Publicidade
Hotelplus

Turismo e Alimentação Fora do Lar celebram reedição do BEm

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

Os segmentos de turismo e alimentação fora do lar receberam, de forma positiva, a publicação da Medida Provisória 1.045/21, no Diário Oficial da União (DOU), nesta quarta-feira (28). O texto traz a reedição do BEm – Programa Emergencial de Manutenção de Emprego e Renda, cujo intuito é reduzir a jornada de trabalho e o salário do funcionário. Além disso, também é possível suspender o contrato do trabalhador por até 120 dias.

Publicidade
Pikolin

O trade, que buscava a recriação da lei para este ano, avalia que a proposta traz a contenção de danos econômicos durante a crise desencadeada pela Covid-19. Para a FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, esta medida é fundamental para auxiliar na manutenção dos empregos em hotéis, bares, restaurantes e similares, que sofrem com perdas progressivas desde o início da pandemia. “Já no início deste ano, estávamos dialogando com o governo sobre o BEm. A reedição se faz mais do que necessária, principalmente nesse momento em que a segunda onda da infecção viral atinge o nosso país. Muitas regiões adotaram, novamente, medidas restritivas para circulação da população, o que impacta negativamente o comércio. Por meio do programa, conseguiremos manter os empreendimentos em atividade e, com isso, evitaremos demissões em inúmeros segmentos, especialmente dentro do turismo”, explica Alexandre Sampaio, Presidente da entidade.

Publicidade
Simmons

Segundo o Ministério da Economia, é estimado que o programa movimente R$ 10 bilhões, por meio do crédito extraordinário, disponibilizado aos empreendedores. O valor definido não entrará nas regras fiscais – como o teto de gastos – que proíbe o crescimento das despesas da União acima da inflação.

Turismo e Alimentação Fora do Lar  celebram reedição do BEm

Alexandre Sampaio, Presidente da entidade.(Foto: Divulgação)

No ano passado, o BEm entrou em vigor no mês de abril, quando houve o fechamento em larga escala das atividades não essenciais, e teve o orçamento de R$ 51,5 bilhões. Para 2021, a sua reedição aguardava a mudança na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). “As empresas devem estar cientes das regras que envolvem a reedição. A jornada reduzida implicará no direito do trabalhador receber um valor equivalente ao seguro-desemprego. Além disso, o benefício será proporcional ao corte estabelecido no acordo entre empregado e empregador”, reforça o presidente da entidade.

Publicidade
Equipotel 2021

De modo geral, o novo texto da Medida Provisória destaca que os acordos entre trabalhadores e empresas valem a partir da publicação no DOU. O programa manterá as medidas adotadas no ano passado, com a possibilidade de reduzir os salários e as jornadas de trabalho em 25%, 50% e 70%, por meio de acordos individuais ou coletivos. Para as empresas com receita superior a R$ 4,8 milhões, o empregador deverá se responsabilizar pelo pagamento de uma parte da remuneração enquanto o governo desembolsará o restante do dinheiro.

Para os casos que optarem pela suspensão do contrato, o pagamento da compensação do governo será de 100% do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito. “Vale destacar que, quem tiver o contrato suspenso, não poderá prestar nenhum serviço à empresa durante esse período, nem mesmo remotamente”, informa Sampaio.

Publicidade
Onity

As empresas que contaram com o benefício, no ano passado, poderão recorrer novamente ao programa. Em 2020, houve a suspensão e redução de 10 milhões de contratos de trabalho, aproximadamente.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA