HOME Matérias Especial Lavanderia saiba como escolher seu equipamento

Lavanderia saiba como escolher seu equipamento

5156
0
SHARE

Matéria publicada na edição 53, março de 2007

 

Uma das principais preocupações de um hoteleiro na prestação de serviços é a lavagem dos enxovais e roupas de cama e banho, já que a qualidade do serviço, assiduidade e higienização dos produtos são imprescindíveis para se ter um hóspede feliz e mantê-lo fiel. Quando a lavagem da roupa é do próprio hóspede do hotel, os cuidados são redobrados, pois a responsabilidade aumenta para evitar manchas ou estragar o tecido na lavagem. Por esse e outros motivos, muitos hotéis preferem terceirizar este serviço, pois além da falta de espaço para colocação dos equipamentos, o alto custo que envolve a aquisição de equipamentos, que muitas vezes não compensa pelos benefícios proporcionados. Segundo especialistas do setor, uma lavanderia de hotel precisa lavar pelo menos 300 kg por hora para ser viável, abaixo deste nível não compensa, é melhor terceirizar.
Mas, para os hotéis que preferem montar sua própria lavanderia, atenção, pois há alguns equipamentos fabricados especificamente para as redes hoteleiras e alguns equipamentos que estão sendo comercializados que não se enquadram em normas. A reposição de peças e assistência técnica nem sempre são garantidas. Além de ter muito cuidado, já que nem sempre o tamanho de um hotel defini o custo/benefício na compra de um equipamento. Deve ser levada em consideração também a automação do serviço. “A preocupação e exigência que temos é definir a capacidade de lavagem, secagem e acabamento, pois, na maioria dos casos, os equipamentos irão operar por um período mínimo de 16 horas por dia. Ter equipamentos que possibilitem a otimização entre equipamento e mão de obra, equipamentos compactos, pois a estrutura disponível é limitada e com recursos para garantir produtividade e otimização de tempo. Além de procurar por empresas de equipamentos que sejam sérias, com tradição neste setor, que possam realmente garantir um equipamento dentro das normas de segurança para os operadores, que tenham peças de reposição e equipe técnica ou representações para atuar nas manutenções preventivas e corretivas”, explica a Gerente de governança, Melissa Casagrande, do Hotel Grand Hyatt São Paulo.

Mercado exige segurança na compra
“Não se pode esquecer que todos os equipamentos têm que ter um bom manuseio, manutenção preventiva e corretiva para que sua durabilidade seja prolongada. Ter uma lavanderia produtiva depende de mão de obra qualificada, treinada, e buscando sempre o desenvolvimento. Com profissionais qualificados, procedimentos de lavagens e acabamentos de roupas bem definidos, atendimento ágil e cortês, com certeza o hotel terá uma lavanderia própria de sucesso”, destaca Anderson Ferreira da Silva, Gerente de lavanderia do Grand Hyatt São Paulo.
Pequenos hotéis e pousadas podem também conseguir excelentes resultados com equipamentos de baixa complexidade devido ao reduzido volume de roupa a ser processada. No entanto, a automatização consegue reduzir custos operacionais, economizar água e produtos químicos, além de garantir a repetição dos processos. Entre os equipamentos computadorizados, os que apresentam melhor custo/beneficio são as Lavadoras Extratoras, que apesar de seu alto custo de aquisição, oferecem vantagens que acabam justificando o investimento.
A escolha dos equipamentos necessários para uma lavanderia varia de acordo com seu objetivo. É necessário definir o trabalho que será feito, como por exemplo, o que o hotel terceirizará ou não. Um fator importante é verificar se o hotel possui piscinas, fitness center ou spas, pois nestes casos deve-se investir mais em máquinas de dobragem de felpudos, do que em calandras – equipamento para secagem residual e para passar o enxoval. Há ainda os equipamentos auxiliares como caldeiras de vapor, aquecedores de água, compressores de ar, sistemas adequados de insuflamento de ar, que permitem melhores condições de trabalho aos operadores, boa exaustão de ar para eficiência das secadoras e calandras, bem como filtros e sistemas de tratamentos de água. Já na compra das lavadoras extratoras, que lavam e centrifugam as roupas, o cliente deve verificar a quantidade de rotações por minuto (RPMs), que deve ser superior a 450, para não comprometer a completa secagem da roupa e evitar maior gasto de energia com secadoras. É importante também se preocupar com a centrifugação, que deve ser entre 800 e 1000 RPMs.

Maior controle de qualidade
Para não haver desgaste da roupa e possibilidades de rasgar é necessário que os furos internos das paredes laterais das lavadoras sejam repuxados. Uma sugestão boa para aumentar a economia é a utilização de água ozonizada, gás produzido por geradores, sendo que cada um atende a três máquinas. O uso do gás reduz o consumo químico, pois tem o poder de desinfecção da roupa, ameniza possíveis alergias para os usuários, utiliza água fria, o que resulta no menor desgaste da roupa e diminui o tempo de lavagem. Para o hoteleiro ter uma lavanderia própria é vantajoso também, pois há um controle melhor desde a lavagem a estocagem e o manuseio da roupa, além da maior velocidade na reposição e controle sobre a durabilidade do enxoval. “As vantagens de ter uma lavanderia própria no hotel são principalmente o controle das peças de roupas, a qualidade da lavagem e do trato com o enxoval, uma vez que é tratada pelos próprios funcionários do hotel e não por terceiros. Outra grande vantagem é não ter extravio de enxoval para outros hotéis e principalmente não depender de fatores externos tanto na coleta, quanto na entrega dos enxovais. Por exemplo, em caso de alagamentos, trânsito, crises de violência na cidade, poder ficar sem receber ou entregar o seu enxoval nestas condições”, afirma Paula Baneza, Governanta do Hotel InterContinental São Paulo.
Mas não é só isso. O treinamento de todos os profissionais que trabalham na lavanderia é extremamente importante antes de operar qualquer tipo de equipamento. “Um chefe ou gerente para lavanderia, por exemplo, deve ter pelo menos cinco anos de experiência em lavanderia, noção básica de relações humanas (já que irá liderar equipes), análise administrativa, conhecer química, fibras e equipamentos de lavanderia. Pedimos também que os lavadores e as passadeiras tenham os mesmo cinco anos mínimos de experiência no trabalho”, revela Paulo Cardoso, Gerente de lavanderia do Sheraton Rio Hotel & Resort.
O funcionário deve ter conhecimento sobre os cuidados com os diversos tipos de tecidos e remoção de manchas, além de saber quais produtos utilizar em cada caso específico. Normalmente, a empresa fornecedora de produtos químicos oferece treinamentos sobre os processos de lavagem e o correto uso dos produtos. A participação em eventos e workshops da área também enriquece o conhecimento daqueles que trabalham na lavanderia. “O próprio fornecedor dá o treinamento no uso dos equipamentos e dos produtos químicos. Por exemplo, no caso de treinamento para lavar roupa, é ensinado como calcular a quantidade de produto a ser usada vezes o peso da roupa, quais são os produtos específicos para tecidos específicos, alcalinidade, Ph, solução química, temperatura de lavagem, nível de água para lavagem etc. Mas existem também cursos na ANEL, Associação Nacional das Empresas de Lavanderia”, complementa Cardoso.

Segurança no trabalho é fundamental
Outro fator imprescindível para o bom funcionamento de uma lavanderia própria de um hotel é a segurança dos funcionários direta e indiretamente. “Para toda e qualquer lavanderia é muito importante seguir as normas de segurança e utilizar os equipamentos de proteção individual (EPI´s) como luvas, protetores auriculares, redes de cabelo e, para manuseio de produtos químicos, o uso de máscara adequada e óculos de proteção. Outro ponto muito importante é a manutenção preventiva e limpeza dos equipamentos realizada pelos próprios operadores dos equipamentos”, enfatiza Paula, do Hotel InterContinental São Paulo. 
O processo de montagem de uma lavanderia completa exige alguns equipamentos, considerados essenciais, e diferem para o enxoval e roupas em geral. Para o enxoval é necessário que se tenha balança, lavadoras extratoras, secadoras, calandras e dobradoras. Já para as roupas de hóspedes e uniformes, etiquetadores, lavadora a seco, lavadora extratora, pequena secadora (para atender à lavadora extratora), mesas de passagem, prensas de acabamento e a vácuo, manequins e túneis de acabamento. A indústria nacional possui tecnologia de ponta para suprir as exigências do setor e compete em igualdade com os importados, mas acaba afetando no valor dos equipamentos e produtos. “As empresas do setor estão sempre buscando inovações, mas estas inovações muitas vezes acabam sendo um peso no preço final do equipamento, tornando muito difícil e desestimulado o investimento para aquisição por parte dos empreendimentos hoteleiros”, comenta Melissa, do Hotel Grand Hyatt São Paulo. 

Girbau é uma referência no mercado
A empresa espanhola Girbau, um dos maiores fabricantes de equipamentos de lavanderia do mundo, atua no Brasil oferecendo tecnologia de primeiro mundo com equipamentos com alta produtividade, baixo consumo de água e energia elétrica e um eficiente sistema de pós-venda. A empresa possui nove filiais comerciais em distintos pontos do mundo (Alemanha, Argentina, Brasil, China, Cuba, EUA, França, Emirados Árabes Unidos, U. K.), quatro centros de produções, uma rede de distribuição em mais de 90 paises, etc… Iniciou suas atividades no Brasil em 1997. Especializada na fabricação de maquinas industriais para lavanderias auto-serviço, comercial, industrial, hotéis, hospitais e também para uso doméstico. A empresa comercializa lavadora extratora, secadora, calandra, mesa de passar, prensa, manequim, introdutor, dobrador de toalha e uniforme, empilhador, empacotadeira, entre outros. “Nosso cliente nunca será um a mais, uma cifra ou mesmo um número de ficha, pois nosso compromisso pessoal nos impede de vê-los desta forma. Nós não vendemos equipamentos somente por preço, pois existe quem vende e quem venderá por preço, mas se quiséssemos competir em preço estaríamos nos enganando. Nós vendemos equipamentos com um alto valor agregado, evidentemente a um preço razoável, e nossos produtos se diferem pela personalização de projetos, garantias, serviço técnico, atenção ao cliente e prazos de entrega. Todos estes parâmetros fazem parte da nossa cadeia de valor, prova disto, é que mantemos estoque de peças para lavadoras que funcionam a mais de 20 anos. Somos capazes de fabricar lavadoras com vida útil a mais de 20 anos, então, não podemos dizer aos nossos clientes que não dispomos das peças que eles necessitam. A Girbau dispõe de certificados da empresa como: ISO 9001 – ISO 14001 – EMAS. Certificados dos produtos: CE (Europa), TUV GS (Alemanha), ETL (EUA), Energy Star (USA), Warnock Hersey (Canadá), Bureau Veritas (França), WRAS (UK), LGAIG (Espanha)”, explica Pablo D’ Ávila, Diretor da empresa no Brasil.

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image