OpiniãoÚltimas Notícias

Reforma Tributária é urgente para a manutenção da economia

 Por Alexandre Sampaio*

Uma das maiores necessidades hoje do setor produtivo é a viabilização da Reforma Tributária. Processo esse que tem encontrado barreiras no Congresso e no Poder Executivo para ser efetivamente materializada. Uma das propostas mais aguardadas é a que acaba com três tributos federais – IPI, PIS e Cofins; e extingue também o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. No lugar deles, deverá ser criado o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), de competência de municípios, estados e União, além de um outro imposto, sobre bens e serviços específicos. Este de competência apenas federal.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

 

Dados do Impostômetro, painel instalado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) na região central da capital paulista, revelam que o montante arrecadado aos governos federal, estadual e municipal – incluindo taxas, contribuições, multas, juros e correção monetária mostraram que contribuintes brasileiros pagaram em 2022, R$ 2.890.489.835.290,32 em impostos. Em 2021, o mesmo painel registrou aproximadamente R$ 2,6 trilhões. O aumento entre um ano e outro foi de 11,5% – volume considerável para um ano pós-pandêmico extremamente difícil e desafiador, do ponto de vista econômico.

Os dados acima evidenciam a necessidade urgente de reformas estruturais para reduzir o peso dos tributos, como forma de realização de Justiça Tributária. Isso porque a nossa carga tributária continua sendo elevada para os padrões de um país emergente. A reforma administrativa e a contenção dos gastos públicos são, portanto, alguns dos meios para diminuir o peso dos tributos.

Publicidade
Ameris

Recentemente, o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, declarou às lideranças industriais do Brasil que considera a reforma tributária um tema urgente e, para ele, a primeira votação deve ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano. O setor de turismo e alimentação fora do lar recebe com entusiasmo essa notícia, por se tratar de uma pauta de extrema importância para o crescimento do país.

Mas, pontuo que é preciso atenção nesta pauta e que o governo busque ser justo quanto ao tamanho do aumento da carga tributária sobre o setor de serviços, que, que corresponde por 37% da força de trabalho no Brasil e gerou 55% dos empregos formais no país na retomada da economia depois da pandemia.

Publicidade
GTA

Defendo uma reforma tributária justa e equilibrada. Não há dúvidas de que o fortalecimento da nossa economia passa, invariavelmente, pela redução do custo Brasil e pela melhoria do ambiente de negócios no País. Nesse contexto, a reforma tributária é um caminho sem volta e cada vez mais necessário para a manutenção de nossas empresas, bem como para o surgimento de novas.
*Alexandre Sampaio é Presidente da FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação 

Publicidade
Anuncie conosco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA