HOME Matérias 65% dos viajantes corporativos se preocupam com segurança de dados

65% dos viajantes corporativos se preocupam com segurança de dados

68
0
SHARE
O que pensam os viajantes corporativos sobre segurança de dados - Foto: divulgação

Segundo pesquisa realizada pela Carlson Wagonlit Travel (CWT), empresa global de gerenciamento de viagens corporativas, apenas 35% das pessoas que viajam a negócios se sentem confiantes em não comprometer a segurança dos dados corporativos durante suas viagens.

Na comparação entre regiões, usuários das Américas são mais confiantes (46%) do que viajantes da Ásia-Pacífico (28%) e da Europa (27%). Para Andrew Jordan, Vice-Presidente Executivo da CWT, os resultados mostram que ainda há muito a ser feito quando o assunto é educação dos viajantes sobre como cuidar de informações de suas companhias. “A conectividade em espaços públicos pode colocar dados em risco. Por isso, conscientização e treinamento são importantes para proteger o material contra qualquer possibilidade de violação de segurança”, comenta.

Ao viajar, há três principais situações nas quais os viajantes consultados afirmam estar mais preocupados: perda ou roubo de laptops ou outros dispositivos móveis (29%), ao utilizar rede Wi-Fi pública (21%) e ao usar seus equipamentos móveis para trabalhar (9%).  Outras situações também são fontes de preocupações, como o compartilhamento acidental de documentos da companhia (9%), o acesso aos e-mails corporativos durante as viagens (8%), abertura de arquivos ou a visita a sites questionáveis (8%) e o descarte de documentos impressos (6%).

Ainda segundo a pesquisa, a maior parte dos viajantes corporativos toma uma atitude ao saber de alguma violação de segurança de dados: 37% afirmam desligar imediatamente seus dispositivos, 25% reportam para suas companhias e 34% notificam o departamento de TI.

Menos de 20% dos entrevistados alegam receber comunicação formal com frequência e diretrizes sobre segurança de suas empresas, enquanto 34% informam que obtêm alguma orientação sobre o que não fazer.