Fique AtualizadoÚltimas Notícias

Hotelaria no RS faz mais demissões, diz Fecomércio

A Sondagem de Segmentos da Fecomércio-RS – Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul realizada entre os dias 1 e 17 de julho passado, com 385 empresas do segmento de Meios de Hospedagem, apontou que 58,4% das empresas pesquisadas promoveram alterações da força de trabalho em função da pandemia de COVID-19. Entre as alterações, 50,2% demitiram, 31,6% promoveram redução da jornada e de salários e 16% suspenderam contratos de trabalho.

O Presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, diz que “o setor tem sido fortemente afetado em decorrência da redução da mobilidade das pessoas em todo o território nacional, tanto para turismo quanto para negócios. A pesquisa apenas confirma uma realidade bastante preocupante, inclusive com os 7,3% que disseram estar com seus negócios fechados”.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Nenhuma das empresas do segmento de Meios de Hospedagem apontou ter tido aumento de faturamento no período e, entre os respondentes, 50,4% afirmaram ter tido perdas superiores a 50% na comparação com o mesmo período de 2019. A sondagem mostrou também uma considerável dificuldade de aplicação de medidas para evitar quedas das suas vendas: apenas 35,3% fez algum tipo de ação nesse sentido.

Hotelaria no RS faz mais demissões, diz Fecomércio
Hóspede na recepção de hotel (Foto: Fecomércio-RS)

Outro dado refere-se ao número de quartos dos hotéis e pousadas do Estado gaúcho: 27% têm de 26 a 50 habitações; 25,7% de 11 a 25 quartos; 23,9% dez ou menos; 15,3% de 51 a 100 e 8,1% mais de 100 habitações.

Publicidade
Clima ao Vivo
Finanças

Quanto ao financiamento do negócio, 43,9% disseram que estavam utilizando de capital próprio para pagar contas da empresa e 10,9% afirmaram ter tomado empréstimos. Ainda, 6,2% referiu ter tentado pedir empréstimos, mas não conseguiu acesso aos recursos. “É fundamental um olhar atento do poder público para esse segmento neste momento”, ressalta Bohn.

Publicidade
Desbravador

A sondagem deste ano mostra que 61,6% das empresas do setor têm mais de dez anos de atividade no mercado seguidas por 13,2% entre cinco e dez anos de atuação e 11,7% com um ou três anos de existência. Para 64,9% das entrevistadas, o maior empecilho ao crescimento das vendas do negócio é a crise que o País vivencia seguida pela baixa demanda (31,9%) e pela carga tributária (16,1%). Legislação (13,2%), alto custo de manutenção (11,7%), concorrência (7,5%), falta de crédito/capital de giro (3,4%), falta de estratégia e planejamento (1,8%) e a dimensão física do negócio (0,3%) foram as outras causas apontadas como impedimento para o crescimento das vendas.

Hotelaria no RS faz mais demissões, diz Fecomércio
Sondagem da Fecomércio com Meios de Hospedagem ocorreu no mês passado (Foto: Ben Kerckx/Pixabay)

A pesquisa também apontou que 67,8% das empresas realizam mensalmente uma análise de suas finanças, sendo que 16.4% a fazem semanalmente e 15,8% tem um controle muito superficial ou simplesmente não analisa as finanças. Com base na análise sobre as finanças do negócio, 71,9% afirmaram elaborar e colocar em prática estratégias para o alcance dos objetivos propostos e 20,8% não elaboram estratégias a partir da análise financeira.

Publicidade
Anuncie conosco

Claudio Schapochnik

Cláudio Schapochnik - Repórter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA