HOME Matérias Aconteceu Expectativas da hotelaria no cenário nacional encerram o 2º dia do Conotel

Expectativas da hotelaria no cenário nacional encerram o 2º dia do Conotel

102
0
SHARE
Bob Santos, Manoel Linhares, Vanessa Pires Morales e Waldir Miguel (Foto: Hugo Okada)

Direto de Goiânia (GO) – Para encerrar o segundo dia de programação do 61º Conotel – Congresso Nacional de Hotéis, no Centro de Cenvenções de Goiânia, foi formada uma mesa de debate composta pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH Nacional, Manoel Linhares; pela presidente da ABIH-GO, Vanessa Pires Morales; pelo presidente da Nacional Inn Hotéis, Waldir Miguel; e pelo também empreendedor do segmento, Bob Santos.

O objetivo da mesa foi discutir as expectativas e anseios da hotelaria nacional frente ao atual cenário econômico-político. Manoel Linhares foi o primeiro a responder quais são as expectativas da hotelaria. “Há duas semanas estive reunido com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e uma das pautas foi a queda da ficha do check-in nos hotéis, que será substituída por um programa de útima tecnologia que protege os dados dos hóspedes e elimina a perda de tempo preenchendo fichas”, revelou Linhares. “Mas falando sobre a hotelaria, estamos sofrendo com a concorrência desleal dos aplicativos de hospedagem alternativa. Não somos contra o avanço da tecnologia, mas nós como geradores de empregos, segurança, sabemos a diferença entre um hotel regulamentado e uma casa de aluguel. Vamos ter no dia 23, outra reunião, que dessa vez terá a participação do deputado Herculano Passos, no auditório da Câmera. Ano passado, lutamos para a compra de nossa sede, lutamos pela realização do Conotel em Fortaleza e agora continuamos lutando e enfrentando gargalos, como o dos aplicativos, que acabei de mencionar”, complementou o presidente da ABIH Nacional.

Tributação

Waldir Miguel, do Nacional Inn, falou sobre os anseios em relação a competitividade e tributação. “Trata-se de uma guerra que está sendo travada há anos, e não atinge só a hotelaria, como também outros segmentos relacionados a ela. O hoteleiro não é um chorão, quem paga tem que chorar mesmo, porque estão sendo extorquidos. Pagar ao ECAD os direitos autorais é um absurdo, com quarto fechado, televisor desligado. Nós da hotelaria, que estamos pagando impostos em dia, e pagando os nossos colaboradores, vemos o aumento do aluguel de casas, que não oferecem nada do que os hotéis oferecem. Existem hotéis mais simples que não têm recursos para sua modernização e nós não podemos esquecê-los. Temos milhares de hotéis de uma estrela ou sem estrela alguma mas que pagam impostos”, disse Miguel.

De acordo com o presidente do Nacional Inn, ” a televisão é um item secundário nos apartamentos. Nem as crianças mais fazem uso dela, entretendo-se pelo celular ou pelo tablet”. Para Waldir Miguel, a hotelaria melhorou e continua melhorando ano após ano. “Qual mercado que não é concorrido e vai continuar concorrido? A saída é trabalhar mais um pouco”, observou o empreendedor.

Bob Santos também compartilhou sua visão sobre o cenário do turismo nacional. O profissional representou o Ministério do Turismo e o Embratur na ocasião. “Acredito que criamos novidades para o Turismo na transição do novo governo do presidente Bolsonaro. É um setor que merece nossa preocupação. Foi criada no Ministério do Turismo uma Secretaria de Tecnologia, para entendermos mais métricas e Big Data, inclusive. Inovação e tecnologia, que é o tema desse Conotel, é um dos focos do Ministério; um dos exemplos de como a tecnologia pode ser útil é na detecção de procurados pela lei em nível mundial. Estamos fechando parcerias com a Polícia Federal e órgãos internacionais para que essa detecção seja uma realidade. A recente liberação de vistos gerou um índice de aumento de 135% na compra de passagens oriundas do Canadá e mais de 50% oriundas dos Estados Unidos. Isso é bastante positivo”, afirmou.

Vanessa Pires Morales falou sobre o parque hoteleiro de Goiânia, composto por 18 mil leitos atualmente. “Perdiamos muitos eventos para outras cidades porque o custo de realização aqui era muito alto, portanto pedimos a redução do ISS à prefeitura. Fizemos eles entenderem que a médio e longo prazo isso seria benéfico em termos de recolhimento de impostos, e a aprovação foi dada. Vai entrar no orçamento de 2020 e deve potencializar a ocupação hoteleira na cidade porque com a diminuição da alíquota, novos eventos devem acontecer, afinal a cidade está pronta para recebê-los. A capacitação hoteleira continua sendo feita pela ABIH-GO. Além das palestras promovidas pela ABIH, fechamos uma parceria com o Senac. Incentivamos sempre a qualificação das equipes”, disse Vanessa. “O Ministério do Turismo possui cursos de qualificação online gratuitos. O acesso à informação e qualificação está muito facilitado, basta querer”, complementou a presidente da ABIH-GO.

Waldir Miguel tomou novamente a palavra e fez uma provocação: “Gostaria que entre os presentes, levantasse a mão quem é hoteleiro e teve algum apoio de prefeitura. Sou otimista, mas estamos vivenciando uma era de impostos altíssimos, o IPTU é absurdo. Espero que no futuro, tenhamos um cenário mais favorável para nossos filhos”.

Bob Santos encerrou falando sobre a importância do Cadastur: “Os empreendedores e hóspedes que se sentirem lesados podem fazer denúncias por meio do site do Ministério do Turismo. Basta informar que formaremos uma equipe e fiscalizaremos a região. O site do Ministério do Turismo está com uma linguagem intuitiva, nunca fechamos as portas para ninguém. A sala de espera da sede foi aumentada para o receptivo a vocês, e todos os programas do Ministério estão lá, todas as linhas de crédito estão disponíveis para os empreendedores que desejarem aderir”, disse Santos.

A reportagem da Revista Hotéis viajou a Goiânia a convite da ABIH Nacional e da Equipotel para a cobertura dos dois eventos.

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image