Publicidade
Travel Tech

Abstinência de feiras cria novos formatos para exposição dos produtos

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

Artigo de José Roberto Sevieri*

Mais de 15 mil empresas/ano expõem em feiras Brasil afora, com o objetivo de vender. São produtos, serviços, marcas, conceitos e encontros que mantém as mesmas no ritmo de desenvolvimento. Fazem negócios e ampliam a geração de renda e empregos – além do consequente aumento do recolhimento de impostos.

Publicidade
LG Eletronics – Meio

Ou seja, todos ganham com as feiras. Uma plataforma que aproxima compradores de vendedores; soluções de necessidades e que faz grande parte da economia se movimentar. Mas, de repente, aparece esta pandemia e tudo fica parado, inclusive as feiras de negócios.

E agora – vai passar! Mas, quando? Como? Por quê? Para onde? Em que lugar? Em que momento? Vamos esperar que, em meses, teremos o abrandamento desta problemática e voltaremos a fazer negócios. A pandemia virou pandemônio e recrudesceu, piorou. As feiras não voltaram e nem existe um horizonte próximo de quando isto irá acontecer.

Publicidade
Tramontina

Abstinência de feiras cria novos formatos para exposição dos produtos

Bons tempos esses de corredores de feiras cheio de visitantes – Foto – Divulgação

Vai passar! Todos sabemos.

Alguns destes muitos expositores cansaram de esperar. Precisam vender, produzir. Precisam de negócios e das feiras. Mas como não tem feiras, partiram para a atividade individual, que consiste em alugar um espaço em um hotel ou buffet para instalar suas máquinas, seus produtos ou seus serviços, monta como se um estande fosse e estão convidando de 5 em 5 ou de 10 em 10 dos seus clientes, de hora em hora, para virem conhecer os lançamentos.

Publicidade
Escola de resultados

É contratada uma mesa de buffet, nos encontros presenciais. E, desta forma, alguns estão conseguindo expor na sua feira “solo” e conseguindo resultados de negócios. Claro que existe o perigo de contágio nesta situação toda que estamos vivendo. Estes encontros, fatalmente, não rolam dentro dos protocolos necessários. E isso poderá gerar alguns ou vários problemas. Eis aí o resultado da abstinência das feiras.

Elas precisam voltar para atender esta demanda. Para impactar, de forma positiva, os mercados e girar a economia. Morrer é muito ruim, seja de vírus ou de fome.

Formatos novos são sempre bem-vindos, mas condições pitorescas como estas não devem ser incentivadas. No entanto, estão acontecendo e poderão se tornar mais frequentes, a partir do momento em que os afetados aprendam com os que fizeram e travem uma escalada rápida dos formatos. Pelo menos os hotéis, também muito afetados, poderão diminuir a vacância, nestas oportunidades. E isso é um alento.

*José Roberto Sevieri é promotor de feiras comerciais, sócio gerente da Proma Feiras e VP da ADVB – Associação Brasileira dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil.

Publicidade
Harus 1
Avatar

Edgar J. Oliveira

Edgar J. Oliveira - Diretor editorial - Tenho 30 anos de formação em jornalismo e já trabalhei em grandes empresas nacionais em diferentes setores da comunicação como: rádio, assessoria de imprensa, agência de publicidade e já fui Editor chefe de várias mídias como: jornal de bairro, revista voltada a construção, a telecomunicações, concessões rodoviárias, logística e atualmente na hotelaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA