HOME Matérias Aconteceu Captação de clientes de timeshare é debatido na 6ª edição do Top...

Captação de clientes de timeshare é debatido na 6ª edição do Top Seller Event

33
0
SHARE
Rogério Calado, Diretor de vacation do Enotel Resort foi o moderador desse painel

Direto de Florianópolis (SC) – Esse painel terminou agora a pouco na 6ª edição do Top Seller Event que está acontecendo desde ontem no espaço Tuguá, no Costão do Santinho Resort Golf & Spa, em Florianópolis (SC).  Rogério Calado, Diretor de vacation do Enotel Resort foi o moderador e contou com a participação dos gestores, Valdeir Gonçalves (Bira) do Costão do Santinho, Joaquim Neto (Tendência), Marco Vargas (New Time) e Rafael Almeida da MVC.

Valdeir Gonçalves iniciou os debates lembrando que era líder da equipe de lazer Boto do Rio Quente Resorts e resolveu entrar há 19 anos para a indústria de timeshare. “Na época essa indústria estava engatinhando e não havia referências e tampoucos profissionais disponíveis com a devida qualificação. Foi um trabalho árduo encontrar indivíduos e treiná-los para alcançarem cargos de lideranças, mas a base, que é a captação, eles já possuíam, e isso facilitava bastante desenvolver suas qualidades.

Rafael Almeida da MVC e Joaquin Neto da Tendências

Joaquim Neto lembrou que o modelo de timeshare oferece três desafios: captação, sala de vendas e pós-atendimento. A captação segundo ele, é o pilar dessa indústria. Rafael Almeida lembrou que a captação foi tratada muitos anos como serviço complementar e não tinha o reconhecimento da indústria, mas a captação é a base dessa indústria. Mas lembrou que muitos captadores não agem com a devida lisura, pois querem colocar casais a todo custo na sala de vendas, mas nem sempre falam a verdade aos clientes e compromete os serviços e imagem da empresa. “Muitos captadores fazem bicos e fica difícil exigir um comprometimento maior. Por isso é imprescindível a profissionalização”, assegurou Neto.

Marco Vargas disse que a indústria do timeshare não dá o devido valor e reconhecimento aos captadores, pois os incentivos e comissões ainda são mais baixos. “Muitos captadores não são encorajados para mudarem de cargos, pois se sentem incapazes de crescer profissionalmente. Nós na New Time criamos planos de carreira e damos muita importância a captação que em algumas empresas são consideradas como custos”.

Rogerio Calado no centro da foto, ladeado por Valdeir Gonçalves (Bira) do Costão do Santinho e Marco Vargas (New Time)

Para quebrar as resistências de clientes que não querem nem conhecer o produto, Rafael disse que a qualidade e sensibilidade do captador é importante. “A abordagem é imprescindível e quando ela é feita por um profissional de uma maneira alegre e feliz, aumenta as chances de vendas”.

A reportagem da Revista Hotéis viaja a Florianópolis e se hospeda no Costão do Santinho a convite da RCI Brasil para cobrir esse evento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image