Publicidade
Escola de resultados

Nova York está no radar, mas viajantes brasileiros seguem de olho no coronavírus

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 5 minutos

Viajar para Nova York em tempos de COVID-19

O medo de ampliar as taxas de COVID-19 no país levou o presidente Donald Trump a fechar as fronteiras dos Estados Unidos para a Europa e outros países em março, e para o Brasil no fim de maio. A proibição de entrada ainda está em vigor, sem previsão de término, interrompendo todas as viagens não essenciais para um dos destinos turísticos mais populares do mundo: a cidade de Nova York. Mundialmente, o Brasil está entre os dez países que mais enviam turistas para Nova York todos os anos*. No entanto, será que o impacto do coronavírus afetou o pensamento e comportamento dos brasileiros quanto a viajar para a Big Apple?

O que motivaria os turistas brasileiros a reservar uma viagem, e quais são suas ponderações sobre viajar no “novo normal”? Foi o que o VisiteNovaYork.com.br pesquisou.

Quando os brasileiros acreditam que as fronteiras dos EUA vão reabrir?

As expectativas sobre quando as fronteiras vão abrir novamente são um tanto otimistas. Mais de um terço (36%) dos brasileiros consultados acreditam que será entre janeiro e março de 2021, sendo também a resposta mais obtida. Na soma, quase 79% das pessoas consultadas pensam que as fronteiras vão reabrir até junho de 2021. E apenas oito por cento acreditam que será somente daqui a um ano.

Tendências de viagem após a reabertura das fronteiras

Menos da metade (43%) dos consultados querem viajar para Nova York em até um ano após a reabertura, e, desses, 24% iriam dentro de seis meses. Porém, é importante notar que a reação mais obtida foi “depois que a vacina ou cura para a COVID-19 estiver disponível”, com mais de um quarto (28%) das respostas. Adicionando isso aos dez por cento que afirmaram não se sentir confortáveis em planejar uma viagem para Nova York por enquanto, obtém-se um total de mais de um terço dos consultados (38%) afirmando que não pretendem viajar tão cedo.

Publicidade
LG Eletronics – Meio

Uma conclusão surpreendente da pesquisa mostra que mais de um quarto (28%) dos brasileiros consultados vão esperar por uma vacina ou cura para a COVID-19 antes de viajar para Nova York.

Quando observamos mais de perto as idades, é interessante notar que pelo menos 20% de todos os grupos de idade disseram que vão esperar uma vacina para COVID-19 antes de viajar para Nova York, e este percentual vai subindo conforme a idade aumenta. Entretanto, pode-se perceber que os grupos mais jovens estão minimamente mais dispostos a viajar para Nova York mais cedo, ou pelo menos se sentem mais confortáveis em viajar para Nova York, do que grupos de idades mais altas.

Ponderações sobre viajar para Nova York

Participantes da pesquisa puderam escolher entre dez possíveis hesitações que podem afetar a decisão de marcar uma viagem para Nova York. A maior hesitação, de longe, foi “preços de voos / hotel estarão muito altos”, com 21%, seguido por “medo de ficar doente quando estiver em Nova York” (14%) e “medidas de segurança (COVID-19) não suficientes” (14%).

Observar essas três ponderações indica que as preocupações dos brasileiros são uma mistura de fatores financeiros e ligados ao coronavírus, quando pensam em reservar uma viagem para Nova York. O risco de ficar doente durante a viagem é, infelizmente, uma realidade ao viajar em tempos de COVID-19, independente do destino. Além disso, a preocupação sobre os preços de voos e hotéis estarem muito altos é um tanto compreensível, dado que a taxa de câmbio entre o dólar e o real está bastante alta no momento. Mas a última ponderação pode possivelmente ser confrontada. Atualmente, a maioria das atrações em Nova York estão abertas com medidas de segurança apropriadas em vigor.

Maior motivação para viajar: dinheiro?

Apesar de Nova York ter sido um foco de COVID-19 mais cedo este ano, mais de um terço dos brasileiros consultados são motivados por questões financeiras para reservar uma viagem. Trinta e quatro por cento dos consultados disseram que “conseguir uma boa oferta de voo e hotel” ou ter “políticas flexíveis de alteração e cancelamento / seguro de viagem com garantia” iriam motivá-los. Isto não surpreende, já que Nova York é uma cidade cara, e a maior parte do orçamento de férias é gasta em passagem aérea e acomodação.

Publicidade
Harus

No entanto, dinheiro não foi o único fator significativo a afetar a decisão das pessoas de reservar uma viagem. Não se pode ignorar que outro terço dos consultados disseram que são motivados por fatores ligados a COVID-19. Trinta e seis por cento disseram que “uma vacina ou cura para COVID-19” ou “medidas de segurança para COVID-19 vigentes” iriam motivá-los a viajar, o que, inclusive, é um percentual um pouco maior do que as motivações ligadas a dinheiro somadas.

Além disso, o nível de prioridade entre motivações ligadas a dinheiro e a COVID-19 muda completamente conforme a idade aumenta. Mais de um terço (34%) das pessoas consultadas mais velhas (acima de 65) disseram que uma vacina para COVID-19 seria uma motivação, comparado com apenas 19% entre os de menos idade (25-44 anos). Em contrapartida, 34% dos mais jovens disseram que conseguir uma boa promoção de voo e hotel iria motivá-los, em comparação com apenas 16% entre os mais velhos.

Olhando para frente: viajar para Nova York pós-COVID

Embora este tenha sido um ano desafiador, ainda há esperança quando pensamos sobre a possibilidade de reservar uma viagem para Nova York, possivelmente em 2021. Quando questionados “Qual a primeira coisa que você faria em Nova York?”, 32% dos brasileiros consultados se mostraram animados em visitar uma das atrações famosas. Seguidos por relaxar em um dos parques (22%), fazer compras (13%), e aproveitar os museus e arte de Nova York (13%).

Nova York está se recuperando e atualmente possui índices mais baixos de infecções. No momento, quase todas as principais atrações estão abertas e adotaram medidas para ajudar os visitantes a se sentir mais seguros. Refeições em área externa estão permitidas, e lojas estão abertas, desde que os visitantes utilizem máscaras.

Publicidade
Tramontina

Em conclusão, os turistas brasileiros parecem estar cautelosamente otimistas sobre viajar para Nova York, enquanto o fim da pandemia permanece incerto. Mas ainda há esperança para planos de viagem em 2021. Nova York já percorreu um longo caminho desde que entrou em lockdown em março, e está trabalhando para se preparar para receber turistas novamente assim que possível.

Esta pesquisa foi realizada com 12,400 membros da Página do Facebook de Nova York na terceira semana de outubro de 2020. O objetivo foi explorar as intenções de viajantes de Nova York e as possíveis estimativas para isso, assim como as motivações e ponderações para viajar para Nova York, depois que as fronteiras dos EUA estiverem abertas para turistas novamente.

Texto colaboração de eric@visitnovayork.com.br

* Fonte: NYC & Company Travel and Tourism Trend Report 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA