HOME Matérias Gargalos e carências na segurança hoteleira serão debatidos em São Paulo

Gargalos e carências na segurança hoteleira serão debatidos em São Paulo

87
0
SHARE
As inscrições aos hoteleiros são gratuitas, mas as vagas são limitadas - Foto - Divulgação

Cada vez mais, a segurança pública tem sido motivo de preocupação da população brasileira. Isso também afeta propriedades privadas, como os hotéis, que em sua maioria não estão adequados devido à falta de legislação clara que os obrigue a estruturar seu sistema de segurança. Questões como essa serão abordadas no Fórum de Segurança Hoteleira, realizado pela Revista Hotéis no dia 23 de agosto, das 08h00 às 18h00 no Club Homs, na Avenida Paulista. O debate “Segurança hoteleira no Brasil: Carências e soluções” terá a participação de três profissionais ligados ao setor: Inbal Blanc, Mario Cezar Nogales e José Jacobson Neto. Quem vai moderar este painel será Peter Kutuchian, Publisher do site Hotelier News.

Inbal Blanc conta com mais de 17 anos de experiência na área da segurança pessoal e patrimonial e de gestão de Riscos. Sua carreira foi desenvolvida em Israel, onde foi oficial da tropa de elite do Exército, tendo também trabalhado com segurança de hotéis e turismo no setor privado. É fundador e CEO da SegurHotel, empresa de Consultoria de segurança e riscos no segmento hoteleiro na América Latina, trabalhando com mais de 150 hotéis de diferentes níveis em todo o Brasil e na Argentina.

“Nos últimos anos, vimos os prejuízos que a falta de segurança traz para os destinos turísticos no Brasil (Rio, Vitoria, Natal, entre outros). Os investimentos na área da segurança devem ser realizados através de um projeto detalhado e controlado e a maioria dos hotéis pagam relativamente caro pela segurança sem ter retorno algum (Homens de segurança e equipamento)”, argumentou Blanc.

Inbal Blanc já foi oficial da tropa de elite do Exército de Israel Foto – Divulgação

Segundo ele, inicialmente o hotel deve investir no que ele já tem: a equipe do hotel, o manual de procedimentos e a tecnologia existente. “Com esses três pilares implantados, treinados e auditados periodicamente é possível melhorar muito a segurança sem precisar de grandes investimentos”, adiantou.

Deficiência pública

O consultor hoteleiro Mario Cezar Nogales também falará sobre a deficiência na segurança pública e sobre o papel das autoridades neste assunto. Nogales é autor de sete livros específicos para a hotelaria e atualmente é consultor com sólida vivência profissional no setor, com passagens por grandes redes como: AccorHotels, Grupo Riema e a Atlântica Hotels. Também atuou como consultor em alguns hotéis, entre eles o Praia do Forte Eco Resort. Em 2003, abriu The Nogales Group – Especialistas em Hotelaria. “Devemos criar, não apenas o setor hoteleiro, mas uma união de setores, para que nossa polícia seja gerenciada e administrada por civis e operacionalizada por civis e de forma regional, assim os problemas de cada região serão melhor administrados e com certeza a segurança pública chegará a patamares satisfatórios”, acredita Nogales.

Mario Cezar Nogales é Consultor Especializado em Hotelaria e autor de sete obras especificas para hotéis – Foto – Divulgação

Para ele, antes do advento da internet e sua tecnologia aplicada, hóspedes e funcionários tinham mais segurança do que se tem hoje, pois antes, a obrigação de checar documentos era de fato realizada, assim como os meios de pagamentos eram preventivamente checados. “O que acontece hoje, por uma questão de resultados financeiros, a segurança está relevada a segundo plano, e são poucos os administradores que entendem que a segurança e privacidade dos hóspedes são sine qua non à hospitalidade e serviços que meios de hospedagem prestam e isto se deve ao tipo de educação pública e privada que temos tido nos últimos 20 anos”, apontou o consultor.

O Fórum conta com apoio de várias entidades ligadas ao setor hoteleiro no Brasil e de entidades da segurança

Ter um gestor de segurança é fundamental

José Jacobson Neto, formado em Administração pela FIG — Faculdades Integradas de Guarulhos e Direito pela Universidade Mackenzie também compõe este painel. Ele é Presidente da ABREVIS — Associação Brasileira das Empresas da Segurança, Vice Presidente da FESESUL —Federação Sul – Americana de Segurança. Presidente do GRUPO GP: Guarda Patrimonial de São Paul, Primeiro Vice – Presidente do SESVESP — Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação do Estado de São Paulo, Vice-Presidente Pesq. e Analise de Mercado CEBRASSE — Central Brasileira do Setor de Serviços. É membro da Comissão Consultiva para Assuntos da Segurança Privada/ Departamento Polícia Federal.

José Jacobson Neto possui muita experiência na área de segurança

Neto destaca que os estabelecimentos de hospedagem estão expostos a inúmeros riscos, principalmente, riscos de assaltos ou furtos, seja em prejuízo aos hóspedes ou ao próprio hotel. “Engana-se o administrador que acha que para garantir a segurança, contratar controladores de acesso ou seguranças não habilitados são suficientes para a proteção do local. Tais medidas não se traduzem, efetivamente, em segurança, visto que quadrilhas se especializam em atacar hotéis e seus hóspedes. Hospedam-se no próprio local alvo da ação criminosa. Agem discretamente e, utilizando técnicas aprimoradas, adentram os quartos. Furtam bagagens, laptops e celulares, clonam cartões, entre outros crimes”, alertou.

Segundo ele, engana-se também quem acredita que investir em segurança é aumentar os custos operacionais do negócio. O resultado é justamente o contrário. A valorização da segurança passa também pelo planejamento de atividades e adequação de estruturas, priorizando sempre o conforto e a privacidade dos hóspedes. Para essa solução, uma figura de grande importância é do gestor de segurança. Um profissional bem preparado, que precisa entender intimamente como funciona o hotel.

Para participar do Fórum de Segurança da Revista Hotéis, faça sua inscrição no link: http://www.revistahoteis.com.br/forum/.

O Fórum de Segurança Hoteleira possui a chancela e apoio das seguintes entidades: FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil; FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação; ABIH Nacional – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis e regionais; ABR – Associação Brasileira de Resorts; ABREVIS – Associação Brasileira das Empresas de Vigilância; SESVESP – Sindicato das Empresas de Segurança privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação do Estado de São Paulo; ABESE – Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image