Publicidade
SPCVB

Último painel do segundo dia do Tendências 360 abordou a importância da educação

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

O último painel do evento online Tendências 360, capitaneado pela Mapie Consultoria, foi batizado de “Aprender” e trouxe como convidados para um debate sobre o que muda na educação com a pandemia, além de outros temas relevantes, Fábio Viviurka, da Slash Education; Joseph Teperman, da Anticarreira; e Thiago Tamer, da Rebot Education. A mediação foi de Paula Abbas novamente.

Publicidade
Clima ao Vivo

Dando início, Fábio Viviurkas explicou que ainda é muito cedo para saber o que vai mudar na educação após a pandemia. “A verdade se tornou provisória e das coisas a gente não consegue ter mais do que noções. Passei um ano como antropólogo em um colégio como aluno, fazendo atividades de aluno, com diário de bordo e tudo. Me vejo aplicando coisas na prática e quero compartilhar o que aprendi com os alunos do ensino médio. Uma coisa que me impactou, é que, em tempos de excesso, as pessoas buscam experiências únicas analógicas, inclusive. Tentei fazer pesquisas fazendo uso de aplicativos, ferramentas e outros, mas só consegui concluir essa pesquisa quando usei o caderno de perguntas e respostas que usávamos para brincar na adolescência. O afeto, a transcendência e a prototipagem foram os três grandes ativos dessa pesquisa. O adolescente hoje não conhece a rua, existe um desejo pelo conceito do transcendente. Não é a toa que nossa start-up se chame Slash Education. O conceito de Slash prevê que a nova geração não quer ter somente uma profissão e sim mais do que a formação acadêmica propõe. Teremos que trabalhar cada vez mais com as frustrações e com as coisas que dão errado no lugar das que dão certo”, provocou o educador. “A educação terá de ser cada vez mais instagramável. Porque as pessoas só postam no Instagram coisas que fazem sentido para elas”, complementou.

Publicidade
Escola de resultados

Para Joseph Teperman, “a educação, o trabalho e o lazer hoje em dia não são mais divididos em fases. Antes, a educação levava vinte anos, trabalhávamos por quarenta e nos aposentávamos por 15 a 20 anos. Hoje este conceito está se tornando ultrapassado. As três fases são vividas simultaneamente. A Anticarreira aborda o plano A e o plano B, que todos têm, mas pelo meu conceito, devemos ter até o plano Z, e recomeçar se for necessário. A melhor resposta sobre como será o futuro é construindo ele. Essa é uma frase de Abraham Lincoln e é verdade”, afirmou.

Publicidade
Encontro da Hotelaria

Já Thiago Tamer falou sobre a decisão de mudança de carreira na educação, ensinando crianças a fazer códigos. “Percebi que essa era a minha nova forma de trabalhar. Observei uma notícia certa vez, em 2009, sobre uma criança que gostava de passar as férias em lojas da Apple desbloqueando i-Phones. Hoje esse mesmo garoto ocupa um cargo de relevância na empresa. O Steam Learning, utilizado pela Robot Education usa diversos conceitos para entregar conhecimento para as crianças. Conseguimos trazer a tona competências que algumas disciplinas comuns não trazem, como a resolução de problemas complexos (problem solving). Vejo que ensinar as crianças o protagonismo e o problem solving são algumas das características mais importantes da educação atual”, concluiu.

Publicidade
Soluções RH

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA