HOME Matérias Aconteceu GRI Hotéis 2015 discute empreendimentos de uso misto

GRI Hotéis 2015 discute empreendimentos de uso misto

75
0
SHARE

Terminou a pouco o painel “Mixed Use – Como a hotelaria pode ser a cereja do bolo?”, no GRI Hotéis 2015, evento que acontece no hotel Pullman São Paulo Ibirapuera, na capital paulista e que é organizado pela Global Real Estate Institute.

O debate contou com a participação de Amandus Zibell – Sócio, BSP; Armando Mesquita Netto – Diretor de desenvolvimento de novos negócios, Método Engenharia; Claudio Dall’acqua Jr – New business director, Iguatemi Shopping Centers; Francine Agra Martini Martins – Superintendente de negócios, BSP Empreendimentos Imobiliários; Gustavo Andrade Pellicciari – Diretor de Incorporação, Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário; Lindsay Gordon- Manager – hospitality & gaming, Cushman & Wakefield; Maristella Diniz – Managing Director, GTIS Partners; Paula Muniz – Vice President of Development – Brazil, Hilton Worldwide; Roland de Bonadona – CEO Americas & Caribbean, Accor Hotels; Sergio Athié – Sócio Fundador, Grupo Athie Wohnrath; e Sergio Saenz – Director of Hospitality, HKS Architects.

Na visão da vice presidente de desenvolvimento para o Brasil da Hilton Worldwide, Paula Muniz, o mixed use agrega para o hotel, assim como o ele agrega para os outros serviços inclusos. Eles precisam estar conectados para oferecerem um produto consolidado.Mixed UseOs participantes discutiram sobre a importância de encaixar um melhor produto para cada região. Ambos concordaram que o hotel é um componente forte para o empreendimento, mas que ele não é um único critério para oferecer um diferencial para o investidor. Para eles, é importante verificar a flexibilidade do produto, a flexibilidade operacional e a flexibilidade jurídica.

De acordo com Bonadona, o íbis se dá muito bem com os shopping centers, mas no caso de um hotel cinco estrelas é muito difícil financiar um empreendimento dessa categoria para uso misto.

Para os participantes, um do grandes entraves na consolidação de um projeto de uso misto, se dá nas questões jurídicas, onde os cartórios são muito engessados para auxiliar os investidores.  Além disso, ambos alertaram sobre a importância de todos os players desses empreendimentos participarem de todas as etapas do projeto, desde sua concepção até sua finalização, de modo que o projeto contemple todas as áreas.

De acordo com Guilherme Cesari, vice-presidente de desenvolvimento da rede Mariott, o quanto antes a rede hoteleira estiver envolvida nos projetos de uso misto, melhor. Pois isso influencia positivamente na operação hoteleira, para que o produto tenha uma performance adequada ao empreendimento de uso misto.

SHARE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image