Publicidade
Leceres

Diária hoteleira no RJ não foi motivo de mudança da Feira das Américas

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 2 minutos

O  Presidente da ABAV Nacional – Associação Brasileira de Agências de Viagens, Antônio Azevedo reforçou agora à pouco os motivos  que levaram a entidade a trocar a cidade do Rio de Janeiro por São Paulo para a realização da Feira das Américas a partir do ano que vem. “Adotamos critérios técnicos e nos embasamos em pesquisas junto aos nossos associados. Numa delas, apuramos uma reclamação generalizada do preço de diárias praticadas pelos hoteleiros cariocas e todos sabem disto, menos o Alfredo Lopes”, assegurou Azevedo.

 

Esta menção foi feita em razão do manifesto divulgado por Alfredo Lopes, Presidente da ABIH/RJ – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro. Segundo Lopes, a “Feira das Américas estava indo para São Paulo não pelo preço das diárias, mas seguindo na contra mão dos maiores eventos internacionais, tornando-se apenas mais um entre as dezenas de eventos de interesse turístico sediado no estado de São Paulo”.

 

Lopes no manifesto informou que em 2011, houve uma negociação entre ABIH-RJ e a ABAV que possibilitou a utilização de uma tarifa acordo para os participantes da organização do evento de até R$ 250,00 para apartamentos na categoria econômica; até R$ 320,00 na categoria superior; até R$ 350,00 na categoria luxo; e, a partir de 400 na categoria superluxo. Azevedo disse que a tarifa mais barata apresentada pelos hoteleiros cariocas foi de R$ 300,00 para hotéis padrão econômico e que a ABIH-RJ não ofececeu nenhuma cortesia para a imprensa cobrir o evento e que esta também foi uma reclamação dos associados.

 

Outro motivo de descontentamente da permanência da feira das Américas no Rio de Janeiro foi feito pelo Diretor da ABAV para o Caribe, Ricardo Romam.  “A empresa que detém a concessão do Riocentro nos cobra R$ 88 mil pela equipe médica que fica de plantão para atender alguma emergência. Se nós contratássemos uma empresa de altíssimo padrão nos serviços vindo de São Paulo com ambulâncias e toda uma equipe de profissionais, o valor seria de apenas R$ 45 mil. Ou seja, quase a metade do valor, mas somos proibidos de contratar este serviço”, revelou Romam.

______________________________________________________________________________________________
Informação em tempo real! 

· Facebook, clique aqui e curta a nossa página
· Twitter, seja nosso seguidor! www.twitter.com/revistahoteis 

______________________________________________________________________________________________

Publicidade
21 anos Revista Hotéis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA