MercadoÚltimas Notícias

Balneário Camboriú quer revolucionar mercado imobiliário/hoteleiro

Proposta de mudança no Plano Diretor vai incentivar a renovação hoteleira da cidade e impulsionar a valorização imobiliária

Balneário Camboriú (SC), que tem apenas 18 mil km² e população de pouco mais de 145 mil habitantes, deve ser impactada nos próximos meses por um novo salto de desenvolvimento que vai impulsionar tanto o mercado imobiliário como o setor de turismo. A novidade é uma proposta de alteração no Plano Diretor para implantar um modelo que permite áreas destinadas a hotéis dentro de prédios residenciais.

Publicidade
Fispal

Atualmente, Balneário Camboriú possui uma hotelaria com poucas redes, composta por cerca de 110 estabelecimentos com pouco mais de 20 mil leitos, sendo que a cidade espera receber em 2024 cerca de 4 milhões de turistas. “Em algumas regiões da cidade haverá um incentivo vocacionado tanto às empresas hoteleiras quanto às construtoras, obtendo um índice máximo de capacidade para implantação do hotel, e não haverá cobrança de outorgas onerosas, ou seja, pagamento pelo uso do espaço aéreo além do permitido por lei, e isso deve impulsionar à criação de hotéis porque será isento. Também queremos ampliar o potencial construtivo em projetos de uso misto, incentivando a fachada ativa com a instalação de comércio, mas o potencial construtivo da parte residencial, que é aquela que adensa e cria um ambiente mais difícil de enfrentamento na questão da mobilidade, não será ampliado”, explica o secretário de Planejamento de Balneário Camboriú, o engenheiro Rubens Spernau.

Publicidade
Desbravador

Para o especialista em mercado imobiliário de alto padrão, Renato Monteiro, a mudança no Plano Diretor vai impactar positivamente a cidade nos próximos anos, já que irá gerar a qualificação na rede hoteleira, assim como acontece com a construção civil. “Com essa novidade, Balneário Camboriú vai ganhar uma rede hoteleira moderna e de alto padrão. Com opções de hospedagens que vão atender as necessidades de um público mais exigente, a cidade vai atrair um turismo mais qualificado e com maior poder aquisitivo, o que reflete diretamente no mercado imobiliário, inclusive, com valorização dos imóveis que pode chegar a até 200% nos próximos cinco anos. O público de classes A e A++, diferentemente de outras classes sociais, não costuma alugar hospedagens de casas e apartamentos de temporada ou por aplicativos. Eles preferem toda a comodidade que um hotel oferece. Por isso, temos uma excelente oportunidade de atrair pessoas de alto nível para turismo e atender com melhor qualidade aqueles turistas de negócios e eventos, especialmente com a implantação do centro de eventos na região”, afirma Renato.

Publicidade
Tramontina

Também com objetivo de incentivar a renovação da rede hoteleira da cidade, o governo municipal quer alterar a restrição no tamanho do terreno mínimo para implantação de um hotel, que hoje é de 2 mil m², o que se torna inviável pelo preço do terreno.  “Queremos mudar para que a partir de 750 m² de terreno possa ser implantado um receptivo na cidade e um estabelecimento com características executivas se adequa muito bem num ambiente desse. E isso também vai flexibilizar e vai possibilitar que Balneário Camboriú tenha mais empreendimentos hoteleiros, além de ampliar o atendimento da demanda que vem a negócios”, detalha Spernau. A previsão é que em abril as mudanças no Plano Diretor sejam apresentadas à comunidade em audiências públicas para depois o projeto de lei ser remetido para a aprovação na Câmara de Vereadores.

Setor hoteleiro está otimista

Quem vê a mudança com bons olhos é o presidente do FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, Orlando de Souza. “O modelo proposto por Balneário Camboriú é relativamente novo no Brasil,  embora seja uma fórmula que seja utilizada em outros mercados mais maduros da hotelaria, em especial nos Estados Unidos”, comenta Souza. Já para o conselheiro da ABIH – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis e hoteleiro na cidade, Osny Maciel Junior, essa será uma grande oportunidade para que a hotelaria se renove, inclusive, para atender uma demanda crescente do turismo de negócios. “Os estabelecimentos terão a necessidade de se atualizar, porque a cidade deixou de ter apenas o turismo de Sol e Mar e tem que receber também o público corporativo devido a abertura do centro de eventos”, declara Junior.

Publicidade
Clima ao Vivo

Inaugurado há menos de dois anos, o Expocentro Balneário Camboriú Júlio Tedesco tem mais de 33,5 mil m² de área construída e já recebeu mais de 100 eventos e cerca de 350 mil pessoas. Para este ano restam poucas datas em aberto e para 2025 conta com um aumento de 10 a 12% de eventos, em comparação a 2024.

Publicidade
Harus

Denise Bertola

Denise Bertola é Repórter da Revista Hotéis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA