HOME Matérias Aconteceu CONEX 2013 debateu cenários futuros da hotelaria brasileira pós grandes eventos

CONEX 2013 debateu cenários futuros da hotelaria brasileira pós grandes eventos

20
0
SHARE

Direto de Belo Horizonte – O Presidente da ABIH – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Enrico Fermi, participou agora à pouco de um debate no CONEX 2013 – II Congresso Mineiro de Hotelaria e Feira de Negócios, onde foi apresentado os cenários futuros da hotelaria brasileira pós grandes eventos. O CONEX 2013 acontece até amanhã sexta-feira (1º de novembro) no Centro de Eventos Minascentro, em Belo Horizonte, com realização da Tecnitur, apoio de diversas entidades do setor, como a ABIH/MG, e a Revista Hotéis como Mídia Oficial.

 

Este debate contou também com as presenças de Patrícia Coutinho, Presidente da ABIH-MG, José Cosme, Diretor do SINDHORB-MG, Camilo Fraga Reis, Secretário de assuntos extraordinários de Belo Horizonte para a Copa do Mundo e Paul Whelan, Gerente do escritório da Match no Brasil, empresa que representa a FIFA na negociação de diárias hoteleiras. Cristiano Lopes foi o mediador deste debate.

 

O Presidente Fermi destacou o bom momento que a hotelaria nacional está vivendo graças à estabilidade da economia e a melhor redistribuição de renda. Isto possibilitou a população de baixa renda viajar de avião e utilizar os meios de hospedagens tradicionais, mas que isto está gerando alguns gargalos em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, onde é difícil reservar hotéis.

 

A necessidade de renovação do parque hoteleiro de cidades como Natal, no Rio Grande do Norte, foi lembrada por Fermi, assim como a superoferta hoteleira de Belo Horizonte que ele comparou com a mesma situação vivida pela cidade de São Paulo, na década de 90. “A entrada das grandes redes hoteleiras em São Paulo exigiu uma readequação e posicionamento dos meios de hospedagens existentes, gerando com isto, a mais moderna hotelaria no Brasil. Acredito que isto deverá acontecer também em Belo Horizonte e quem ganhará com isto serão os hóspedes que terão equipamentos modernos para optarem em fazer reservas”, assegurou Fermi.

 

Vontade política para resolver simples problemas, como mobilidade urbana, oxigenação dos destinos também foram lembradas por Fermi. “Nossos governantes necessitam criar condições de mobilidade urbana e uma boa infraestrutura para receber os turistas, pois estes serão grandes legados para os pós eventos que o País irá sediar”, concluiu Fermi.

 

Para Paul, ninguém pode construir hotéis visando atender apenas às necessidades da Copa do Mundo, mas sua preocupação maior é em relação aos investimentos que deverão ser feitos na qualificação da mão de obra para receber bem os turistas. “É necessário que os turistas possam contar com equipamentos hoteleiros modernos e mão de obra qualificada para receber bem os turistas, pois o Brasil estará nos holofotes das grandes mídias e este legado deve ser aproveitado para atrair turistas pós evento”, analisa Paul. Para finalizar, ele desejou boa sorte para Belo Horizonte no sorteio das chaves para a Copa do Mundo de 2014, que será feita no próximo dia 6 de dezembro, no Complexo de Costa do Sauípe, e que grandes seleções joguem na capital mineira.

 

A presidente da ABIH/MG, Patrícia Coutinho manifestou preocupação em relação aos novos hotéis que estão sendo construídos na Região Metropolitana de Belo Horizonte que segundo estimativas mercadológicas somam um montante de 42 novos hotéis. “Se estes novos hotéis entrarem em operação, o número de unidades habitacionais deverá aumentar 50%, mas acredito que no máximo 27 hotéis entrem efetivamente em operação. Mesmo assim, haverá uma grande demanda hoteleira, mas com a ampliação do Centro de Eventos Expominas e a adequação do calendário de eventos da cidade de Belo Horizonte, haverá uma adequação do setor”, acredita Patrícia.

 

José Cosme, representante do SINDHORB-MG, destacou que é necessário que o calendário de eventos de Belo Horizonte seja melhor organizado para evitar que num curto período ocorra vários eventos o que sobrecarregue a capacidade da hotelaria na capital mineira e lembrou que: “A Copa do Mundo deverá atrair o mesmo número de turistas estrangeiros que no mesmo período de quatro anos. Isto exigirá muito da hotelaria de Belo Horizonte”.

 

O Secretário Reis afirmou que o novo centro de eventos que a Prefeitura de Belo Horizonte pretende construir na Av. Cristiano Machado é um processo de Parceria Público Privada e que isto demanda um tempo para ser concretizado. “Nossa expectativa é que este projeto seja finalizado em breve e que Belo Horizonte tenha mais um grande equipamento para eventos para melhorar ainda a performance hoteleira”, revelou Reis.

 

Segundo ele, as negociações para atrair e sediar seleções que vão jogar a Copa do Mundo no Brasil, como a da Argentina, estão em negociações bem avançadas e ele torce para que esta seleção, assim como outras grandes possam ser sorteadas no grupo de Belo Horizonte.  “Tanto o Atlético como o Cruzeiro possuem modernos centros de treinamentos e Belo Horizonte oferecerá uma excelente infraestrutura hoteleira. Com isto teremos uma grande exposição na mídia mundial para alavancar a imagem de Belo Horizonte e atrair muitos turistas no pós copa, assim como aconteceu em outras cidades. Segundo pesquisa, houve um crescimento de 8,5% da rede hoteleira da Alemanha no pós copa e 83% dos visitantes voltariam a África do Sul. Queremos que o legado da Copa do Mundo internacionalize Belo Horizonte”, conclui Reis. 

 

A reportagem da Revista Hotéis viaja e se hospeda a convite da Tecnitur para cobrir o CONEX 2013

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image