Publicidade
Leceres

Brasil terá 124 novos hotéis até 2026 e investimentos de R$ 5,3 bilhões

O Dia e horário dessa postagem está no final, assim como nome do autor. O tempo estimado de leitura é de 3 minutos

A nova oferta de hotéis foi divulgada por 14 redes e deve acrescentar 18.806 unidades habitacionais no País, concentradas, majoritariamente, nos segmentos econômico e supereconômico (58%)

Esse é um dados que acaba de ser revelado pela 16ª edição do Panorama da Hotelaria Brasileira acaba de ser divulgada pela consultoria hoteleira HotelInvest, com o apoio institucional do FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil. O estudo vai além da análise do desempenho agregado de 2021 e da média móvel mensal dos últimos três anos, pois revela ainda a nova oferta em desenvolvimento.

Com o avanço da vacinação no Brasil e no mundo e consequente relaxamento das medidas restritivas, o fluxo de viajantes e a ocupação dos hotéis começou a se intensificar, ainda que de forma tímida, a partir de junho de 2021, com destaque para o último trimestre. No agregado anual do desempenho dos hotéis do Brasil, 2021 teve um aumento de 50,4% na ocupação em relação ao primeiro ano da pandemia. A diária média, por sua vez, sofreu uma retração de 6,2%. Ainda assim, o RevPAR conseguiu crescer 41%, impulsionado, principalmente, pelo aumento de ocupação no 2º semestre, pulando de R$ 68 para R$ 96.

Publicidade
Clima ao Vivo

Brasil terá 124 novos hotéis até 2026 e investimentos de R$ 5,3 bilhões

O gráfico mostra que o segmento upscale/luxo continua a apresentar um volume expressivo de investimento Imagem – Estudo HotelInvest

Dentre as capitais analisadas, apenas duas apresentaram um RevPAR próximo ao observado em 2019, Goiânia com R$ 134 e Vitória com R$ 141 (ambas 92% mais próximas do ano pré-pandemia). Já São Paulo e Porto Alegre possuem o RevPAR mais distante, tendo recuperado apenas 37% e 50%, respectivamente, do índice visto em 2019.

Quando comparamos os anos de 2021 vs. 2020, dentre as cidades que apresentaram maior crescimento no RevPAR estão Goiânia, com aumento de 97%, e Brasília, que apresentou variação positiva de 68%. Essas mesmas capitais também são as que tiveram maior aumento de ocupação, 83% em ambas. Com relação à diária média, Goiânia teve o maior crescimento de tarifa, 8%, e Vitória se destacou na segunda posição, com aumento de 6%.

Brasil terá 124 novos hotéis até 2026 e investimentos de R$ 5,3 bilhões

Esse gráfico mostra que a taxa de ocupação cresceu, mas a diária média caiu – Imagem – Estudo HotelInvest

Publicidade
Faitec

Nova Oferta

O Panorama também destaca os investimentos previstos para o horizonte 2022-2026, incluindo período de abertura, perfil dos produtos e o volume de investimentos. São 124 hotéis em desenvolvimento no Brasil com abertura prevista até 2026, resultando em um total de R$ 5,3 bilhões em investimentos.

A nova oferta de hotéis foi divulgada por 14 redes e deve acrescentar 18.806 unidades habitacionais no País, concentradas, majoritariamente, nos segmentos econômico e supereconômico (58%). Do ponto de vista geográfico, as regiões Sudeste e Sul (55%), e cidades com mais de 1 milhão de habitantes (35%) concentram a maior parte dos novos apartamentos. Ainda que as cidades de grande porte tenham ganhado representatividade, o interior continua sendo o principal eixo de desenvolvimento: 64% das novas UHs se encontram no interior, 31% nas capitais e 5% nas regiões metropolitanas. As franquias continuam crescendo e representam 43% dos novos contratos, mas o modelo “administração” ainda é predominante com uma representatividade de 60% dos novos hotéis.

Brasil terá 124 novos hotéis até 2026 e investimentos de R$ 5,3 bilhões

Foi feita um amplo estudo para chegar a essas conclusões –  Imagem – Estudo HotelInvest

Publicidade
Soluções 1
Desafios do setor

O grande desafio da hotelaria brasileira nesse momento de retomada é a recuperação das diárias. Distantes dos níveis pré-pandemia – apenas duas capitais estão próximas dos patamares registrados em 2019 – os hotéis ainda sofrem com o aumento dos principais itens de custo operacional, como utilidades, A&B e folha de pagamento. Os resultados, portanto, ainda estão deprimidos e longe de recuperar o prejuízo acumulado dos últimos dois anos.

Publicidade
Anuncie conosco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image

CLICK AQUI PARA ESCOLHER O IDIOMA DA LEITURA
error: ARQUIVO NÃO AUTORIZADO PARA IMPRESSÃO E CÓPIA