HOME Matérias A impressão é essencial para o futuro da educação, aponta pesquisa

A impressão é essencial para o futuro da educação, aponta pesquisa

Um projeto de quatro anos examinando os resultados de 54 pesquisas com 170.000 pessoas concluiu que a impressão é vital para uma educação eficaz.

69
0
SHARE
A pesquisa comprovou que a compreensão do texto é muito mais forte ao ler em papel do que em tela - Foto - Divulgação

O argumento de que a leitura no papel resulta em maior compreensão e retenção, concentração, construção de vocabulário e memória ganhou imenso peso por um estudo inovador da Intergraf, a federação europeia de comunicação impressa e digital.

A pesquisa examinou os resultados de 54 estudos, com um total de mais de 170.000 participantes de 19 países, e encontrou evidências impressionantes de que a compreensão do texto é muito mais forte ao ler em papel do que em tela, principalmente quando o leitor está sob pressão do tempo.

Preocupado com o efeito do aumento do tempo gasto na leitura de telas nas escolas, o órgão de comércio internacional instou os formuladores de políticas e organizações educacionais nos níveis nacional e europeu a garantir que a impressão retenha um papel significativo na educação.

No mês que a Revista Hotéis celebra 200 edições impressas vem essa pesquisa comprovar que o velho e bom papel ainda vai permanecer por muitos e muitos anos como opção de leitura

Melhor progresso com a impressão

Intitulado E-READ (Evolução da leitura na era da digitalização), o estudo da Intergraf é um feito impressionante de pesquisa. Ao longo de quatro anos, envolveu uma rede de quase 200 acadêmicos de toda a Europa, realizando pesquisas empíricas e debates altamente detalhados sobre os efeitos da digitalização na leitura, especialmente para estudantes e jovens. “Os alunos que aprendem com dispositivos digitais progrediram apenas um terço do que teriam feito se estivessem lendo no papel”.

O E-READ descobriu que os leitores impressos têm uma melhor lembrança da relação entre os eventos e são capazes de reconstruir melhor a trama de um texto do que os leitores de tela. Verificou-se também que a vantagem da impressão era maior sob restrições de tempo e que a rolagem resultava em uma desvantagem significativa para a leitura digital.

No que diz respeito à educação, a desvantagem digital durante o ensino fundamental foi considerada como dois terços do aumento anual na compreensão da leitura, o que significa que os alunos potencialmente progrediram apenas um terço do que teriam feito se estivessem lendo no papel em vez de em uma tela.

Papel uma tecnologia de forças comprovadas

O fato de os jovens aprenderem apenas um terço também ao ler em um dispositivo digital é claramente alarmante, e, portanto, a Intergraf pediu ações urgentes em todos os níveis para “garantir que a educação na Europa não seja degradada pela rápida e introdução infundada de leitura de tela nas escolas”.

A declaração continua: “O desenvolvimento da compreensão de leitura dos alunos e das habilidades de pensamento crítico deve ser imediatamente salvaguardado. O não cumprimento dos conselhos dados nesses estudos cria um risco imediato de que os resultados da aprendizagem dos alunos sejam afetados negativamente pela crescente tendência das escolas na Europa de promover a leitura em dispositivos digitais sem as ferramentas e estratégias necessárias para garantir que isso não cause um revés na compreensão da leitura e nas habilidades de pensamento crítico. Produtos que comprovadamente facilitam a compreensão e o pensamento crítico, como livros em papel e outros textos informativos impressos, já existem e não devem ser ignorados. O papel é uma tecnologia de forças comprovadas”.

Ação urgente necessária

Os resultados do estudo da Intergraf e suas recomendações coincidem inteiramente com o trabalho de Two Sides e com os resultados de nosso estudo recente sobre a preferência das pessoas pela impressão (Pesquisa sobre hábitos de leitura).

Existem muitos estudos que mostram que a leitura impressa melhora a compreensão das informações, bem como a absorção e a recordação, essenciais para a educação de pessoas de todas as idades, mas principalmente para os jovens. Este estudo da Intergraf é um trabalho vital que prova de uma vez por todas que a impressão é melhor do que o digital para a aprendizagem. Vamos torcer para que os governos e instituições estejam ouvindo.

Artigo original de Two Sides UK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image