Publicidade
LG Eletronics

Sindhotéis cobra da prefeitura medidas para conter nova onda de demissões

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 3 minutos

A omissão dos governos diante da crise sem procedentes provocada pela pandemia da COVID-19 está matando as duas principais atividades econômicas de Foz do Iguaçu. Sem apoio dos governantes, meios de hospedagem e gastronômicos entraram em colapso econômico, sendo obrigados a retomar as demissões em massa de trabalhadores e a fechar as portas em definitivo.

Publicidade
Tramontina

O cenário é desolador. A situação já foi crítica no ano passado, quando o município amargou saldo negativo de 4.501 postos de trabalho considerando todas as atividades, como alojamento e alimentação; transporte, armazenagem e comércio; indústria e construção; agropecuária e informação, e correlatas. Foram 22.833 admissões contra 27.334 demissões no geral.

Do total de 4.501 postos de trabalho fechados em todo o mercado formal, a maioria atingiu em cheio a hospedagem e alimentação. Somente esses dois segmentos totalizaram 2.790 vagas extintas no ano passado (3.392 admissões contra 6.182 demissões). Um retrato nefasto evidenciado pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e que deve piorar neste ano.

Apesar de todos os esforços dos dois setores em segurar os colaboradores, utilizando todas as possibilidades de redução de jornada e suspensão temporária de contrato, a nova onda já é uma triste realidade em virtude dos consecutivos lockdowns, toques de recolher e restrições de funcionamento impostos pela Prefeitura de Foz e Governo do Paraná.

Negligência

Diante dos ataques aos meios de hospedagem e gastronômicos da cidade, o Sindhotéis (Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares) tem feito inúmeros pedidos ao prefeito Chico Brasileiro e ao governador Carlos Massa Ratinho Junior (ambos do PSD), entretanto os requerimentos são ignorados ou atendidos de forma parcial (o que é insuficiente para as empresas).

Publicidade
Escola de resultados

O Presidente do Sindhotéis, Neuso Rafagnin, ressalta que Chico Brasileiro e Ratinho Junior vêm ignorando os apelos que poderiam ajudar a reduzir a crise financeira e, por consequência, diminuir as demissões e falências. “Reconhecemos as ações para conter a pandemia, porém exigimos contrapartidas para a principal indústria de Foz. Estamos quebrados, endividados e sem perspectivas”, afirmou.

Sindhotéis cobra da prefeitura medidas para conter nova onda de demissões

O Presidente do SindHotéis, Neuso Rafagnin: “Reconhecemos as ações para conter a pandemia, porém exigimos contrapartidas para a principal indústria de Foz” (Foto: divulgação)

Rafagnin lembra que a hospedagem e a gastronomia, além de maiores geradoras de empregos, são os principais pagadores de impostos no município, bem como consumidores de água e luz. Mesmo assim, prefeito e governador ignoram vários pedidos feitos nos últimos meses para flexibilizar impostos municipais e estaduais, bem como o custo de serviços públicos.

*Seguem números do desemprego em Foz do Iguaçu na hospedagem e alimentação

– 4.501 empregos perdidos considerando todas as atividades econômicas (22.833 admissões contra 27.334 demissões).

– 2.790 empregos perdidos somente na hospedagem e alimentação (3.392 admissões contra 6.182 demissões).

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Com setor “quebrado”, Sindhotéis reforça requerimento de flexibilização de impostos

Diante do abismo para o qual hospedagem e gastronomia foram empurradas, o Sindhotéis reforça o pedido feito à Prefeitura de Foz, inicialmente pelo Comtur (Conselho Municipal de Turismo), em 25 de janeiro, e mais recentemente pela entidade sindical, em 12 de março.

  • Fim dos lockdowns e toques de recolher na semana e aos sábados e domingos.
  • Ampliação do horário de atendimento para ao menos até as 23 horas.
  • Redução da alíquota do ISS para 3%, a exemplo do ocorrido em 2015.
  • Isenção da Taxa de Verificação de Funcionamento Regular (TVFR).
  • IPTU – Prorrogação dos prazos e vencimentos e aplicação do desconto concedido para pagamento à vista também para os parcelados (não é renúncia fiscal) e manutenção de bonificações.
  • Isenção da taxa de publicidade.
  • Refis Municipal 2021 (refinanciamento da dívida fiscal) amplo.

*Fonte: Caged em 2020

Publicidade
Harus 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA