HOME Matérias Entrevista Guilherme Paulus: 44 anos de contribuição ao turismo

Guilherme Paulus: 44 anos de contribuição ao turismo

278
0
SHARE
Guilherme Paulus, Presidente da rede GJP Hotels & Resorts é o novo Presidente do Conselho de Administração do SPCVB

Ter uma empresa, garantir sua rentabilidade e se manter no topo não é fácil. Alcançar isso em um momento de incerteza econômica é ainda mais difícil. Mas é neste quadro que a CVC, tradicional operadora de viagens e a GJP Hotels & Resorts têm se destacado no mercado. Com mais de 40 anos de trabalho e muito amor ao que faz, Guilherme Paulus, Presidente da GJP e do Conselho de Administração da CVC coleciona números positivos.

Só no primeiro trimestre deste ano, a CVC cresceu 1,7% em reservas confirmadas, além de ter adquirido recentemente a Rextur Advance, voltada ao turismo corporativo e a Submarino Viagens, garantindo ainda mais seu espaço no meio digital. A empresa conta com 1.021 lojas exclusivas franqueadas, mais de 6.500 lojas multimarcas credenciadas e seu canal on-line.

Já a GJP Hotels & Resorts conta hoje com 19 hotéis no Brasil e até o final de 2016 vai inaugurar mais três empreendimentos. As unidades próximas de aeroportos são uma grande estratégia da rede, que garante alta ocupação com os viajantes de negócios. Especializada em administração, o grupo logo terá um hotel na capital potiguar. Confira estes e outros detalhes das estratégias de crescimento das empresas de Guilherme Paulus nesta entrevista exclusiva.

Revista Hotéis – Você é um dos empresários mais respeitados do Brasil com forte atuação no segmento de viagens e de hotéis. Como estes segmentos têm se comportado diante do atual quadro político-econômico que o Brasil vive? Qual é sua avaliação?

Guilherme Paulus – Considerando a experiência dos 44 anos de atividades da CVC, passamos por inúmeras adversidades da economia, com trocas e mudanças de planos econômicos. As dificuldades sempre existirão, em diferentes momentos. O momento atual não é diferente e vale destacar que as pessoas não deixam de viajar. Os números da CVC continuam em alta, a companhia cresceu 1,7% em reservas confirmadas no 1º trimestre de 2016, se comparado ao mesmo período do ano anterior. A experiência nos mostra que os brasileiros adaptam a viagem ao orçamento e não deixam de viajar, afinal férias é sempre uma oportunidade única, de descanso e que o trabalhador a encara como merecimento.

O turismo é um setor resiliente, os consumidores querem viajar e toda a companhia trabalha para que milhares de brasileiros realizem esse desejo. No caso da GJP não é diferente. Nossa rede hoteleira segue em franca expansão. Prova disso é que já estamos com 19 hotéis por todo o Brasil e até o final deste ano teremos mais três hotéis novos inaugurados.

“Descobri no turismo minha verdadeira vocação e acreditei no sonho”

Revista Hotéis – Que dicas ou conselhos você daria para alguém que está começando agora a empreender no segmento de viagens ou de hotéis no Brasil?

Guilherme Paulus – Primeiramente é preciso amar o que faz. O empreendedor também deve ser antenado com tudo e com todos. É fundamental conhecer o mercado que se atua e conhecer seus competidores em detalhes. Obviamente que, para ter sucesso, não existe uma fórmula pronta. O caminho é trabalhar intensamente, ter uma rede sólida de parceiros, porque dificilmente você cresce sozinho. Costumo dizer que o sucesso é resultado de 5% de inspiração e 95% de transpiração. Outra dica é inovar, saber ouvir especialistas, observar o mercado e perseverar sempre.

A atualização profissional também é um item extremamente importante no cenário atual. Acredito que todos nós sonhamos em ter sucesso profissional e comigo não foi diferente. Descobri no turismo a minha verdadeira vocação e acreditei no sonho, estudando e trabalhando duro, sempre de olho nas oportunidades de mercado e, claro, com muita paixão pelo o que a vida me ensinou: bem atender e receber o turista onde quer que seja.

Revista Hotéis – Recentemente a CVC, na qual você ainda é acionista, adquiriu a Rextur Advance e a Submarino Viagens. Esta ação foi para repensar e reiventar o negócio? Como analisa e quais os ganhos que a CVC passou a ter?

Guilherme Paulus – A CVC é uma empresa de varejo que entende que o consumidor é multicanal, ou seja, o consumidor realiza a compra pelo canal de vendas que for mais conveniente e no momento que deseja. É o cliente que decide em qual canal deseja comprar e, por conta disso, a CVC atua em todos os canais, de venda presencial e de venda on-line. Hoje, a CVC tem a maior rede de distribuição de turismo no varejo: são 1.021 lojas exclusivas franqueadas, mais de 6.500 lojas multimarcas credenciadas e o canal on-line www.cvc.com.br.

A entrada da CVC no mundo web é de longa data – a CVC foi pioneira ao lançar o seu site nos anos 2000, e desde então vem incrementando gradativamente a sua atuação nesse universo. A aquisição do Submarino Viagens, que já tem uma expertise digital e é uma marca forte entre as OTAs, vem exatamente para fortalecer a presença da companhia no canal online. As empresas continuam a atuar de forma independente, assim como a Rextur Advance, empresa de turismo corporativo. Atualmente, as vendas on-line representam 6% das vendas totais da CVC e o share deste canal pode chegar a 15%, um ganho grande em um curto período de tempo. Mas as aquisições reforçam, sem dúvida alguma, a importância da CVC para a economia e para a vida de milhares de brasileiros, sejam eles nossos funcionários, clientes, franqueados, fornecedores e demais parceiros de negócios da cadeia de turismo.

Revista Hotéis – Em 2014 você estimou investir até 2018 cerca de R$ 1 bilhão na abertura e renovação de empreendimentos e ter 48 unidades da GJP Hotéis em operação. Esta expectativa continua?

Guilherme Paulus – Vivemos um momento difícil, economicamente falando, não há como fazer previsões muito distantes. Hoje, as empresas passaram a rever seus planejamentos futuros quase que diariamente. Posso dizer que estamos em plena expansão por todo o Brasil, alcançando ótimas médias de ocupação, como no novo Prodigy Berrini, em São Paulo (SP), que chega a 75% todos os meses, mais do que a média daquela região, que fica em torno de 60%. E as inaugurações e aquisições não param. Acabamos de fechar a compra do Pestana Natal, que passará a se chamar Prodigy Beach Resort Natal. Nossa operação na capital do Rio Grande do Norte está prevista para o dia 29 de junho. E ainda este ano inauguraremos unidades em Gramado, Juiz de Fora e Brasília. A meta de 48 unidades é ousada, estamos trabalhando para isso.

Revista Hotéis – Você apostou na construção de hotéis próximos a aeroportos e três já estão em operação. Como estão estas operações? Pretende continuar a investir em hotéis próximos a aeroportos? Muitas redes hoteleiras tem buscado cidades secundárias e ou terciárias com até 100 mil habitantes para expansão através de bandeiras econômicas. A GJP pretende seguir este rumo ou adota outra estratégia?

Guilherme Paulus – Nossos hotéis de aeroportos são extremamente estratégicos, acabam fugindo do “lugar comum” por serem também destinados para clientes de lazer. No Prodigy Santos Dumont, por exemplo, o maior hotel da rede, inaugurado em dezembro de 2015, o diferencial é a maravilhosa vista que ele proporciona, piscina de borda infinita com vista para o Pão de Açúcar, academia de ginástica, restaurantes e bares e uma vasta programação de música ao vivo (Bossa Nova).

Vale citar ainda o nosso Linx Galeão, com padrão corporativo e turístico, com piscina e fitness center, além de restaurante 24 horas. Em Confins, também investimos no inovador dual-branded, ou seja, duas bandeiras no mesmo prédio: Prodigy e Linx Confins, outro empreendimento novo e localizado no maior aeroporto de cargas do Brasil.

O hotel, todo decorado com temas que remetem à aviação, também possui um centro de eventos para atender empresas da região de Belo Horizonte e interior do Estado de MG, assim como passageiros em voos internacionais que estiverem em trânsito. Estamos prontos para participar de novas licitações pelo Brasil sempre que a Infraero anunciar um novo projeto. Sobre hotéis econômicos em cidades menores, há possibilidade sim, inclusive já temos alguns em vista, mas não podemos anunciar ainda.

