HOME Matérias Especial Hotelaria brasileira vive melhor momento dos últimos anos

Hotelaria brasileira vive melhor momento dos últimos anos

A maioria dos hotéis do Brasil tiveram uma excelente performance em 2010 e a expectativa é que o crescimento se acentue ainda mais nos próximos anos

220
0
SHARE

Enquanto a maioria dos resorts no Brasil sofreram em 2010 com a concorrência dos cruzeiros marítimos, com a queda do dólar e a maioria está apresentando resultados financeiros muito próximos ao ponto de equilíbrio que é de 50% na taxa de ocupação anual, o restante da hotelaria nacional está vivendo seu melhor momento nos últimos anos com recordes em desempenho. A estabilidade econômica, as linhas de financiamento para modernizar e ampliar novas unidades, a melhora progressiva nos serviços e os grandes eventos que o País vai sediar nos próximos anos são alguns dos motivadores de que este crescimento se manterá nos próximos anos. Independente da bandeira, seja econômica, superior ou mesmo luxo, 2010 foi um grande ano para a hotelaria nacional e os resultados apareceram no Brasil inteiro.

A hotelaria pernambucana fechou 2010 com uma taxa média de ocupação em torno de 95% e a expectativa é crescer ainda mais este ano. “Este ano certamente será marcado por bons resultados para os hotéis e pousadas de Pernambuco. Esperamos mais uma vez o crescimento nas ocupações e nas receitas operacionais em todas as regiões do Estado, tanto na capital, o Recife, como também no Litoral Sul e Interior pernambucanos. Certamente a ocupação média superará os 95% alcançados em 2010 e chegará próximo aos 100%”, assegura José Otávio de Meira Lins, Presidente da ABIH-PE —Associação Brasileira de Indústria de Hotéis e do Recife Convention & Visitors Bureau. Segundo ele, um dos fatores decisivos para a evolução constante na procura pelo Recife e por todos os destinos em Pernambuco deve-se à mistura balanceada dos diversos segmentos da atividade turística. “Somos um dos principais destinos para lazer, negócios e eventos, ingredientes de sucesso para a receita do bolo. Os equipamentos hoteleiros comemoram a manutenção de um momento que tem tudo para durar pelo menos mais cinco anos no Estado”, assegura Lins.

Resorts na contramão da crise
Os bons ventos que sopraram na hotelaria pernambucana também passaram pela capital potiguar. O Grupo Catalão Serhs, encerra 2010 com resultados surpreendentes e uma expectativa de crescer no Brasil. O Serhs Natal Grand Hotel (Foto), localizado na Via Costeira, em Natal (RN), apresentou um crescimento recorde em 2010. O resort ampliou em 21,37%  sua  ocupação e em 25,3% sua receita de hospedagem com relação a 2009. “Nosso trunfo segue sendo o segmento de venda direta com crescimento de 26%, principalmente as vendas on-line, que cresceram 34% em 2010. Estamos sempre investindo nesta área”, afirma o Diretor geral do Grupo Serhs no Brasil, Ernest Guitart. De acordo com a Diretora de vendas, Mariana Mello, o segmento de lazer nacional foi onde o Serhs Natal Grand Hotel mais cresceu com 30%. “Neste segmento, buscamos trabalhar novos mercados, expandindo nossa rede de relacionamentos com agentes e fortalecendo nossas parcerias com grandes clientes”, completa Mariana.
A rede Iberostar Hotels & Resorts fechou 2010 no Brasil com uma boa performance. O Complexo na Praia do Forte teve um crescimento de 9% no faturamento e 3%. em ocupação. Já a unidade Grand Amazon teve aumento de 20% no faturamento e de 9% na ocupação. Quase 500 mil pessoas se hospedaram nas propriedades em 2010. A hospedagem nacional continua crescendo e representa 89%, mostrando a força crescente do mercado interno. Os hóspedes internacionais tiveram um decréscimo de 3% e, em 2010, representaram 11%, sendo que 64% são provenientes da Europa. No mercado nacional, o maior emissor é São Paulo, com 21%, seguido por Minas Gerais (10%) e Rio de Janeiro (8%).
Outro resort que comemora a ótima performance em 2010 é o Rio Quente, em Goiás. “Nosso balanço ainda não está fechado, mas tudo indica que devemos fechar 2010 com uma taxa média de ocupação acumulada de 82% e um faturamento em torno de R$ 250 milhões. Levando em consideração a queda do dólar que fez com que muitos brasileiros viajassem para o exterior, como Orlando, Buenos Aires, Caribe ou mesmo Europa e o crescimento dos cruzeiros marítimos, devemos comemorar em muito estes resultados, pois eles estão muito acima da média do segmento no Brasil”, destaca o Diretor de Experiência Marketing e Vendas do complexo, Manoel Carlos Cardoso.

Schmidt: "Em 2010, a rede Plaza teve o melhor desempenho da década, sem dúvida nenhuma"
Schmidt: “Em 2010, a rede Plaza teve o melhor desempenho da década, sem dúvida nenhuma”

Crescimento no Sul
Se nas regiões, Norte, Nordeste e Centro-oeste do Brasil a taxa de ocupação hoteleira de 2010 foi alta em vários empreendimentos, no Sul também não foi diferente. A cidade de Gramado registrou um incremento de 12% no número de visitantes no ano de 2010, recebendo mais de 3 milhões e 400 mil visitantes e a taxa de ocupação média nos hotéis ficou em 82%. A rede gaúcha Plaza também teve um ótimo desempenho em 2010, principalmente pelo crescimento do número de eventos, congressos e seminários que movimentou a hotelaria da Capital gaúcha em 2010. “Foi um ano muito especial, um dos melhores da década, sem dúvida nenhuma. Esta movimentação interessante pode ser atribuída ao momento da economia. Com estabilidade, avanços e progressividade constante, todos os setores saem lucrando, inclusive a hotelaria. Há uma maior movimentação de executivos, mesmo que as novas tecnologias resolvam muitos problemas sem viagens, mas existem eventos que exigem presença”, lembra Carlos Henrique Schmidt, Diretor superintendente da Rede Plaza de Hotéis.
Schmidt espera que 2011 registre incremento de negócios e eventos. “Assim, vamos avançar mais ainda. Nossos hotéis estão em obras para a Copa de 2014 e continuarão cumprindo suas obrigações de atender com qualidade”, afirma. O dirigente diz que os trabalhos que vêm sendo feitos por entidades do setor – como Convention Bureau e ABIH-RS – também estão apresentando bons resultados. “Nosso objetivo é ter turismo de negócios e de eventos nos 12 meses do ano. Precisamos encontrar soluções para os meses de janeiro e fevereiro, que são sempre críticos para a hotelaria. O desenvolvimento de estratégias novas nos últimos dois anos, porém, já começou a surtir efeitos. E esperamos que avancem com o decorrer do tempo”, aposta.

Boa performance da hotelaria de luxo
O Sheraton Porto Alegre Hotel, um dos ícones da hotelaria de luxo na capital gaúcha encerrou 2010 com o melhor resultado da sua história, iniciada em julho de 2001. A taxa de ocupação do hotel foi de 70%, o que representou um aumento de 16% em relação a 2009. O faturamento do Hotel cresceu 20% em relação à 2009, atingindo um lucro operacional de 40%. A diária de hospedagem teve um acréscimo de 6%, enquanto a receita de hospedagem  teve uma evolução expressiva de 34%. Já o Sheraton Rio Hotel & Resort, na Zona Sul do Rio de Janeiro, termina o ano de 2010 com resultados muito positivos e sinais de melhorias em comparação aos últimos dois anos. Houve um crescimento de 23% na ocupação, 11% na diária média e 6% no faturamento comparado com o ano de 2009. Houve também um maior número de eventos corporativos que no ano passado e o regresso de eventos de incentivos internacionais, gerando um crescimento de 32% neste segmento, se aproximando aos resultados de 2008 que foi um ano muito positivo para o Rio de Janeiro.
Outro hotel de luxo que obteve uma ótima performance em 2010 foi o Grand Hyatt São Paulo que encerrou 2010 com aumento de 16,5% no faturamento e 6,4%. em ocupação. Quase 150 mil pessoas se hospedaram no hotel em 2010, a hospedagem internacional voltou a crescer, uma boa recuperação após a crise econômica do ano anterior. Em números gerais, o movimento internacional respondeu por 62%, enquanto o doméstico respondeu por cerca de 38%. Com a boa performance, a expectativa de crescer em outras regiões levou a Rede Hyatt a compra de um terreno frente-mar de 46.000 m2 na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, para a construção de um hotel categoria Grand Hyatt de 408 apartamentos. Este será o segundo empreendimento do grupo no Brasil. Ele ficará localizado diretamente em frente à praia da Barra da Tijuca, terá dois restaurantes, um lounge / bar, bar à beira da piscina, pâtisserie, academia e spa, além de um salão de convenções de 900 m², com 1.300 m2 adicionais de espaços para reuniões e eventos.
Se a rede Hyatt aposta na cidade do Rio de Janeiro com um futuro promissor, alguns hotéis de luxo continuam colhendo bons frutos de estarem situados na principal “porta de entrada dos estrangeiros” no Brasil. Um bom exemplo é o Ipanema Plaza Hotel que só teve motivos para comemorar em 2010. O hotel fechou o ano com ocupação acumulada de 90,78% e diária média em torno de R$ 365, um incremento de 7% em relação ao ano passado. O percentual de público ficou balanceado entre lazer e corporativo, com 50% cada. Já em relação à procedência, os turistas estrangeiros ultrapassaram os nacionais e foram responsáveis por 56% dos quartos ocupados. No mercado internacional, o principal público veio dos Estados Unidos, enquanto no nacional São Paulo e Brasília lideram. “O mercado internacional voltou com mais força esse ano e a tendência é melhorar cada vez mais com os grandes eventos que temos previstos em calendário. Também estamos investindo em novos mercados, como a Rússia. Todo mundo quer conhecer a cidade que será sede das Olimpíadas e da Copa do Mundo, então é um momento decisivo para ampliarmos nosso público”, comenta Mônica Paixão, Gerente geral do empreendimento.

O Sheraton Porto Alegre Hotel encerrou 2010 com o melhor resultado da sua história, iniciada em julho de 2001
O Sheraton Porto Alegre Hotel encerrou 2010 com o melhor resultado da sua história, iniciada em julho de 2001

Redes hoteleiras comemoram resultados
A rede Othon, que administra atualmente 22 unidades no Brasil e concentra grande parte de seus hotéis na cidade do Rio de janeiro, também apresentou um bom resultado em sua receita operacional em 2010, registrando um crescimento de 11%, com aumento do lucro operacional de 21%. A diária média também cresceu em 11% em relação ao ano anterior e a taxa de ocupação chegou a 77%, com 520 mil quartos/noite ocupados no ano. Os hotéis da rede apresentaram os seguintes resultados: o Aeroporto Othon Travel (Rio) aumentou em 75% de lucro comparado ao mesmo período de 2009, seguido pelo Leme Othon Palace (Rio) com 41%, Belo Horizonte Othon Palace com 34%, Califórnia Othon Classic (Rio) com 34%, Olinda Othon Classic (Rio) com 24% e Rio Othon Palace, com 16%.
O Transamérica Hospitality Group, a administradora de empreendimentos hoteleiros da rede Transamérica, obteve um faturamento de R$100 milhões no ano de 2010, avaliando o desempenho dos 18 hotéis administrados pelo grupo, localizados nas cidades de São Paulo, Sorocaba, Rio de Janeiro, Vila Velha e Curitiba. No balanço do ano passado, a administradora teve alta de 32% em relação a 2009, considerando as receitas em hospedagem e eventos. Os hotéis administrados também receberam mais de 600 mil hóspedes, considerando entradas diárias, gerando mais de 450 mil room nights. Segundo Romulo Pereira da Silva, Gerente administrativo corporativo, o grupo estima ainda uma diária média geral entre todos os seus empreendimentos administrados em torno de R$ 208. “Mesmo a demanda sendo sempre mais forte no 2º semestre, em 2010, o crescimento percentual nos dois semestres foi semelhante e ultrapassamos a casa dos 30% nos dois períodos”, declara Romulo.  Segundo ele, o grupo, que vem atuando fortemente na expansão de seus negócios, inicia 2011 com operações de novos empreendimentos nas cidades de Jundiaí, interior de São Paulo, Goiânia e Recife. Para este ano, a administradora pretende crescer 20% entre os hotéis já em operação e agregar mais seis novos empreendimentos para alcançar a marca de 50% em receita no final do segundo semestre de 2011.
A Accor, maior administradora hoteleira do Brasil também comemora os resultados obtidos em 2010. A taxa de ocupação média acumulada de suas 165 unidades foi de 72% e uma diária média de R$ 165,00. De acordo com Roland de Bonadona, os resultados são considerados excelentes e uma das operações mais rentáveis da Accor no mundo. “Este crescimento deverá ser sustentável nos próximos anos em razão de nossa política de expansão que prevê 300 hotéis em operação até 2015. O grande salto será através do modelo de franquias que estabelecemos, onde devemos ter 100 novas unidades Formule 1 no Brasil no período”, destaca Bonadona.  Segundo ele, a empresa, assinou 24 contratos com investidores em 2010 para novos empreendimentos na América Latina, sendo que 12 investidores já são parceiros da Accor em outras unidades, o que demonstra a confiança que eles possuem na administração. Com os novos contratos assinados, a Accor passa a ter 84 hotéis sendo implantados na América Latina, que irão compor sua estratégia de ter, até 2015, 300 hotéis em operação.
A Atlantica Hotels International apresentou novo recorde de crescimento de seus indicadores de resultado em 2010. As vendas totais dos hotéis da rede cresceram exatos 26% contra 7,94% em 2009 e houve também uma alta de 36,9% no lucro operacional. O RevPar cresceu 19,42% em relação ao ano anterior, enquanto que a ocupação avançou em 10,45% em contrapartida com alta de 7,82% da diária média cobrada pelos hotéis. “Fomos buscar melhoria em todas as frentes do negócio e agora comemoramos junto dos investidores um ano espetacular”, diz Annie Morrissey, vice-presidente de Marketing e Vendas.
A rede mineira de Hotéis Arco também não tem de se queixar dos resultados alcançados em 2010. No acumulado do ano, os quatro hotéis da rede – Niagara Flat, San Diego Suítes Belo Horizonte, San Diego Ipatinga e San Diego Uberlândia – somaram mais de R$16 milhões em receita. Em 2009, R$12 milhões foram acumulados. Em termos de faturamento, o crescimento em relação a 2009 (nas mesmas unidades), foi de 27,5%. O Diretor financeiro da rede, Simonal Dias, prevê um crescimento de 15% em 2011. “Vamos investir em melhorias, tecnologia e atualização dos hotéis. Isso demanda maior volume de recursos investidos”, afirma.

Bonadona - "Obtivemos em 2010 uma taxa de ocupação média acumulada de 72% em nossas 165 unidades e uma diária média de R$ 165,00"
Bonadona – “Obtivemos em 2010 uma taxa de ocupação média acumulada de 72% em nossas 165 unidades e uma diária média de R$ 165,00”
SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image