HOME Matérias Aconteceu ADIT Share 2018 debateu Soluções jurídicas da propriedade compartilhada

ADIT Share 2018 debateu Soluções jurídicas da propriedade compartilhada

63
0
SHARE
O Superintendente jurídico da RCI Brasil, Rodrigo Mathias foi o mediador desse painel

Direto de Ipojuca (PE) – Terminou agora a pouco a primeira palestra da grade de programação do ADIT Share que teve início ontem e se encerra hoje no Enotel Convention & Spa Porto Galinhas. O evento que tem organizaçao da ADIT Brasil, tem a Revista Hotéis como Mídia Oficial. Quem moderou esse painel foi o Superintendente jurídico da RCI Brasil, Rodrigo Mathias contando com a presença de três renomados advogados:Márcia Rezeke da Rezeke & Azzi Advogados, Danitza Lemes Teixeira Mesquita do Grupo GR e Cláudio Camozzi do escritório Camozzi Advogados.

Márcia Rezeke: “Não adianta o jurídico fazer um bom contrato se o produto não é bem vendido e bem operado

Quem começou o painel foi Márcia Rezeke informando que na década de 80 ainda estagiava num escritório de advocacia, onde conheceu o modelo de negócio de tempo compartilhado. Depois disso, começou a se inteirar mais sobre o assunto e prestar consultoria. Segundo ela, em 2006 ela foi contratada para prestar a consultoria do vacation club do Beach Park e tinha algumas dúvidas sobre esse modelo que não havia dado tão certo na década de 90. Ela fez a consultoria do que hoje é um case de sucesso no setor no Brasil. Depois disso, fez consultoria para a Odebrecht de um empreendimento de multipropriedade e após uma participação da ARDA, nos Estados Unidos, resolveu se especializar no assunto. Fez tese de doutorado em multipropriedade com o tema do direito de lazer, sendo a primeira vez que alguém tratava desse assunto. Depois disso, Márcia disse que passou a focar esse segmento como prioritário e deixou um recado. “Não adianta o jurídico fazer um bom contrato se o produto não é bem vendido e bem operado. É necessário ter clareza que vacation é uma coisa, mas multipropriedade é outra coisa completamente diferente. Temos que ser chatos em identificar essa divisão para evitar confusão na interpretação”, disse Márcia.

Contrato sob encomenda
Outro ponto importante que ela destacou foi a elaboração de uma convenção de condomínio. “Ela deve ser bem pensado e elaborado sob encomenda para o empreendimento, pois a necessidade de um nunca é igual ao outro. O fechamento comercial do contrato também é outro fator que deve ser levado em consideração, pois as principais causas jurídicas estão relacionadas a esse segmento, assim como o pós venda. E isso impacta os custos das comercializadoras. Precisamos fazer a formatação jurídica bastante profissional para que esse mercado seja mais conhecido e respeitado”, destacou Márcia.

Danitza Lemes Teixeira Mesquita “É importante que o incorporador tenha em mente a preocupação em lançar um produto seguro

Análise minuciosa contratual
A advogada Danitza disse que o Grupo GR tem uma preocupação grande ao lançar um produto e fazer uma análise minuciosa do ponto de vista jurídico afim de evitar transtornos posterior. “O Incorporador tem como base algumas leis vigentes, como a 4.591 de 1964, a 6.766 de 1970, 9.514 de 1997, o código de defesa do consumidor, entre outras. Por isso a lei que vai regulamentar a multipropriedade e que está em votação no Senado, dará mais arcabouço e segurança jurídica do setor. Mas independente da legislação, é importante que o incorporador tenha em mente a preocupação em lançar um produto seguro. Se o incorporador não se atentar a isso, com certeza o judiciário encara. O juiz acima de tudo é um consumidor e ao julgar a ação, ele leva isso em consideração. O judiciário muitas vezes não conhece e não entende o que é o produto que foi vendido e julga de forma equivocada alegando que é uma venda que lesou o consumidor”, disse advogada Danitza.

Cláudio Camozzi: “O Ministério Público quando não compreende algo, ele cria pelo em ovo”

Alavanca e uso dos recursos
O advogado Cláudio Camozzi disse que a multipropriedade surgiu da ociosidade de um imóvel e criou esse modelo de negócios que alavanca muitos recursos imobiliários em diversos segmentos, como incorporadores, construtores, comercializadores e administradores. E ele deu algumas dicas valiosas para quem deseja entrar no segmento e não ter problema posterior com a justiça. “Você deve estar atento as formas de dinheiro que está circulando em sua empresa, que é o faturamento em que pode se ver quantas vendas está fazendo. Outra forma é olhar para o fluxo de caixa para ver se ele está ‘virado’ ou seja, uma parte descoberta muito grande o que traduz custo financeiro. O estoque do produto e capital parado também deve ser controlado. Ter plena consciência na formatação do produto de forma bem segura, pois o Ministério Público pode sair em defesa do consumidor que se disse lesado, assim como do impacto ambiental. Lembrem-se, se o Ministério Público quando não compreende algo, ele cria pelo em ovo. Por isso, recomendo que se faça visitas a eles, ao judiciário numa visita para explicar o produto que está lançando. Visitas as associações locais também são importantes para que eles possam conhecer o impacto de seu empreendimento na vizinhança, assim como fazer um minucioso check list dos tópicos dos produtos, afim de evitar futuramente problemas com a CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Deixe claro no escopo de seu produto que não se trata de investimento, mas para fins de segunda residência. Com essa prevenção, vai diminuir a contenção do litigioso. O poder do grupo é que faz a diferença, por isso procure se associar a entidades sérias, como o SECOVI para ter o respaldo necessário para tomada de decisão e negócios”, concluiu Camozzi.

A Reportagem da Revista Hotéis está hospedada no Enotel Convention Spa Porto de Galinhas para cobrir esse evento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here


CAPTCHA Image
Reload Image