Publicidade
Leceres

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 20 minutos
Estão previstos 124 novos empreendimentos  para entrar em operação no Brasil até 2026 com um investimento de R$ 5,3 bilhões na hotelaria 

Tem muitos fornecedores na hotelaria que ainda continuam reclamando que está ‘tudo parado, não se constrói hotel no Brasil e os gestores hoteleiros não estão comprando nada’ em razão da instabilidade provocada pela pandemia da COVID-19. É no mínimo equivocada essa visão, excesso de conformismo ou comodismo desses fornecedores. Muitos esquecem que a entrada em operação de um hotel é o final de um ciclo que pode levar anos e isso inclui o estudo de viabilidade econômica, a aquisição do terreno, a incorporação, a venda das unidades, a construção, implantação, treinamento da mão de obra e abertura em soft opening para testar todos os equipamentos. Como a grandiosa maioria dos hotéis construídos no Brasil são vendidos a investidores no modelo condo hotel, esse ciclo dura em media cinco anos. Então, os empreendimentos que já estavam em obras, mesmo demorando um pouco mais para entrar em operação por causa da pandemia da COVID-19, inevitavelmente entrarão em operação. Salvo algumas exceções em razão da realidade do mercado local ter mudado muito em relação ao estudo de viabilidade feito bem antes da pandemia, que era algo completamente desconhecido.

Publicidade
21 anos Revista Hotéis

 

A 16ª edição do Panorama da Hotelaria Brasileira que acaba de ser divulgada pela consultoria hoteleira HotelInvest, com o apoio institucional do FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, dá uma atualizada em como se encontra os investimentos no setor. O estudo faz também uma análise do desempenho agregado de 2021 e da média móvel mensal dos últimos três anos, mas vamos se ater somente na nova oferta em desenvolvimento. Estão previstos 124 novos hotéis, para o horizonte 2022-2026, em desenvolvimento no Brasil resultando em um total de R$ 5,3 bilhões em investimentos. A nova oferta foi divulgada por 14 redes e deve acrescentar 18.806 unidades habitacionais no País, concentradas, majoritariamente, nos segmentos econômico e supereconômico (58%). “Na edição anterior, de março de 2021, a projeção de nova oferta totalizava 147 hotéis. Destes, 13 foram cancelados e 12 entraram em operação. Sobre o saldo restante de 122 empreendimentos, soma-se dois novos contratos assinados até março de 2022. Logo, o total atualizado de hotéis em desenvolvimento no Brasil perfaz hoje 124 projetos. A queda de 16,5% (em números de UHs) no pipeline das redes é natural, uma vez que o desempenho dos hotéis se deteriorou e fez com que os investidores ficassem receosos de construir novos empreendimentos hoteleiros nos próximos anos”, explica a Consultora da Hotel Invest, Karen Mariano que conduziu esse estudo.

Ela lembra que as estimativas de investimento foram indicadas pelas redes participantes do estudo, e incluem o custo de construção mais o terreno. “Os números devem ser interpretados como uma ordem de grandeza, pois os valores informados foram apenas as estimativas iniciais, e não o total realmente investido. O segmento upscale/luxo continua a apresentar um volume expressivo de investimento, mesmo representando apenas 11% das novas UHs que entrarão no mercado nos próximos anos. Os investimentos nos hotéis de categoria supereconômica/econômica e midscale são maioria no pipeline das redes hoteleiras, perfazendo um total de quase 17 mil quartos”, destaca Karen.

Publicidade
Faitec

 

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Dos 124 novos hotéis previstos para serem construídos até 2026, São Paulo terá 41 (Foto – Divulgação)

Do ponto de vista geográfico, as regiões Sudeste e Sul (55%) e cidades com mais de 1 milhão de habitantes (35%) concentram a maior parte dos novos apartamentos. Ainda que as cidades de grande porte tenham ganhado representatividade, o interior continua sendo o principal eixo de desenvolvimento: 64% das novas UHs se encontram no interior, 31% nas capitais e 5% nas regiões metropolitanas.  As franquias continuam crescendo e representam 43% dos novos contratos, mas o modelo “administração” ainda é predominante com uma representatividade de 60%. “A nova oferta prevista até 2026 está distribuída por 93 cidades do País. As cidades com mais de 1 milhão de habitantes ganharam mais participação no desenvolvimento de novos hotéis. De 31% no ano passado, esse número passou para 35% nessa edição, sendo que as cidades dos demais portes se mantiveram estáveis ou com uma leve variação”, concluiu a Consultora Karen.

Publicidade
Soluções 1

Mesmo com as adversidades criadas pela pandemia da COVID-19, as principais redes hoteleiras, nacionais e internacionais que operam no Brasil, estão confiantes no momento de retomada, como a francesa Accor. “Estamos otimistas em relação as oportunidades de crescimento no Brasil. Para 2022 estimamos abrir 17 hotéis no País, como o Jo&Joe no Largo do Boticário no Rio de Janeiro (RJ), o By Mercure Manhattan Porto Alegre (RS) e o combo ibis e ibis budget em Balneário Camboriú (SC).  Hoje a Accor tem um pipeline de 81 hotéis na América do Sul, sendo 58 no Brasil e estamos confiantes em crescer e consolidar ainda mais presença”, revela Abel Castro, Vice-presidente sênior de Desenvolvimento de Novos Negócios Accor América do Sul.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Abel Castro: “Hoje a Accor tem um pipeline de 58 hotéis no Brasil a serem construídos nos próximos anos” (Foto – Danilo Borges)

Mesmo focando em conversões ou greenfield, a franquia continuará sendo o modelo de expansão da Accor no Brasil e Castro lembra o projeto batizado como 42k24. “Há dez anos tínhamos apenas 12% de quartos franqueados, hoje temos 43% e até 2024 esperamos ter mais de 50%. Além das franquias, outra estratégia da Accor em 2022 é ampliar o desenvolvimento em residências, aproveitando o portfólio das marcas fruto da joint venture com a Ennismore, como, Delano, SLS, Hyde, Tribe, entre outras.

Com essa transação com a Ennismore, foi criada uma das empresas de hospitalidade e estilo de vida que mais cresce no mundo, incluindo marcas com narrativa criativa, design e experiências autênticas, além da riqueza de conhecimento da Accor em entrega de escala, crescimento de rede e distribuição. Este é um segmento que tende a crescer de forma significativa nos próximos anos”, destacou Castro. Ele revela que Belo Horizonte será a primeira cidade no Brasil a receber a marca lifestyle Tribe. “Estamos trazendo ao Brasil o conceito de uma marca que tem como foco criar experiências personalizadas e flexíveis que oferecem tudo o que nossos clientes precisam”. A nova unidade contará com 79 quartos e suítes, restaurante, lounge bar e rooftop, salas de reuniões, fitness center e áreas de lazer. O projeto do hotel tem assinatura da Focus Arquitetura, com design de interiores de Beth Nejm, conhecida designer mineira por seus projetos arrojados e contemporâneos. O Tribe Belo Horizonte ocupará um prédio que antes pertencia ao Governo do Estado de Minas Gerais, localizado na Praça da Liberdade, lugar histórico que fica no coração da capital mineira. O hotel em frente ao Minas Tênis Clube, uma área popular de lazer e negócios.

Publicidade
Harus 1

 

Perspectivas otimistas

Ricardo Bluvol, Vice-presidente de Desenvolvimento da AHI – Atlantica Hospitality International também está bem otimista em relação a retomada do setor hoteleiro e crescimento nos próximos anos. “As perspectivas de retomada continuam positivas, com a recuperação das taxas de ocupação e diárias médias, impactando positivamente a confiança do investidor. O mercado segue apresentando boas perspectivas para o desenvolvimento de novos projetos. Continuamos com um pipeline bastante aquecido na frente de prospecção de novos negócios, tanto em projetos greenfield, como para conversões nos modelos administrado e franquia. O desenvolvimento hoteleiro no segmento de lazer também ganhou destaque no pós-pandemia e estamos sentindo um grande interesse de investidores neste perfil de hotel. Nesse contexto, estamos prevendo a assinatura de 24 novos contratos durante o ano de 2022.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Ricardo Bluvol: “As perspectivas de retomada continuam positivas” (Foto – Divulgação)

Publicidade
Clima ao Vivo

Outros dois segmentos que vêm surpreendendo positivamente em termos de projeção de novos contratos são: a vertical de studios com serviços (Atlantica Residences) e o segmento de multipropriedades, sendo este último, uma nova vertical de atuação da Atlantica em 2022”, adianta Bluvol.

