Publicidade
Simmons

Reflexão sobre os cafés da manhã em hospedagem e charcutaria

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 6 minutos

Artigo do Chef Ricardo Penna (Penninha)* – Nestes tão novos tempos, inimagináveis até nos mais elaborados e nefastos roteiros de ficção, tornou-se ainda mais necessária a capacidade de nos reinventarmos, de nos recriarmos e principalmente de imaginar sobre o que e como fazer algo realmente interessante e modificador na nossa área. Sendo assim, proponho uma reflexão sobre os cafés da manhã em hospedagem e charcutaria.

Publicidade
Escola para resultados

Comecei a pensar em minhas experiências como hóspede por onde andei, nos quatro cantos de Minas e do Brasil, em alguns países da Europa, América Central, América do Sul e nos Estados Unidos.  Me lembro firmemente de muitos ótimos cafés que incluíam tradicionais pães, bolos, salgados, o super mineiro pão de queijo, waffles, tapiocas, tortilhas, queijos, sucos, iogurtes, frutas, salsichas com molho, burgers, ovos, cereais, ou seja, itens já consagrados nos selfs, brunchs e nas mesas de cafés da manhã quando estamos hospedados.

Setor em crescimento

A charcutaria que está em franco crescimento no nosso País e no mundo, tem cerca de 30% de todas as buscas na internet no tema gastronomia, nada mais é que uma arte milenar de preparar as carnes com a finalidade de conservar mais as mesmas.  Podem ser usados para isto os processos de cozimentos, cura, defumações, salga, secagem, embutimentos ou ensacamentos (linguiças e afins) ou mesmo a combinação de alguns destes.

Sem dúvida, esta não é mais a maior finalidade destes processos hoje em dia. Mas criar um novo e atraente produto e fazer os já consagrados de maneiras e com propostas novas, com pegadas variadas de condimentação, abusar do aspecto artesanal também, é a grande busca da charcutaria.

Esta arte, salvo regionalismos e aspectos étnicos, é muitíssimo pouco explorada nos cafés da manhã dos hotéis e pousadas. Ouso falar que ela é até relegada ao plano do fortuitismo: se der ou quando puder a gente inclui alguma coisa. De proteína vamos mesmo de salsicha, presunto, salame, ovos e quem sabe um salaminho….Lugar comum!

Reflexão sobre os cafés da manhã em hospedagem e charcutaria

Mesa posta do café da manhã tem que ter frios e embutidos (Foto: divulgação)

Dificuldades enfrentadas

Creio que alguns fatores estão ligados a isto como a dificuldade de se encontrar produtos para se compor o cardápio, dificuldades de fracionamento, de embalagem e armazenamento, mas creio que o que mais pesa é o aumento do custo final médio deste importante evento em nosso hotel.

Publicidade
Encontro da hotelaria

Aí me vem uma indagação: Este evento não deveria ser tratado como tal, ou seja, como um cerimonial? Afinal já fizemos o mais difícil e trouxemos ‘Vossa Excelência´, o cliente, para dentro de nosso estabelecimento e estamos tendo a honra de encantá-lo. Não podemos perder esta chance!

Fora o uso dos produtos populares como presunto, lombinho canadense e o blanquet de Frango, que tem um custo-benefício bem interessante, e que podem também serem utilizados em antepastos, pizzas, saladas leves, muito admiradas e esquecidas nos mais diversos desayunos, outras centenas de receitas maravilhosas poderão ser oferecidas no cardápio.

Reflexão sobre os cafés da manhã em hospedagem e charcutaria

Bacons, salsichas e fatiados de presento é essencial num café da manhã – Foto: ContatoArtpix (Pixabay)

Quitutes charcuteiros

Começando pelos defumados temos as ´figurinhas carimbadas’ como o lombinho, lombo, bacon, pancetta, peito de Peru e de Frango. O pastrami também pode ser defumado e cozido e é uma iguaria feita com carne de boi. Passando pelos salames, temos eles recheados com azeitonas, pimentas, castanhas, ervas, de frango, javali, ovelha, cabrito, temos o paranaense e super gostoso, salame Cracóvia, os diversos tipos de salaminho, com mais ou menos gordura, com crostas diversas, dentre tantas variações. A mortadela, prima do salame, é um dos mais populares e saborosos quitutes charcuteiros da Itália.

E as linguiças, meu embutido predileto, o que falar delas hein?!!! É de uma variedade e potencialidade gastronômica insuperável, compondo mini sanduíches com pães, o Choripan, pães de queijo, ragu e aí vai….Temos a linguiça Blumenau e as alheiras portuguesas como a maravilhosa Codeguim e a Catalã Fuet, com uma característica carapaça branca e que se adquire facilmente em bancas e balcões fora de refrigeração. Pode se abrir na hora e comer ali mesmo, em pé….

Publicidade
Equipotel 2021

As salsichas trazem consigo também um universo fabuloso como as admiráveis alemãs Frankfurter (fina, comprida e de sabor inigualável), tradicional dos melhores cachorros quentes do planeta, a Weisswurst, apetitosamente branca, as tradicionais com corantes que dominam o mercado, nem sempre são as melhores opções da família.  O salsichão Ibérico, a salsicha Viena e o riquíssimo e inconfundível Pepperoni, temperado com muita páprica com sabor e cor marcantes.

Reflexão sobre os cafés da manhã em hospedagem e charcutaria

A salsicha é algo que não pode faltar no café da manhã de um hotel

Produtos regionais

Junto ao Parque Nacional de Pedra Azul, vindos da altitude e clima serrano de Domingos Martins e de Venda Nova do Imigrante (ES), temos produtos frutos da cultura e da colonização italiana, como a famosa Copa e o delicioso Socol, feitos artesanalmente com copa e lombo respectivamente, deliciosamente temperados e curados por 6 meses.

E falando dos curados temos os super consagrados Presunto Ibérico ou Pata Negra da Espanha, o Prosciutto Crudo di Parma, os também italianos: Guanciale que é a deliciosa bochecha suína, o Speck, um pernil curado e defumado, o Nduja, macio, composto de carnes e gorduras suínas e com um tempero e picância que vão mudar a cara e a personalidade de um café da manhã.

De patês podemos mandar para as mesas, os pouco sisudos alemães Laberwurst e Kalbsleberwurst de nomes difíceis para nós, mas de sabores admiráveis, compostos de fígado, de granulometria mais grossa e mais fina respectivamente. A Terrine de fígado de ganso entra como um dos tradicionais patês franceses, junto com os alemães, é uma opção mais excêntrica!!!

Ainda podemos produzir nós mesmos, receitas como Kafta, da cozinha árabe, Meat loaf, receita inglesa excelente e de fácil execução.  Usar também de diversas formas, umas das principais receitas charcuteiras brasileiras: a queridinha, deliciosa e consagrada Carne de Sol, que coisa boa! O Charque que se assemelha ao Jerked Beff, como é versátil e como agrada!  E a Carne de Lata ou na lata, também chamada de porco na banha, uma delícia que pode fazer toda a diferença para os que, como eu, tem o pé na roça.

Já pensou numa chapinha e uma grelha no cantinho de um salão exalando aromas, dentre os quais como o de um suculento Socol e um Guanciale e daquele maravilhoso ovinho caipira estalando no rico sabor de uma manteiga da roça ou de uma banha? Hmmmm, que beleza!!!

Publicidade
Altenburg

Mix Charcuteiro

Creio que podemos criar diferenciais competitivos buscando algum ou alguns produtos de grande poder diferencial, pouco conhecido (s), que seja (m) acessível (eis) e assim compor com outros um bom Mix Charcuteiro, para dar aquela personalidade ao nosso café da manhã. Um bom caminho, sem dúvida, poderia ser percorrido através da agroindústria local e microrregional, absorvendo e incentivando os produtores envolvidos como por exemplo o da agricultura familiar, de preferência engajados na sustentabilidade e respeito às formas sanitárias, de criação e abate.

Renomados hotéis de Belo Horizonte promoverão em breve o Breakfast Festival – Imagem – Divulgação

Assim estes produtores poderiam contribuir com produtos charcuteiros novos ou mesmo com os já consagrados, porem diferenciados em sabores, simplicidade e na sua concepção de produção.

Não seria esta, uma bela e deliciosa forma de incrementar e dar mais personalidade aos nossos cafés para os hóspedes e poder ainda, ampliar este atendimento para a população local em momentos de negócios, comemorações e quem sabe até em deliveries, tão sub explorados pelo setor, que pela sua vocação, teria de ser especialista nesta área?

*Chef Ricardo Penna ‘Penninha’ – Com mais de 25 anos de carreira gastronômica, apaixonado por churrasco, premiado diversas vezes em importantes concursos gastronômicos como o Comida de Buteco, Prazeres da Mesa e Petisco de Boteco da Globo Minas, e jurado em tantos outros concursos. Consultor em mais de 900 restaurantes e churrascarias, escreveu mais de 50 manuais e ensinou mais de 36.000 alunos pelo mundo. Autor dos best-sellers sobre carnes, o “Alquimia do Churrasco” e o “Transformando Carnes de Segunda em Carnes Nobres”.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Comments

Monica Leone

Excelente matéria, parabéns Edgar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image
CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA