HOME Matérias Aconteceu “Business Inteligence”, a importância da informação rege painel no 3º Adit Share

“Business Inteligence”, a importância da informação rege painel no 3º Adit Share

191
0
SHARE
Os painelistas debatarem bem o tema da importância da informação sobre a gestão de negócios

Direto de Campinas (SP) – Foi finalizado há pouco mais um painel do Adit Share 2015, que acontece no Royal Palm Plaza Resort, em Campinas (SP), até este sábado (15). Moderado por Rodrigo Macedo, Diretor Comercial da Tríade Soluções, a palestra “Business Inteligence (BI): a importância da informação do negócio” contou com a participação de Rodrigo de Souza, do Grupo RMEX; Fernando Rodrigues, da CLM Consultoria; Danilo Samezima, da WAM Negócios e Armando Ramirez, da RCI.

Quem iniciou o painel foi Rodrigo Souza, que atua no setor de inteligência de negócios há oito anos, e falou sobre a definição do B.I., que está atrelado a Marketing e Vendas. “É preciso entender o que o cliente está te passando. Nós precisamos dominar cada processo dos multicanais no business intelligence, passando por marketing e Lead Generation”, explica.

Segundo ele, é importante segmentar os prospects, coletando dados sócio-demográfico; fazer mapeamento de clientes e parcerias rentáveis; definir target por região, faixa etária e poder de consumo; fazer uma comunicação personalizada conforme o target de produto; definir o custo de prospecção e operar um telemarketing inteligente, com um processo de apuração e qualificação que torna o resultado mais efetivo.

“Durante a venda, é possível reter uma série de informações, que podemos fazer muitas coisas, por isso, o pós-venda é tão importante. Fazer gestão e controle da carteira de cobrança; CRM/DBM da carteira de clientes; programas de indicação e revenda de contratos; estratégia de ativação e utilização segmentada, definindo perfis e oferecendo benefícios específicos; políticas e programas de retenção, onde destaco perfil x riscos”, comenta, finalizando com menção a importância do Revenue Menagement no final do processo.

Em seguida, o Gerente de Novos Negócios da RCI, Armando Ramirez, que explicou sobre os principais desafios para o empreendimento no momento do estudo de viabilidade para um produto de timeshare. Segundo ele, alguns dos problemas enfrentados são a falta de um sistema flexível, adaptável à rapidez do negócio; infraestrutura tecnológica inadequada; falta de Mao de obra qualificada; desconhecimento dos indicadores do negócio; infraestrutura organizacional e o risco de perda das informações do negócios, “um dos pontos mais importantes e que geram muitos prejuízos aos empreendimentos”, comenta Ramirez.

O gerente da RCI cita também três principais benefícios do modelo seguido pela Services Solutions (terceirizada de processos de negócios): foco nas forças de cada um; experiência do cliente e gestão de atendimento a clientes com qualidade, produtividade e níveis de serviço.

Danilo Samezima, Gerente de Estratégia e Inteligência de Negócios da WAM Negócios, levou aos presentes as definições do “Ativo Intangível”, um capital intelectual presente nas organizações atuais. Samezima também mostrou os pilares da inteligência empresarial, “para dar estratégias para a diretoria que gere ação, com mais sustentabilidade’’, explica. São cinco os pilares: Negócio, estruturação jurídica, administração hoteleira, incorporador/empreendedor e comercializadora.

Para finalizar as apresentações, Fernando Rodrigues da CLM Consultoria, afirmou que tem atendido cada vez mais um publico mais jovem, o que exprime um novo perfil de cliente onde atuará o Business Intelligence. “Não basta vender para o cliente, mas também mantê-lo. Precisamos abranger e priorizar o relacionamento, oferecendo o que há de melhor no empreendimento deixando-o à vontade. O cliente é quem vai manter o negócio firme na indústria”, comenta, destacando também a atenção devida ao plano de negócio.

O moderador Rodrigo Macedo levantou ainda a questão do custo do B.I., uma preocupação ainda presente entre os empreendedores. Para Rodrigo de Souza, trata-se de um investimento focado não em tecnologia, mas em material humano.  “Depende de dois aspectos, de equipe e tecnologia. É difícil falar sobre investimento na parte tecnológica pois depende do tamanho do negócio e do sistema utilizado”, explica. Para Armando Ramirez, por serem vendidas experiências para o cliente, este é um serviço que “não tem preço”.

A equipe da Revista Hotéis se hospeda no Royal Palm Plaza a convite da ADIT Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image