Ele destaca que uma das apostas de crescimento da AHI é o portfólio robusto de marcas que desenvolve. “Essas marcas abrangem os mais diversos perfis e segmentos hoteleiros, que incluem, além das marcas Go Inn, e-Suites e Transamerica, uma forte e longeva relação de parceria com as principais redes mundiais, como: Choice Hotels, Hilton Worldwide, Radisson Hotels Americas e Wyndham”.

A ICH Administração de Hotéis, que também detém as marcas Yoo2 by Intercity e Tru by Hilton, colocou em operação no mês de abril uma unidade da bandeira Tru by Hilton na cidade de Criciúma. Para esse ano, tem prevista a abertura de mais três unidades, o Intercity Canoas (RS), Intercity Itapema (SC) e o Intercity Tatuapé que está previsto para entrar em operação em outubro na capital paulista. 

 

O luxo tem vez

A 16ª edição do Panorama da Hotelaria Brasileira mostra que a cidade de São Paulo terá 14 novos hotéis até 2026 e 2.943 UHs em desenvolvimento, sendo 61% da nova oferta do segmento econômico, 12% de midscale/Upper-Midscale e 28% são no segmento Upscale/Luxo. E o primeiro dessa leva de hotéis de luxo que entrará em operação na capital paulista será o Fasano que está sendo construído no Itaim Bibi e previsão de abertura no segundo semestre desse ano. O empreendimento ocupará um terreno de quase 5 mil m² na Rua Pedroso Alvarenga no Itaim Bibi. A localização é um dos diferenciais, pois estará próximo a importantes polos de negócios somado a sua infraestrutura de lazer e entretenimento para hóspedes e moradores. Além de uma imponente Torre Residencial, o Fasano Itaim contará com um Hotel e restaurantes. O escritório Aflalo/Gasperini em parceria com o Márcio Kogan serão os responsáveis pelo projeto de arquitetura e interiores, respectivamente e a abertura está prevista para 2022.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva de como será a fachgada do hotel Fasano Itaim que entra em operação nesse ano” (Foto – Divulgação)

Já na unidade do bairro Cidade Jardim, prevista para entrar em operação no próximo ano, o empreendimento será bem completo, pois reúne Clube, Hotel e Residências, conectado ao Shopping Cidade Jardim. O Hotel Fasano Cidade Jardim contará com 50 quartos e será conectado ao Shopping Cidade Jardim. Já o Fasano Residence está sendo concebido pelo escritório franco-brasileiro Triptyque Architecture, e também estará conectado ao Shopping Cidade Jardim. O empreendimento contará com uma ampla infraestrutura de lazer e serviços para toda família, incluindo um completo clube privativo concebido pelo escritório Obra Prima por Carolina Proto. São apartamentos com diversas opções de plantas e com a exclusividade dos serviços Fasano. Os Private Residences serão apartamentos de 200 a 700m² com acabamento completo e diferentes concepções de planta.

Outra bandeira de luxo que tem data prevista para entrar em operação na capital paulista em 2024 é a Westin, graças à parceria da rede de hotéis Deville e Marriott International. A marca Westin é focada no bem-estar e proporcionará experiências de qualidade superior para hóspedes brasileiros e internacionais em São Paulo. O hotel Westin São Paulo contará com 187 quartos e suítes e está sendo erguido no Itaim Bibi, fazendo parte do complexo de uso misto JK Square, que contará com duas torres, composta por um boulevard servido de lojas, escritórios corporativos e residenciais. O hotel ocupará os 15 primeiros andares de 24 pavimentos, de uma das torres do complexo.  O projeto apresenta um restaurante no segundo andar, um bar integrado ao saguão no primeiro e uma área de lazer no terceiro, incluindo piscina e sala de ginástica. Para eventos corporativos e sociais, o imóvel deverá contar com salas de conferências e reuniões de vários tamanhos para diferentes necessidades.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva do hotel Westin São Paulo (Foto – Divulgação)

O conceito do design arquitetônico foi desenvolvido pela KPF (Kohn Pedersen Fox). A incorporação e realização do complexo é da SDI Desenvolvimento Imobiliário (“SDI”), Incorporadora de reputação sólida na cidade com participação da Tellus Investimentos. O projeto JK Square deverá ser um polo de transformação para o Itaim. Ao lado do Parque do Ibirapuera e de importantes avenidas como a Juscelino Kubitschek e Av. Brigadeiro Faria Lima, trará a São Paulo um projeto inspirador de arquitetura internacional da KPF.

