HOME Matérias Aconteceu Desvendando o Marketing Digital foi tema de palestra no 61º Conotel, em...

Desvendando o Marketing Digital foi tema de palestra no 61º Conotel, em Goiânia

60
0
SHARE
Edu Costa (Foto: Hugo Okada)

Direto de Goiânia (GO) – Edu Costa, especialista em Marketing Digital, apresentou a palestra “Desvendando o Marketing Digital Para Aumentar Suas Reservas” no 61º Conotel – Congresso Nacional de Hotéis, evento que encerra a sua programação nesta sexta-feira (10). O palestrante é consultor no tema e já atendeu importantes redes hoteleiras como o Club Med. Sua apresentação foi norteada pelas tendências digitais no setor de Vendas na hotelaria e as práticas para a maior visibilidade dos empreendimentos na web.

Costa começou usando uma brincadeira como alusão da importância dos hotéis terem um posicionamento “de primeira página” no Google. “Costumo dizer que o melhor lugar para esconder um corpo é na segunda página da pesquisa do Google porque ninguém vai lá”, disse o especialista.

Para Edu Costa, o cliente não tem mais o perfil passivo de outrora, quando era bombardeado de informações por meio do rádio e da televisão. “Hoje os clientes querem ter o poder em mãos, poder de decisão e são muitas as formas que ele têm para conseguir o que procura. O Google é poderoso nesse sentido porque até para telefonar para uma agência, consulta-se nele o número da mesma”, explicou.

Segundo ele próprio, tudo começa com a priorização das necessidades. “É como uma pirâmide, onde a base é composta pela Fisiologia: comer, beber, cuidar da saúde. Mas hoje em dia embaixo da base, em uma proporção maior, está: bateria e Wi-Fi. Você fica sem comer, mas não fica sem sinal”, afirmou o palestrante, arrancando risos da platéia, que concordou com a sua ilustração.

Costa afirmou que atualmente os hotéis pecam por criar estratégias sem eficácia porque não miram um público-alvo. “Os hóspedes precisam encontrar você. Numa recente pesquisa, coloquei no Google a seguinte busca: ‘hotéis no Rio de Janeiro’. O último resultado foi um hotel na zona sul. Último. Enquanto isso, as OTA´s estão investindo bilhões em comunicação e visibilidade nas buscas do Google”, revelou.

Testes

De acordo com o palestrante, os hotéis precisam criar uma mentalidade de testes. “Se der certo, implemente, se não, melhore. Enquanto estamos falando, milhares de empresas estão fazendo testes para descobrir, por exemplo, se o botão verde resulta em mais reservas do que o azul. Precisamos colocar as ideias em prática para sabermos se elas funcionam”, ensinou Costa.

De acordo com o palestrante, “hoje as empresas comunicam tudo para todos na esperança de atrair alguém. Isso é um erro crasso de estratégia. Na hospitalidade é preciso levantar informações por meio de pesquisas. O conteúdo é a moeda do século XXI. Consumimos conteúdo o tempo inteiro e precisamos pensar em criar conteúdos para fazer o cliente entrar em nosso funil de vendas”.

Outra advertência interessante trazida por Costa foi a presença de conteúdo turístico “do que fazer em Goiânia (cidade sede do Conotel em 2019)” em sites de segmentos diferentes, que não têm relação com a hospitalidade ou o turismo. “Achei dicas do que fazer em Goiânia em um site de uma empresa de construção. Por que não achei isso em um site de um hotel da cidade? Hoje, por exemplo, as pessoas estão resistentes ao Marketing de Interrupção. O Marketing de Interrupção é aquele que, quando você está lá ouvindo uma música no dispositivo, é interrompido por um anúncio. Pode ser desagradável? Sim, mas por que não utilizar isso em favor do seu negócio?”, indagou.

Costa também mostrou na sua apresentação, questões para a reflexão dos hoteleiros, como “que tipo de ação você pode fazer para trazer novos visitantes e fazer com que mais pessoas conheçam seu hotel?”, “que tipo de ações você pode fazer para manter sua base engajada ativa, construindo relacionamento com sua marca?”, entre outras.

O consultor também apontou a importância do site como aliado nas vendas de um empreendimento: “Não adianta o hotel querer vender, desempenhar bem se não tem um site bom. O site é seu melhor vendedor, não recebe décimo-terceiro, não tem férias. Um site responsivo e com motor de reservas eficiente é essencial. Há de se preparar um site que atenda demandas, necessidades e que esteja bem posicionado no Google”, observou.

A reportagem da Revista Hotéis viajou a Goiânia a convite da ABIH Nacional e Equipotel para a cobertura dos dois eventos.

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image