Revista Hotéis – Quantos hotéis próprios tem a GJP e quantos administra? Franquia faz parte de negócios futuros ou mesmo a internacionalização?

Guilherme Paulus – A GJP conta agora com nove hotéis próprios, sendo eles: Wish Serrano Resort & Convention , em Gramado (RS); Wish Resort Golf & Convention, em Foz do Iguaçu (PR); Prodigy Beach Resort Marupiara, em Porto de Galinhas (RS); Hotel Saint Andrews, em Gramado (RS); Sheraton da Bahia, em Salvador (BA); Linx Hotel International Airport Galeão, no Rio de Janeiro (RJ); Prodigy Hotel Santos Dumont Airport, no Rio de Janeiro (RJ); Linx e o Prodigy Confins International Airport, em Belo Horizonte (MG) Prodigy Beach Resort Natal, em Natal (RN).

O restante são hotéis administrados em todo o Brasil, totalizando 19 hotéis. Franquias e internacionalização não fazem parte do nosso modelo de negócio. Nossa especialidade é a administração de hotéis, sejam eles próprios ou não, implementando nossa expertise na hotelaria nacional e minha experiência de mais de 40 anos no mercado de turismo.

Revista Hotéis – Algumas capitais do Brasil enfrentam problemas com a baixa taxa de ocupação, como por exemplo, Salvador, onde vários hotéis fecharam nos últimos anos e a GJP tem um hotel próprio com a bandeira Sheraton. Na sua opinião, por que este quadro aconteceu, assim como em outras capitais como Belo Horizonte?

Guilherme Paulus – Salvador está se reinventando este ano e a proposta é voltar a ser uma grande potência no turismo brasileiro já nos próximos anos. É uma cidade encantadora, de culturas mil, gastronomia de primeira linha e paisagens jamais vistas em qualquer outro lugar do mundo. A capital baiana é carente de um grande centro de eventos, o que voltaria a movimentar o turismo corporativo até de outros países. Nosso hotel próprio no Estado, o Sheraton da Bahia, é um dos grandes ícones da hotelaria nacional e um grande orgulho do povo baiano, com mais de 350 obras e arte e completamente novo e reformulado de acordo com sua planta original, da década de 50. Temos uma vasta programação que rende uma boa ocupação no acumulado do ano, como festivais gastronômicos, festas de casamento, festas temáticas, eventos corporativos, etc. Mas ainda falta vontade política para ampliarmos a capacidade turística de uma das mais belas cidades brasileiras.

“Salvador voltará a ser uma grande potência no turismo brasileiro”

Revista Hotéis – Recentemente a GJP contratou o Reginaldo Olivi e o André Lameiro para a área de planejamento, novos negócios e vendas. Qual é sua expectativa em relação a chegada deste dois experientes profissionais? O que muda na GJP com eles?

Guilherme Paulus – Eles acabaram de se juntar ao time exatamente para fortalecer a marca e ampliar nossa rede em todo o Brasil. O time de vendas ganhou reforço e os novos negócios estão sendo absorvidos com um olhar analítico e experiente dos dois profissionais.

Revista Hotéis – Na sua opinião, qual o legado que as Olimpíadas deixará para o Brasil? Conseguiremos sair da casa dos 5 milhões de turistas estrangeiros que visitam o Brasil anualmente? Poderemos ser um superpotência neste segmento?

Guilherme Paulus – Os jogos Rio 2016 finalmente chegaram, uma vitrine inesquecível para qualquer nação, um grande portão de entrada para turistas internacionais. Já provamos que somos ótimos anfitriões na Copa do Mundo, portanto agora é trabalhar na recepção desses turistas e atletas do mundo inteiro e mostrar a eles o que o Brasil tem de melhor. Nossas dimensões continentais são imensuráveis, não precisamos restringir a divulgação somente nas belezas do Rio de Janeiro, que já é um destino reconhecido mundialmente.

Temos belezas históricas e naturais em qualquer local, destacando a região Nordeste e Salvador especialmente, além de São Paulo, Rio Grande do Sul e a Amazônia, que os turistas adoram. Nossos números, em relação a estatísticas internacionais, ainda estão muito aquém do desejado, o que faz dessa oportunidade olímpica mais uma chance de ampliarmos resultados, gerando emprego e renda, receita para os municípios e muita diversão a turistas e competidores.

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image