 

W Residences e W Hotel

O complexo W São Paulo é o primeiro do Brasil com a marca W, da Marriott International, trazido ao País por meio da parceria da Helbor Empreendimentos, HBR Realty e Toledo Ferrari Construtora e Incorporadora. Terá uma única torre com 45 pavimentos, sendo que o residencial (W Residences) tem suas 216 unidades e as áreas comuns dispostas até o 19º pavimento. A partir do 20º andar começam as estruturas do W Hotel, que possui 179 quartos de luxo, restaurantes, academia com terraço, sala de convenções, massagem, saunas e piscina coberta com terraço.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva do hotel W Hotel São Paulo (Foto – Divulgação)

Está sendo construído na Rua Funchal, 65 x Rua Helena, 270, na Vila Olímpia em São Paulo e o início de operação está previsto entre fim de 2023 e início de 2024. O projeto de arquitetura foi desenvolvido pela Aflalo & Gasperini, com arquitetura de interiores de autoria de Nini Andrade, trazendo elementos da cultura brasileira em sua decoração, e o paisagismo por Benedito Abbud. “Esta marca global representa exclusividade, o luxo moderno e os mais altos padrões de hospitalidade. Os exteriores arrojados do W Hotel & Residences São Paulo, planejados para serem projetados e construídos como uma obra de arte oferecerão acomodações exclusivas emparelhadas com uma cena movimentada em um dos endereços mais cobiçados de São Paulo”, André Agostinho, presidente da HBR Realty Empreendimentos Imobiliários.

UMusic Hotels

Outra bandeira ícone que deve chegar a capital paulista é da UMusic Hotels e o local onde será implantado, também é um ícone do esporte. Será no antigo tobogã do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, mais conhecido como Pacaembu. Esse espaço foi concedido à Allegra Pacaembu, que assumiu a gestão por um período de 35 anos e anunciou um acordo com a rede hoteleira UMusic Hotels, uma joint-venture entre a Universal Music Group e a Dakia UVentures, grupo de investimentos focada nos segmentos de entretenimento e hotelaria. O contrato prevê um investimento de R$ 100 milhões na construção desse hotel e um local que pode receber apresentações musicais, eventos corporativos e outras atividades de entretenimento acomodando cerca de 8.500 pessoas. O projeto que passará a se chamar Arena Pacaembu, está previsto para ser inaugurado em novembro de 2023 e a expectativa é que fortaleça as ações de negócios, turismo e entretenimento na cidade de São Paulo. A UMusic Hotels fará a gestão do hotel, dos espaços criativos e ativações de alimentos e bebidas. O projeto pretende transformar o local em um centro de atividades culturais, sendo o esporte e a música os carros-chefes do espaço. Além do hotel, o empreendimento vai contar com uma arena de e-Sports e um prédio com escritórios, restaurantes e lojas.

 

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

No antigo tobogã do estádio do Pacaembu será construído um luxuoso hotel (Foto – Divulgação)

Hotel Ba’ra

No próximo mês de outubro entra em operação na cidade de João Pessoa (PB) o luxuoso Ba’ra Hotel que terá projeto inovador no Nordeste, integrando natureza, tecnologia e muita inovação. O empreendimento é resultado da parceria entre a Construtora Massai e o jogador de futebol paraibano Hulk. Localizado no Cabo Branco, bairro nobre que se destaca por ser cercado de belezas naturais, o hotel está com obras em ritmo acelerado e deverá ser concluído nesse mês de maio. Assinado pela Plan B, escritório colombiano premiado internacionalmente, o hotel é resultado da união entre natureza e cultura. O projeto permite o contato entre os hóspedes por meio de pontes desenvolvidas entre as 124 suítes em formato de célula independente. Um encanto a parte, o hotel contará uma diversidade de plantas com variadas cores e texturas trazendo a colaboração perfeita entre a vista para o mar e o contato com a flora, proporcionando uma experiência única e inesquecível.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

As obras estão em estágio bastante adiantado com previsão de conclusão no próximo mês de maio (Foto – Divulgação) 

Kempinski Laje de Pedra

Com um investimento de cerca de R$ 540 milhões em curso, o antigo hotel Laje de Pedra em Canela (RS) dará lugar a um luxuoso empreendimento que será administrado pela mais antiga rede de luxo da Europa, a Kempinski. O plano de reestruturação do Laje de Pedra inclui uma importante remodelação e ampliação arquitetônica a fim de retomar sua posição de liderança na hotelaria de lazer do Brasil. Ao transportar seu espírito para o presente, após uma extensa modernização, o hotel conta com projeto de arquitetura assinado pela Perkins & Will, paisagismo de Sérgio Santana e arquitetura de interiores de Patricia Anastassiadis.

Em uma área total de 61 mil m², o hotel terá 357 apartamentos com tamanhos de 54m² a 290m². Entre as atrações estão quatro restaurantes e cinco bares internacionais com amplos terraços e vistas únicas, enoteca, rooftop bar com lareira aberta, teatro e área para eventos. Os hóspedes encontrarão entretenimento e descanso na academia de 1 mil m², sofisticado spa de padrão europeu, Kids Club e piscinas aquecidas. Salas de reuniões e conferências, bem como o teatro do hotel completam o projeto.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva de como será o Kempinski Laje de Pedra (Foto – Divulgação)

Além da operação hoteleira, o Kempinski Laje de Pedra contará com residências privadas ultra premium servidas por todos os serviços de um hotel cinco estrelas, incluindo a disponibilidade de mordomo, adega e garagem privativas individualmente fechadas para a segurança dos automóveis de luxo. Outro método inovador é o serviço de intercâmbio de propriedades de altíssimo luxo ao qual o Kempinski Laje de Pedra estará afiliado, que permitirá aos proprietários utilizarem sua propriedade em Canela em troca de estadias em propriedades de igual padrão em regiões nobres e atraentes em mais de 90 países.

Uma parte das residências do Laje de Pedra será comercializada pelo regime de propriedade compartilhada, que permitirá que, por exemplo, alguns apartamentos tenham quatro coproprietários com o potencial de uso de 13 semanas ao ano cada, tal como já amplamente utilizado no compartilhamento de jatos executivos, helicópteros e lanchas no público de alta renda. É o luxo compartilhado.

 

Resort de luxo no Litoral Sul de Alagoas

O Grupo Mercosul pretende implantar um resort de luxo no litoral Sul de Alagoas que vai demandar um investimento de R$ 80 milhões e o empreendimento deverá gerar cerca de 500 empregos diretos e 1.500 indiretos. De acordo com Renato de Paula, Diretor do Grupo Mercosul, o projeto do resort que terá padrão cinco estrelas, tem obras previstas para iniciar no segundo semestre deste ano e deverá entrar em operação em 2025. “Antes de escolher a região Lagoas, Rios e Mares para realizar esse investimento, percorremos grande parte do litoral nordestino. Mas nos encantamos com as belezas naturais e os potenciais do litoral Sul de Alagoas que somada a boa gastronomia, cultura e história, agregará muita visibilidade ao nosso empreendimento”, destacou Renato. Segundo ele, o resort vai contar com uma megaestrutura com áreas de lazer e apartamentos de luxo à beira-mar, vai revolucionar o mercado de trabalho no litoral Sul de Alagoas. Ainda não foi definida a bandeira e nem a administradora desse empreendimento.

Beach Park terá novo resort

Diante das projeções que apontam uma ocupação de 85% nos resorts da rede Beach Park, ela emitiu um CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliário em novembro de 2021 no valor de R$ 185 milhões e prazo de sete anos. Com isso, ganhou fluxo de caixa para investir em novas experiências aos clientes e isso inclui o Ohana Beach Park Resort. Ohana significa família no idioma havaiano e por isso ele está sendo planejado para suprir a demanda por uma hotelaria pensada para a família em um projeto único que une o rústico ao confortável. O resort que tem previsão de lançamento para o primeiro semestre desse ano, terá um total de 220 apartamentos que vem contará com elementos da cultura cearense presentes em sua arquitetura.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

O Beach Park terá em breve mais um hotel (Foto – Divulgação)

Além disso, neste ano o Beach Park lançará mais um resort, um segundo parque temático, um projeto de desenvolvimento urbano e um novo complexo que une hotelaria e parque com experiências interativas e educativas com o meio ambiente.

Rede hoteleira Axten terá unidade em Flores da Cunha (RS)

A hoteleira Axten que já possui duas operações no Rio Grande do Sul, uma em Caxias do Sul e outra em Antônio Prado, deverá concluir até o final de 2025 uma unidade em Flores da Cunha (RS). O projeto denominado Nova Aliança tem obras previstas para começarem no segundo semestre deste ano e exigirá R$ 40 milhões de investidores, como o ex-jogador de futebol e ex-capitão da seleção uruguaia Diego Lugano. O projeto contemplará além de um hotel, lojas comerciais, operações de saúde e o primeiro museu do vinho do Brasil. Ele deverá resgatar os traços da cultura dos imigrantes italianos e promover uma visão contemporânea do enoturismo local. A previsão é de gerar 100 empregos diretos e cerca de 400 indiretos. O hotel contempla restaurante, espaço fitness, piscina, centro de eventos e local para recreação infantil.

De acordo com Maurênio Stortti, CEO da M.Stortti Business Consulting Group, a rede optou em investir em mais um município da serra gaúcha devido ao crescente potencial turístico da região. “Temos certeza que, assim como os outros dois empreendimentos já inaugurados, esse também será exitoso”, afirma. Também está no plano de desenvolvimento da Axten unidades nas cidades gaúchas de Garibaldi, Gramado, Ametista do Sul e Cambará do Sul.

São Paulo terá dois hotéis Days Inn

Graças a uma parceria da Wyndham e a STX a capital paulista terá em breve mais dois hotéis padrão internacional da marca Days Inn by Wyndham. Os hotéis Days Inn by Wyndham São Paulo Perdizes e Days Inn by Wyndham São Paulo Vila Mariana se juntam ao portfólio da rede e totalizam três hotéis em aliança entre as empresas, o que reforça o compromisso da companhia no Brasil, onde já conta com 37 hotéis abertos e possui mais 11 aberturas previstas. A marca Days Inn by Wyndham é uma das maiores e mais reconhecidas marcas de hotel do mundo, com mais de 1.700 hotéis e presente em mais de 25 países. Os novos hotéis, em fase de construção, têm como principal característica a localização privilegiada na Cidade de São Paulo, nos bairros de Perdizes e Vila Mariana. O Days Inn by Wyndham Perdizes está sendo construído em frente ao Allianz Parque, um dos principais centros de eventos do país. O hotel contará com 349 apartamentos distribuídos em 17 andares e exigirá um investimento aproximado de R$ 150 milhões.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva da fachada dos dois empreendimentos que serão construídos na capital paulista (Foto – Divulgação)

Já o Days Inn by Wyndham Vila Mariana pretende ser um novo marco na arquitetura da capital paulista, localizado próximo ao maior centro financeiro do país, a Avenida Paulista, tendo no entorno shoppings e restaurantes e proporcionando fácil acesso a diversas regiões de São Paulo. O hotel contará com 270 apartamentos, distribuídos em 14 andares.

Holambra (SP) terá hotel de bandeira Royal Tulip

Em parceria com a BBC – Boulevard Business Incorporações e Construções, a rede Louvre Hotels Group-Brazil deverá colocar em operação nos próximos meses seu terceiro hotel da sua bandeira de luxo no País. O Royal Tulip Holambra está localizado em cidade homônima, no interior de São Paulo. O empreendimento fará parte de um complexo multifuncional chamado Boulevard Holambra, que terá ainda um centro de convenções, apartamentos para moradia e/ou longa permanência, entre outras facilidades. E será administrado pela Aros Hotéis e Resorts, empresa que nasceu da união de experientes executivos hoteleiros da Concierge Hotelaria com a Hotel College e possui clientes hoteleiros e empreendimentos turísticos por todo o Brasil, em diferentes categorias.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva da fachada do Royal Tulip Holambra (Foto – Divulgação)

A expectativa do lançamento do Royal Tulip Holambra para a cidade é percebida pelo mercado local como bastante positiva. Reconhecida nacional e internacionalmente por sua forte atuação na produção de variedades icônicas de plantas, além de ser responsável por 40% do mercado florista do país, o município recebe 1 milhão de turistas por ano e apresenta um dos melhores índices de qualidade de vida e de segurança do Brasil. “Levar a bandeira Royal Tulip para uma das cidades mais icônicas e turísticas do interior de São Paulo, apesar da pandemia, demonstra o quanto acreditamos na retomada do turismo brasileiro. O Royal Tulip Holambra estará pronto para atender aos clientes que buscam hospitalidade, excelência e sofisticação nas suas viagens a lazer e/ou trabalho, oferecendo uma opção de hospedagem de luxo diferenciada”, diz o CEO da rede no Brasil, Paulo Michel.

A proposta do hotel, que ocupará um terreno de 30 mil m², em um dos pontos mais altos e com vista panorâmica da cidade, é ter no mesmo lugar uma estrutura completa para atender a turistas, empresários e moradores. Para isso, o Royal Tulip Holambra vai oferecer três restaurantes (incluindo um na área da piscina) inspirados na gastronomia holandesa e contemporânea, três piscinas (adulto, infantil e outra com raia coberta e aquecida), áreas fitness e kids com monitoria, bicicletários, apartamentos e piscina adaptados para PCD – Pessoa com deficiência, terraço e estacionamento para hóspedes.

Complexo de R$ 11 bilhões em Maricá (RJ)

Apesar de embargos ambientais e questionamentos jurídicos, o complexo Maraey teve aprovação por parte do CONDIR – Conselho Diretor do INEA – Instituto Estadual do Ambiente para emissão da Licença de Instalação, que autoriza o início das obras. Será a primeira fase do projeto desenvolvido numa área de 845 hectares na Costa do Sol, em Maricá, a 45km do centro do Rio de Janeiro.

A primeira fase das obras será focada na urbanização e pavimentação de mais de 20km de estradas. O Maraey está sendo desenvolvido por uma empresa espanhola e prevê a construção de um campo de golf e quatro hotéis cinco estrelas e isso compreende: um luxuoso eco-boutique resort, um resort temático de ponta, um hotel desenhado para ser o mais icônico resort de convenções à beira-mar do País e o Maraey Golf Resort, ao redor de um campo de golfe sustentável de padrão internacional de 18 buracos. Uma vez concluído esse complexo ele poderá receber cerca de 300 mil turistas por ano.

Investimentos de R$ 5,3 bilhões até 2026 na hotelaria aquecem o setor

Perspectiva onde será implantado o complexo Maraey (Foto – Divulgação)

O investimento privado previsto para o empreendimento é na ordem de R$ 11 bilhões, com arrecadação de impostos de R$ 7,2 bilhões durante os primeiros 14 anos (construção e consolidação de vendas) e mais R$ 1 bilhão anual na operação. A previsão é de um aquecimento na economia da região, com a geração de 36 mil empregos quando Maraey estiver em pleno funcionamento.

O empreendimento, que terá a filosofia de uma Smart City, oferecerá ainda novas moradias de diferentes tipologias (multifamiliar, duplex e vilas) com serviços integrados como escola, hospital, shopping e negócios, além de inúmeras atividades de lazer e esportivas. Maraey inclui, também, uma universidade de hotelaria de padrão internacional, para posicionar Maricá como um polo de formação especializada na América Latina.

A preservação ambiental é um dos grandes alicerces desse empreendimento que adotará diversas estratégias relacionadas à conservação das águas. O projeto prevê o tratamento de todo o esgoto gerado no complexo com tecnologia terciária, que transforma o efluente em água de reuso em jardins, limpeza de áreas comuns, entre outros. Esse projeto deverá ser o primeiro destino turístico de iniciativa privada do mundo a assinar com o selo Biosphere na categoria de “Destino Turístico Sustentável”, concedido pelo RTI – Responsible Tourism Institute (RTI), uma organização que nasceu com um memorando de entendimento com a UNESCO. Somado a isso, será o primeiro complexo na categoria de uso misto a receber a pré-certificação Sustainable Sites Initiative na categoria Gold em toda a América do Sul.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Edgar J. Oliveira

Edgar J. Oliveira - Diretor editorial - Tenho 30 anos de formação em jornalismo e já trabalhei em grandes empresas nacionais em diferentes setores da comunicação como: rádio, assessoria de imprensa, agência de publicidade e já fui Editor chefe de várias mídias como: jornal de bairro, revista voltada a construção, a telecomunicações, concessões rodoviárias, logística e atualmente na hotelaria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA