HOME Matérias Radix desenvolve modernização do sistema elétrico do RIOgaleão

Radix desenvolve modernização do sistema elétrico do RIOgaleão

29
0
SHARE
A empresa, responsável pela supervisão e controle do sistema elétrico do Aeroporto Internacional Tom Jobim, implementou em 18 meses a primeira etapa do projeto

A Radix, multinacional brasileira de tecnologia e engenharia, inicia ainda em dezembro a segunda fase de automação do sistema elétrico do RIOgaleão. A empresa, responsável pela supervisão e controle do sistema elétrico do Aeroporto Internacional Tom Jobim, implementou em 18 meses a primeira etapa do projeto, antes do início dos Jogos Olímpicos, quando o movimento de passageiros no aeroporto dobrou, alcançando seu recorde histórico.

Oferecendo soluções confiáveis em automação para sistemas de energia e de emergência de grandes empresas, a Radix tornou possível monitorar e controlar todo o sistema elétrico e até se antecipar aos problemas, como apagões, e reduziu o tempo de retomada de energia elétrica em 20 vezes. “Por meio de um computador ou de dispositivos móveis, o operador acompanha tudo o que ocorre no sistema elétrico, detectando rapidamente as falhas e acionando a manutenção. É possível uma identificação mais rápida de problemas e, com isso, ter um menor tempo de resposta em caso de situações de exceção. Já em episódios mais graves, como um possível apagão, o aeroporto poderia ser religado em apenas dois minutos, pois nosso sistema, em integração com outros implantados pela concessionária, aciona automaticamente uma sequência correta para todos os equipamentos, evitando que o operador faça a tarefa manualmente. Sem a automatização, este tempo poderia chegar a 40 minutos”, explica Paulo Rêgo, Diretor de Serviços da Radix.

O projeto completo será finalizado por fases. A primeira etapa do processo de automação contemplou terminais de passageiros, pátio, subestação principal e geradores de emergência e ficou pronto para receber o público paras os Jogos, em 2016. O aeroporto ganhou 70 quilômetros de cabeamento de cobre e de fibra ótica. Na segunda fase, que iniciou em novembro, foi realizada a integração com o radar, cabeceira das pistas e terminal de cargas.

Como resultados imediatos do trabalho, houve redundância de segurança via hardware; supervisório composto de Dashboards de fácil visualização; segregação das redes de TI (Tecnologia da Automação) e TA (Tecnologia da Automação); arquitetura expansível; fornecimento de equipamentos de rede e de automação de última geração; redução do tempo para religar a energia para dois minutos; diminuição do custo de manutenção de equipamentos; antecipação de problemas através de alertas e alarmes.