Publicidade
Equipotel

Hotelaria terá que reinventar seu negócio para ser competitivo no acirrado cenário pós COVID-19

Artigo de Maarten Van Sluys*

Corria o último mês de março quando todos os segmentos do turismo nacional faziam análises do recém terminado período de carnaval. De forma geral a observação predominante é que tivemos uma performance apenas razoável, abaixo do ano anterior e aquém das expectativas. enfim o “ano corporativo” se iniciaria com projeções animadoras de uma continuidade no crescimento já observada ao longo de 2018 e 2019. Como que nos enredos de filmes mais trágicos, todos foram surpreendidos pela notícia da pandemia global declarada pela OMS – Organização Mundial da Saúde. Portanto, seria só uma questão de dias a chegada da COVID-19 ao Brasil e com ela o quase imediato desabamento de todas as estruturas da cadeia produtiva do turismo.

Muito já se falou e escreveu sobre os acontecimentos e sobre como será o “novo normal” da maneira que entendemos o turismo de lazer e de negócios. são profundas reflexões e tentativas de depreender cenários e curvas de retomada. Em todos eles há um consenso: teremos um árduo, longo e incerto caminho pela frente.

Publicidade
APP da Revista Hoteis

Para a hotelaria brasileira hoje, aparelhada com 43,2 mil meios de hospedagem entre hotéis, flats, pousadas, hostels etc. Suas mais de 1,1 milhões de UH´s e 2,5 milhões de leitos as perguntas que não quer e calar são: e agora? Como sustentar meu negócio em patamares viáveis? Como preservar os 583 mil empregos diretos e quase 2,5 milhões indiretos? Como ficarão os valores dos ativos? Empreendedores, entidades, gestores, analistas, dirigentes do segmento todos atônitos e em busca de soluções para resolver questões de curtíssimo, médio e quem sabe, de longo prazo. Medidas emergenciais dos governos foram imediatamente requeridas por todos mostrando uma fragilidade nata do setor em lidar com gestão de crises exógenas. o turismo é fornecedor de soluções para ambientes em equilíbrio. A história revela que em grandes distúrbios somos um dos elos mais frágeis da cadeia, o primeiro a parar e via de regra o último a retomar a normalidade. O “GAP” é grande e precisaremos definitivamente reinventar o negócio para, numa visão absolutamente “Darwiniana” conseguirmos sobreviver a esta ainda incomensurável crise.

O que se discute hoje é como preservar os 583 mil empregos diretos e quase 2,5 milhões indiretos  gerados no segmento hoteleiro- Foto: divulgação

De imediato a aderência as medidas provisórias publicadas e a legislação já existente trouxe algum alento. É notório que para a hotelaria seus prazos são insuficientes e seu escopo não abrangente para sustentar medidas a médio prazo. A opção de muitos hoteleiros independentes e redes foi encerrar as atividades provisoriamente. estima-se que aproximadamente 63% da oferta hoteleira do País esteja de portas fechadas seja por força de decreto ou por decisão de seus proprietários. um verdadeiro “Tsunami” se abateu sobre todos !!!

Publicidade
Harus

Neste momento trabalhamos todos na confecção de novos protocolos de serviços e estruturais que, uma vez bem concebidos e colocados em pratica assertivamente poderão representar a sobrevivência do meio de hospedagem. Não serão poucas as mudanças e os investimentos para adequar a hotelaria a expectativa dos viajantes pós-pandemia.

toda a atenção será destinada aos aspectos sanitários, evitara-se ao máximo o contato através do distanciamento social, áreas públicas (eventos e restaurantes) terão suas capacidades reduzidas e os modelos de serviços estão sendo redesenhados. Os hotéis em funcionamento terão vantagem cronológica pois estão já colocando em pratica suas inovações, a bem da verdade podemos dizer que está funcionando em modo marcha reduzida devido a baixíssima demanda. como será quando as ocupações aumentarem? Como acomodaremos as pessoas?

Com qual staff atenderemos a demanda hoje solicitada de alimentação nos apartamentos? Quais serão nossos gastos com insumos e embalagens, aumento exponencial de descartáveis? Falaremos de desinfecção de ambientes e não mais de limpeza ou higienização, isso implicará em massivos novos custos. novas legislações sanitárias, adicional de insalubridade aos colaboradores, descarte de resíduos, normas de produção e disponibilização (mise en place) de alimentos, novas normas de climatização de ambientes confinados, redução da capacidade de elevadores, distanciamento de funcionários, filas com afastamentos em lobby’s e restaurantes muitas vezes já mal dimensionados anteriormente.

Publicidade
Continuum

Hoje sobram perguntas e faltam muitas respostas. muitas redes nacionais e internacionais estão desenvolvendo materiais interessantíssimos sobre as COVID-19, todos serão adaptados a frente com base nas experiencias apresentadas no dia a dia dos hotéis.Como serão os voos entre as grandes cidades no futuro? e o cruzeiro marítimos, eles sobreviverão? quais os segmentos da hotelaria que se recuperarão mais rapidamente?

Os exemplos da China apontam claramente para uma regionalização do turismo de lazer, preferência para a hotelaria econômica (acirramento da guerra tarifária? sim ou não?) e também uma redução efetiva e duradoura do turismo de negócios. Nos tempos de reclusão social o home office ganhou espaço e notória eficácia. a tecnologia s tornou a aliada de primeira hora para sustentar negócios, trabalhar e interagir virtualmente numa troca nunca antes vista de informações e ideias. a tendência está traçada. empresas fecharão salas e escritórios dando ênfase ao trabalho remoto já regido em leis trabalhistas desde a mini reforma trabalhista de 2017.

O pós-pandemia será mais desafiador para o turismo e a hotelaria que o período atual. será a hora de separar “os homens dos meninos” no segmento. A hora da verdade (e das respostas impostas pelo mercado) se aproxima. Nunca como antes nós consultores fomos tão requisitados para redesenhar processos e pensar modelos acoplados as necessidades de primeríssima hora. Importante todos usarem o período intra crise para exercitar o ‘ócio criativo” visando encontrar soluções, desenvolver novas habilidades e acima de tudo: tomar as decisões que nortearão seu futuro como empreendedor ou gestor!

*Marten Van Sluys é Consultor Estratégico Senior com larga experiência no segmento hoteleiro. Contato: Fone: (31) 98756-3754 – E-mail: msluys@uol.com.br

Publicidade
RAP Engenharia

Comments

Avatar
Alcimar

Bom dia…
Foi comentado todo óbvio.
Mais perguntas, do que soluções ou até ações.
Apenas pra tomarmos uma atitude.
Isso tudo sabemos.

Avatar
Cynthia Margarone

Texto super interessante para um nova reflexão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA