MercadoÚltimas Notícias

Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil

A previsão é de chegar a dezembro com ocupação de 20% a 35% abaixo do mesmo mês de 2019 

A HotelInvest em parceria com a plataforma de gestão hoteleira Omnibees e com a STR Consultoria Imobiliária, acaba de apresentar ao mercado o estudo Recuperação dos resorts no Brasil.  Essa é mais uma iniciativa para sinalizar ao mercado o potencial de ocupação e de diária média no setor ao longo dos próximos anos. Assim como no estudo anterior que abordou a recuperação da hotelaria urbana no Brasil, objetiva-se com a publicação fornecer aos hoteleiros informações que auxiliem as suas tomadas de decisões estratégicas, dessa vez para o mercado de resorts. “Em um ambiente sem precedentes na histórica recente do mundo, acreditamos que o estudo seja uma das iniciativas que nos ajudem a enxergar com um pouco menos de incerteza o potencial de recuperação dos resorts no Brasil, que é um dos pilares da atividade turística do País”, revela Pedro Cypriano, Managing Partner da HotelInvest. 

Publicidade
Tramontina
Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil
Pedro Cypriano: “Esse estudo nos ajuda a enxergar com um pouco menos de incerteza” – Foto – Divulgação
Publicidade
Desbravador
Dados sólidos

Além de dados sólidos das três empresas envolvidas diretamente na presente iniciativa, também foram consultados inúmeros estudos nacionais e internacionais para trazer o máximo de parâmetros disponíveis ao mercado. Em especial, executivos de mais de 30 grandes resorts do País foram consultados e contribuíram com informação para fundamentar as análises da publicação.

 

Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil
Esse gráfico mostra que o ano de 2022 em diante tende a ser melhor que 2019 – Imagem – Divulgação
Publicidade
Harus
Estudo extenso

Ele possui 191 páginas mas de forma bem resumida ele procurou identificar que: Após quatro meses de análises e uma relação muito próxima com grandes resorts, os resultados obtidos são alentadores e sinalizam um horizonte em médio prazo positivo para a hotelaria de lazer no Brasil. “Na média de 2022, o índice de RevPAR dos resorts será no mínimo 13% acima dos valores de 2019, no cenário moderado analisado. Em comparação com o mês pré-pandemia (fevereiro de 2020), a recuperação total das receitas de hospedagem pode ocorrer em apenas dois anos para a média do setor”, acredita Cypriano.

Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil
Gráfico que mostra o volume de reservas dos resorts registradas pela Omnibees – Imagem – Divulgação

Em curto prazo, já há sinais claros de demanda reprimida e a procura por resorts em todo o País se intensificou nas últimas semanas. “O volume de reservas registradas pela Omnibees atualmente já supera 60% do período de pico pré-pandemia, e os meses mais procurados ganham destaque a partir do quarto trimestre de 2020. A recuperação já começou, destaca Luis Ferrinho, CEO da Omnibees. 

Publicidade
Fispal
Ocupações crescentes

O movimento de ocupações crescentes em destinos de lazer já foi antecipado pela STR durante as temporadas de verão nos Estados Unidos e na China. “Destinos internacionais de lazer em estágio mais avançado da pandemia chegaram a ocupações diárias acima de 80% nos finais de semana e feriados, e de no mínimo 40% nos dias úteis”, revela Patricia Boo, Diretora da STR.

Cypriano menciona que alguns dos resultados adiantados devem ser comemorados. No entanto, também é preciso cautela. Para a efetivação das reservas em pernoites, o ambiente sanitário precisa sinalizar com mais clareza tendência de queda nas curvas de contágio e de óbito da doença. E o “período de travessia” por meses de prejuízo operacional ainda não terminou. Contenção de custos e atenção ao caixa ao menos até o primeiro semestre de 2021 são cruciais.

Publicidade
Ameris
Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil
A ocupação dos resorts pode alcançar até 29% na média de 2020 – Imagem – Divulgação
Publicidade
Clima ao Vivo
Destaques adiantados

1) Até outubro, 100% dos resorts estarão em operação – ainda em capacidade reduzida, mas com expectativa de chegar a dezembro com um limite próximo a 70% de ocupação por dia para respeitar os novos protocolos de distanciamento social.

2) Viés de queda de tarifa em curto prazo pode ser revertido nos próximos meses – Após promoções iniciais, executivos do setor já indicam retomada de preços, ao menos nos períodos de alta procura. O risco de guerras tarifárias hoje é menor.

3) Enquanto eventos não se recuperam, lazer doméstico estará em destaque – caso apenas 5% dos mais de 10 milhões de brasileiros que viajam anualmente ao exterior redirecionem as suas viagens a resorts no Brasil, a demanda adicional ao setor pode chegar a 10 p.p. de ocupação.

4) Até dezembro, ocupação mensal pode ficar entre 20% e 35% abaixo do mesmo mês de 2019 – sinalização de reservas e de voos já é mais favorável e tem crescido semana a semana, em todo o País.

5) 2022 em diante tende a ser melhor que 2019 – além da base modesta de desempenho na média do ano passado, a desvalorização do real deve estimular novas viagens domésticas pelo Brasil. Entre 2015 e 2016, em período de recessão econômica, movimento similar já aconteceu no País. 

Estudo revela resorts acelerando o ritmo de recuperação no Brasil
Premissas de recuperação dos resorts Imagem – Divulgação
Sinais de melhoria

Em setembro, iniciaram os sinais de melhoria do ambiente sanitário no Brasil. A média móvel de novos casos e de óbitos pela COVID-19 finalmente começou a cair. Pouco a pouco, a confiança nas viagens está retomando e, mantida a tendência de controle gradual da pandemia, a recuperação do turismo ganhará força, liderada pelo turismo de lazer no país.

Acesse o estudo completo para mais dados e análises sobre a recuperação dos resorts no Brasil:

http://hotelinvest.rds.land/recuperacaoresortsdobrasil

Publicidade
Anuncie conosco

Edgar J. Oliveira

Diretor editorial - Possui 31 anos de formação em jornalismo e já trabalhou em grandes empresas nacionais em diferentes setores da comunicação como: rádio, assessoria de imprensa, agência de publicidade e já foi Editor chefe de várias mídias como: jornal de bairro, revista voltada a construção, a telecomunicações, concessões rodoviárias, logística e atualmente na hotelaria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA