Publicidade
FOHB

Desemprego: o legado deixado pela pandemia – Artigo de Alexandre Sampaio

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

Alexandre Sampaio*

O dia de amanhã se tornou incerto. Enquanto a Covid-19 circular pelo nosso país, viveremos nessa constante montanha-russa, onde os altos e baixos se tornam intensos a cada curva realizada.  Em razão da quantidade de casos registrados da infecção viral – junto com uma alta taxa de óbitos -, algumas capitais aderiram ao toque de recolher para minimizar a circulação de pessoas. Entretanto, outras cidades, como Brasília, optaram pelo lockdown geral, onde apenas serviços essenciais podem manter as suas atividades.

Publicidade
21 anos Revista Hotéis

Já faz um ano que o coronavírus está presente em nossas vidas. Desde a sua chegada até o presente momento, poucas coisas mudaram. O mês de março de 2021 se inicia da mesma forma que em 2020: com restrições e planos mal estruturados para conter a doença. A nossa esperança gira em torno da vacinação que, até então, não deslanchou. Temos consciência que, apenas dessa forma, trilharemos em rumo de uma recuperação.

Desemprego: o legado deixado pela pandemia - Artigo de Alexandre Sampaio

Vagas de emprego está cada vez mais difícil – Imagem: divulgação

Na última sexta-feira, o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística informou que o desemprego em nosso País teve a terceira queda seguida, contudo, os dados ainda não são animadores, visto que 13,9 milhões de brasileiros não estão trabalhando atualmente. A situação se torna ainda mais delicada quando há uma comparação com outras épocas em que a pesquisa foi realizada. Ano passado, tivemos uma taxa média de desemprego de 13,5%, sendo a maior série iniciada em 2012. Em 2019, esse valor atingia 11,9%.

Publicidade
Clima ao Vivo

Dentro do nosso trade, a situação é igualmente preocupante. Ao longo dos últimos meses, nós, do segmento, informamos constantemente sobre a perda geral do trabalho dentro do setor que, por sua vez, é um dos que mais emprega e gera renda no Brasil. É inegável que começamos este ano com prejuízos em excesso, contabilizando ainda mais perdas com datas importantes que não puderam ser aproveitadas.

O Carnaval é o exemplo mais recente desse problema. Em muitos pontos turísticos, sabemos que a economia é movimentada exclusivamente por essa época do ano. Contudo, a crise sanitária não deu espaço para lucros.

Publicidade
Tramontina

Nossos esforços estão concentrados em não permitir que a economia não afunde ainda mais. Buscamos soluções que não afetem a saúde pública, mas que, ao mesmo tempo, possam auxiliar o empresariado voltar a respirar. Não podemos direcionar o olhar apenas para uma saída. É preciso encontrar equilíbrio para evitar o fechamento de mais empresas no nosso país. Apenas dessa maneira será possível caminhar rumo à retomada.

*Alexandre Sampaio é Presidente da FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA