo de gestor, além de se preocupar com os números tem a primazia de entender o que seu hóspede busca então o foco deste sempre estará no quesito principal do hotel e de sua essência, afinal de contas hotéis vendem basicamente uma boa noite de sono, um excelente banho e um impagável café da manhã. Os números para ele são secundários pois tem firmes convicções que o resultado é a recompensa que os clientes dão pelos seus esforços em atendê-lo (geralmente estes têm a melhores avaliações de seus hóspedes).

Publicidade
Ameris

Gestor com foco no resultado

A preocupação maior deste tipo de gestor é o de quanto ele e seus sócios terão de rendimentos, em geral sua preocupação é com os custos. Então se faz a busca incessante por fornecedores onde o custo é menor é seu foco. Obviamente que se preocupa com o atendimento que é dado ao hóspede, contudo esta preocupação está relevada ao segundo plano, afinal de contas o lucro e o ganho dele ou de seus investidores devem ser superados constantemente.

Foco na hospitalidade ou no resultado. Qual a melhor gestão?
O bem receber é algo intrínseco a hotelaria (foto: Gerd Altmann/Pixabay)
Publicidade
GTA

Ambos gestores estão no mercado e em seu hotel ou sua rede e basta observar alguns itens de pratica e uso nos hotéis que você consegue distingui-los. E para determinar quem é o gestor de fato, não basta ter a função de gerente ou de gerente geral. O real gestor é aquele que determina as estratégias e as operações do meio de hospedagem, muitas vezes o gerente ou gerente geral está lá apenas para “constar” pois suas decisões pouco interferem nas questões estratégicas do negócio e isto é uma realidade nacional.

Entendendo as razões e os motivos da existência dos hotéis é fácil determinar o foco atrelado à essência do negócio e isto pode dar um salto tanto qualitativo quanto de rendimentos ao meio de hospedagem como mostra, tanto os resultados da “Hotelaria em Números” quanto do Travellers Choice.

*Mario Cezar Nogales é consultor especializado em hotelaria e conta com experiência no ramo desde 1989, sendo autor de sete livros técnicos em hotelaria. Acesse: www.snhotelaria.com.br

Publicidade
Anuncie conosco

Edgar J. Oliveira

Diretor editorial - Possui 31 anos de formação em jornalismo e já trabalhou em grandes empresas nacionais em diferentes setores da comunicação como: rádio, assessoria de imprensa, agência de publicidade e já foi Editor chefe de várias mídias como: jornal de bairro, revista voltada a construção, a telecomunicações, concessões rodoviárias, logística e atualmente na hotelaria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA