HOME Matérias Quanto vale o que você diz?

Quanto vale o que você diz?

122
0
SHARE
*Rhaxwell Santos é Superintendente da Fazenda Vila Real, Executivo de Alta Performance, Gerador de Resultados e Formador de Equipes Vencedoras - Crédito: Divulgação

Artigo de Rhaxwell Santos*

Fui educado ouvindo a máxima: “Faça o que eu digo, não faça o que eu faço”. Esse desalinhamento entre discurso e prática pode até ter funcionado em algum lugar do passado, hoje (e, porque não dizer, há muito tempo) não se aplica e, além, depõe contra quem o afirma e pratica. Nos dias de globalização que vivemos, se não alinhadas às nossas práticas, nossas palavras nos expõem a um “juiz severo” e logo passamos a ser conhecidos no mercado pelo pior que podemos demonstrar: a falta de coerência, palavra ou caráter, mostrando-nos como seres nada ou pouco confiáveis.

Apesar desse ditado ser pobre, existia um outro positivo e bem forte: “A palavra de um ‘homem’ vale mais que sua assinatura” (aqui não cabe nenhum contexto misógino, por favor). Com isso afirmamos que o indivíduo deve prezar por sua credibilidade, sua reputação, que se fortalece quando se reconhece nele alguém de palavra, alguém que se possa confiar no que diz.

Em casa, digo aos meus filhos, desde sempre: “combinou, está combinado”, por entender que, sem essa condição de fazer valer o que se fala, o mundo está chegando ao extremo da falta de confiança.

A crise moral e ética pela qual passa o mundo, sobretudo o Brasil, é reflexo da pouca relevância que damos aos “combinados”. E não se trata de concordar com tudo que alguém fala, tampouco que não se pode mudar de opinião ou rever o que se combinou, não se trata disso. O fato é que, se você afirmou ou firmou uma coisa, garanta isso e, se for o caso, arque com as consequências. É algo tão primário e fundamental que deveria ser a regra, mas não é.

Profissionais, líderes, gestores, pessoas com esse hábito são um grande diferencial no mundo corporativo, onde a confiança é fundamental e as relações sofrem todos os dias com a falta dela.

A confiança não deve ser entendida como uma virtude, mas quase como um “preceito religioso”, inegociável. É a base das relações e uma das responsáveis pela efetividade dos negócios, ou seja, manter as relações saudáveis é o resultado de algumas variáveis e a confiança, sem dúvidas, tem papel fundamental nessa equação. Nesse sentido, “quanto vale o que diz” é questão de vida ou morte no mundo corporativo.

Portanto, alinhar discurso e prática é fundamental, ser reconhecido como pessoa de palavra e confiável é primordial, básico, uma característica inerente a todo profissional de sucesso, principalmente ao líder de alta performance, aquele que lidera pelo exemplo e “o que diz se escreve”.

*Rhaxwell Santos, Superintendente da Fazenda Vila Real, Executivo de Alta Performance, Gerador de Resultados, Professor e Formador de Equipes Vencedoras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image