TradeÚltimas Notícias

RMC tem melhor taxa de ocupação para janeiro desde 2019

Dados trazem otimismo para a rede hoteleira da Região Metropolitana de Campinas

Com 49,72%, a taxa média de ocupação da rede hoteleira da RMC – Região Metropolitana de Campinas em janeiro foi a maior já registrada para o mesmo mês desde 2019. Números como valor de diária e RevPar também foram os melhores, trazendo otimismo para os empresários para o ano de 2024. Os dados são da pesquisa mensal realizada pelo CRC&VB – Campinas e Região Convention & Visitors Bureau (Visite Campinas), junto aos empreendimentos associados. Apesar do bom desempenho, a discussão sobre a continuidade do PERSE é um assunto que preocupa a rede regional.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Com quase 50% da capacidade ocupada, o resultado de janeiro foi “empolgante”, definiu o Diretor Financeiro do CRC&VB, Douglas Marcondes. Isso por conta de ser um mês tradicionalmente mais fraco, com a paralisação, principalmente de eventos corporativos. Os números dos anos anteriores comprovam o raciocínio do diretor: (42,65% em 2019, 42,98% em 2020, 25,42% em 2021, 43,78% em 2022 e 46,19 em 2023).

No mês passado, a categoria Econômica registrou uma ocupação média de 52,70%, enquanto que a Midscale ficou em 46,74%. Já o valor da diária média foi de R$ 352,61, enquanto que o RevPar registrou R$ 173,11. “Campinas e a toda a RMC iniciam o ano de 2024 com números empolgantes e otimistas para o setor de Hotelaria, fortalecendo a musculatura da geração de negócios”, explica Marcondes. “A vitalidade dos municípios, a receptividade para hospitalidade e resiliência, adicionado a uma boa estrutura, colocam a RMC em uma posição atraente e estimulante para os negócios ao longo de todo esse ano”, acrescenta.

Publicidade
Ameris

Para Luis Felipe Campos Almeida, presidente do CRC&VB, apesar do número surpreendente de janeiro, que traz boas perspectivas para 2024, o ano exigirá resiliência e união dos poderes público e dos agentes privados. Uma das preocupações atuais é evitar o encerramento do PERSE, que pode trazer impactos negativos para o setor hoteleiro. “Os hotéis, assim como o setor de eventos, ainda estão se recuperando dos fortes impactos da pandemia, e o fim do programa seria uma situação bastante preocupante”, alerta. “O setor de hotelaria, que movimenta cerca de 50 setores em seu entorno, tem uma responsabilidade muito grande com a geração de empregos e renda”, completa.

Publicidade
Desbravador

Denise Bertola

Denise Bertola é Repórter da Revista Hotéis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA