Publicidade
Retomada do turismo

Selos de certificação chancelam retomada segura da hotelaria pós COVID-19

Critérios que foram utilizados nessas certificações devem ser observados

Depois que a pandemia do novo coronavírus assolou o mundo e transformou a indústria, obrigando todos os setores a reinvenção de seu modo de operar, a hotelaria, que depende da garantia de limpeza e desinfecção de seus ambientes (o produto da sua operação comercial) para ver seus números voltarem a crescer, adotou os selos de certificação de vez. Os mesmos já tinham o seu lugar nos hotéis, mas agora, com a chegada do “novo normal” este lugar ganhou destaque, relevância e peso na decisão do hóspede.

Pensando em todos esses fatores, a Atlantica Hotels anunciou um novo padrão de operação, aprovado pelo InCor e auditado pelo Bureau Veritas, órgão que inclusive, também é responsável pela auditoria de outras redes, dentro e fora do Brasil. Com base nas diretrizes das marcas internacionais que representa e sob orientação de um infectologista, a Atlantica lançou o Manual de Diretrizes operacionais e o selo AS&CP – Atlantica Safe & Clean Protocol.

Publicidade
Continuum

O objetivo da iniciativa é garantir proteção à vida, segurança e bem-estar de hóspedes e colaboradores em todas as pontas da operação, visando o pleno funcionamento dos 83 hotéis que permanecem abertos e o momento da retomada das atividades do restante da rede, cuja expectativa é de 90% das unidades em operação até o mês de julho de 2020. “Em no máximo dois meses, devemos viver a reabertura da economia no Brasil, com a retomada da hotelaria, que será caracterizada por um retorno lento da demanda, principalmente devido ao receio e ao medo em decorrência da falta de vacina ou de qualquer outro tratamento efetivo de combate à COVID-19″, afirma Guilherme Martini, Vice-presidente de Operações da Atlantica Hotels.

Segundo ele, “de qualquer forma, estamos preparados para dar uma resposta à altura das preocupações dos nossos clientes com relação aos processos de higienização na hospedagem e controle da pandemia na operação” .

Selos de certificação chancelam retomada segura da hotelaria pós COVID-19

Guilherme Martini: “Nossos processos de limpeza e higienização estão preparados para dar uma resposta a altura de nossos clientes”

O Diretor sênior de Operações, Mark Campbell, explica os requisitos para que uma unidade receba a chancela: “Cada hotel precisa estar 100% aderente a todos os requisitos indicados pelo Manual de Diretrizes Operacionais da Atlantica Hotels, que foi certificado pelo InCor e auditado pela Bureau Veritas. Ao todo, são quase 60 pontos de verificação em todas as áreas do hotel e qualquer não conformidade ocasiona a não emissão do selo. Por isso, optamos pelo Bureau Veritas para fazer a verificação independente e dar credibilidade ao nosso selo Safe&Clean”.

Chancela internacional

Publicidade
Totaline

Campbell afirma que o processo não termina com a certificação do hotel com o selo: “O processo de auditoria não para com a emissão do primeiro selo. Para que o selo seja mantido, o hotel precisa passar por novas auditorias que ocorrem a cada dois ou três meses durante, pelo menos, um ano. Ao todo serão, no mínimo, cinco visitas de auditoria presencial em cada empreendimento”, revela. “A Atlantica leva muito a sério seu propósito de cuidar dos hóspedes e colaboradores. Precisamos garantir que o que o foi planejado esteja sendo executado em todos os nossos mais de 130 hotéis espalhados pelo Brasil”, complementa.

Selos de certificação chancelam retomada segura da hotelaria pós COVID-19

Mark Campbell: “Todos nossos processos de limpeza e higienização foram efetivamente revisados”

No entanto, quando falamos de protocolos de limpeza, desinfecção e qualidade de serviços, não estamos abordando um tema inédito para o setor. É sabido que, para a atividade hoteleira, estes sempre foram tópicos críticos, de extrema importância, relevância e atenção por parte dos hotéis, até porque a hospitalidade implica tais cuidados e na Atlantica Hotels não poderia ser diferente.

De acordo com Campbell, “O processo de auditoria de padrões de higiene e limpeza já fazia parte do nosso DNA e está no grupo desde a sua fundação, há mais de 20 anos. Nossas equipes respiram essa cultura de qualidade, o que é fantástico. As melhores performances são anualmente reconhecidas em nossa Convenção Anual. Esse processo também passa por auditoria internacional independente da Cristal Standards e continuará sendo assim”.

O executivo afirma que as marcas que a rede representa no Brasil, como Hilton, Radisson, Choice e Wyndham, também auditam os hotéis em diferentes formas. “Ou seja, estamos respirando o assunto de limpeza e higiene sempre. O selo Safe&Clean adiciona itens ao já extenso e detalhado check-list de limpeza e higiene, o que inclui amostras em quartos e checagem minuciosa em todas as áreas públicas dos hotéis”, observa.

Campbell também revela que o departamento de Alimentos e Bebidas acabou sendo um dos mais prejudicados pela pandemia. “Todos os processos foram efetivamente revisados. Temos estimulado fortemente o distanciamento social em nossos hotéis, e portanto, incentivado o uso do Grab and Go e do Room Service. Mantivemos a operação de restaurantes com serviços a la carte apenas, inclusive para café da manhã, tendo efetivamente extinguido o buffet convencional”, comenta o gestor.

Publicidade
RAP Engenharia

Comments

Avatar
Carlos Rosa

Bela matéria Hugo Okada!
Toda luta a favor da higiene e saúde é bem vinda, principalmente estes protocolos de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image